Paulo Paim preside audiência pública no Amapá

O senador Paulo Paim (PT-RS)  preside hoje, às 9 horas,  na Assembleia Legislativa do Amapá,  audiência pública sobre o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 30/2015, que libera a terceirização ilimitada, inclusive nas atividades-fim das empresas.O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados em abril. As audiências públicas têm acontecido em todo o país  e são promovidas  pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH) – da qual Paim é o presidente –  com o objetivo debater as  consequências da terceirização para os trabalhadores.
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também participa da audiência a convite de Paim.

Paim – poeta e escritor
Eu tenho uma grande admiração por Paulo Paim, tanto por sua atuação parlamentar  como também por suas atividades como escritor e poeta e por sua luta em defesa dos direitos humanos.
Paim é autor de vários livros, entre os quais “O canto dos pássaros nas manhãs do Brasil”, “Pátria Somos Todos”, “Para além do que os olhos veem”, “Nau solitária” e “Rufar dos Tambores”. Neste último, ele descreve passagens de vários momentos da política nacional e internacional mostrando a importância das mobilizações no cenário político. “Os tambores tem que estar batendo sempre”, diz,  estimulando o povo a se mobilizar.

Sua poesia traduz sua defesa da cidadania, dos negros e dos idosos.
Como esta:

Idoso
O idoso vive no futuro de cada um de nós
O idoso sorri, brinca, chora, respira e adormece,
e, tal qual a natureza, desperta.
O idoso sonha em cada novo amanhecer.
Sonha com os frutos que plantou
e com a realidade que vai colher.
Sonha com o que pode ainda realizar
pois está vivo, e a cada novo sol
há um ideal a comunicar,
uma experiência a espalhar.

Um dos poemas que considero mais emocionante de Paim foi o que ele fez para homenagear o líder negro, poeta, dramaturgo, artista plástico e político Abdias Nascimento (que tive a honra de conhecer, pois era pai de um amigo meu), que morreu em maio de 2011  aos 97 anos de idade. O poema “Um homem à frente do seu tempo” foi feito e declamado por Paim na comemoração dos 95 anos de Abdias.

“Que as gotas de sofrimento arrancadas do teu
corpo se tornem pérolas, luzes a iluminar a
jornada do nosso povo, da nossa gente”
(…)

“A rebeldia de tuas palavras, que somente os
guerreiros ousam, estão cravadas
na história da humanidade”
(Trechos do poema “Um homem à frente do seu tempo”)

Abdias, que foi enquadrado  no AI-5, preso, torturado e exilado, foi indicado em 2009 ao Prêmio Nobel da Paz em função de sua defesa pelos direitos civis e humanos dos afrodescendentes no Brasil e na diáspora africana.

058Eu, Thiago de Mello e  Paim em sessão solene em comemoração ao Dia Nacional da Poesia em 2011 na CDH do Senado

057aPaulo Paim com o meu livro “Estrela Azul”. Imensa honra ser lida por ele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *