Para não esquecer Isnard Lima

“Nasci sob a forma de um peixe
e depois me alimentei de algas”

O poeta e meu compadre Isnard Lima, publicou dois livros: Rosas para a Madrugada (poemas, 1968) e Malabar Azul (crônicas, 1995).

“Estes poemas não tem idade
nem sexo
nem luz.
Nasceram por acaso
sem razão”

Filho da pianista e professora de música Walkíria Lima e do mágico Isnard Brandão Lima, Isnard nasceu em 1 de novembro de 1941 e morreu em 11 de julho de 2002 deixando inacabado um livro de memórias e pronta para a publicação a coletânea poética Seiva da Energia Radiante.

“Meu caro, se vir Maria
pelos caminhos da noite
pelos roteiros do dia
diga a ela que me fui”

 

Sobre “Rosas para a Madrugada“, lançado quando o poeta tinha 27 anos de idade, Alcy Araújo disse que “é um livro de um moço que procura os itinerários da vida, dentro de um mundo pleno de angústias e que se extasia diante do Milagre de Deus”.

“Queria te mandar um presente bem lindo
mas os anjos estacionaram lá fora
com medo de entrar em casa”

“Malabar Azul” é um livro de crônicas e o poeta dizia que escrever crônica é ofício difícil de exercer com arte. Nele deixa claro que não escrevia para as elites, mas para distrair o leitor inteligente contando suas “andanças e inconveniências, nem sempre em estado de graça.”.

“Caminhei dentro de mim mesmo, pacientemente.
Tropecei várias vezes, mas não caí, nunca.
E posso, agora, te dizer: Estou novamente livre. Liberto.
Vivo uma ânsia imensa e incrível de usar a própria liberdade!”

Há um outro livro, o Poemas de um Amor Cigano, apreendido pela Polícia Federal. Era época da ditadura. Naquele tempo um livro só poderia ser publicado após liberaçao da censura. Rebelde, Isnard não submeteu os originais à censura. Mandou imprimir o livro na gráfica do amigo conhecido por Periquito.

Tudo foi feito distante dos olhos da PF.

Convites não foram distribuídos e o lançamento não foi anunciado com antecendência.

Na véspera do lançamento, Isnard nos chamou para sua casa (nessa época estava casado com Carmozina e morava nos altos da Casa Ribamar, na rua Cândido Mendes). Atendemos ao chamado dele e fomos pra lá, eu e outros jovens poetas.

Isnard espalhou pelo chão da sala folhas de cartolina e pincéis atômicos. Deitados no chão, fazíamos  nas cartolinas o chamado para o lançamento. Cada um escrevia o que lhe vinha à cabeça ou saía do coração. Na manhã seguinte, a tarefa era espalhar os cartazes. E fizemos isso. O lançamento seria a noite.
No final da tarde a Polícia Federal invadiu a gráfica do Periquito e apreendeu todos os livros e nunca mais devolveu. Mais tarde justificou que o livro não poderia ser liberado porque num dos poemas Isnard falava de prostituição.

“Rua do Canal, ex do meretrício,
ainda tens matizes de prostituição”.

Foi por causa desse trecho que a PF censurou o livro todo.

Isnard vivia poesia, respirava poesia, pouco se dedicou à advocacia. Participou ativamente dos movimentos culturais numa época em que fazer cultura era coisa de gente que não amava o Brasil (lembram-se do “Brasil, ame-o ou deixe-o”?), coisa de subversivo que merecia estar na prisão. E, por combater com seus versos, o regime ditatorial Isnard foi várias presos na Fortaleza de São José de Macapá e no quartel do Exército.

“Meu poema é teu, irmão.
Está à tua disposição em qualquer lugar.
Meu berro de guerra não se perderá no ar!
Encontrará resposta em outras esquinas.
Subirá às praças, derrubando mitos.”

Um parecer do Conselho de Cultura, dado há cerca de 20 anos,  diz que “Isnard Lima é um marco importante na cidade, como a Catedral, a Fortaleza de São José, o Colégio Amapaense…”

“Minha lira de poeta
já não vale nada
Perdi meu sangue de esteta
no orvalho da madrugada”

(Esse texto publiquei pela primeira vez aqui no blog em 21 de outubro de 2013 e estará no meu próximo livro.
Hoje resolvi republicá-lo. 
No decorrer desta semana vou republicar vários textos sobre diversos assuntos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *