Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

É essa a situação do senador João Capiberibe (PSB-AP) quando o assunto é a CPI da Petrobrás, para investigar  a presidente Dilma por suposto crime de prevaricação no caso da compra da refinaria de Pasadena pela Petrobrás  em 2006, nos Estados Unidos.

Para que a CPI seja instalada são necessárias 27 assinaturas de senadores e 171 assinaturas de deputados. Mais de 20 senadores já assinaram. Do Amapá, apenas Randolfe Rodrigues (PSOL).
Embora, o presidenciável Eduardo Campos (PSB) tenha orientado os senadores do partido a assinarem, João Capiberibe ainda não decidiu o que fazer. Está numa situação extremamente desconfortável: se assinar, o PT rompe de vez com o PSB. Prejuízo para o governador Camilo Capiberibe – que além de perder o apoio do governo federal na sua administração –  na briga pela reeleição terá o PT como oposição e não mais como aliado.
Se não assinar  pode ser carimbado de “traidor do seu próprio partido”.

  • Capi resolveu não votar a favor da CPI, preferiu garantir apoio a presidente Dilma, contrariando a cúpula do PSB nacional. Mas, tenta garantir fôlego e o apoio do PT local ao governo do seu filho. Que linda atitude de um pai preocupado com a prole.

  • DESDE QUANDO CPI NESTA PAÍS DEU EM ALGUMA COISA, E EM ANO ELEITORAL SÓ SERVIRÁ DE PALANQUE PARA A OPOSIÇÃO, PORTANDO, QUE OS INTERESSES DO AMAPÁ TÊM ESTAR ACIMA DESSAS QUERELAS DE BRASÍLIA. NÃO ASSINA CAPI!

  • Realmente é complicado… do ponto de vista politico! O problema é que as vezes (quase sempre) as atitudes dos nossos parlamentares são baseadas em conchavos partidários. Já se a decisão fosse tomada com base na sua pura e simples consciência, acho que ela se tornaria muito mais simples.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *