A história em chamas

A história em chamas
Ernâni Motta de Oliveira*

Moro no Rio de Janeiro há quase 40 anos e visitei o Museu Nacional por várias vezes. Voltava lá, a cada vez que um amigo de outro estado me visitava, fazendo questão de ficar por lá sem pressa, para que os meus amigos visitantes pudessem degustar bem o seu acervo. Ao mesmo tempo, eu revisitava a História!

E nessas quase quatro décadas, sempre ouvi que o Museu necessitava de recursos para ser restaurado, reformado, mantido! E nenhum, repito nenhum, governo se interessou em atender as suas premências, a fim de evitar o desastre que se viu ontem.

Os autoritários governos militares, o caótico governo Sarney, o tresloucado Collor de Mello e seu suplente Itamar Franco, o presunçoso e imperial Fernando Henrique, os arrogantes petistas e, por fim, esse doidivanas que aí está, ninguém deu a atenção que o Museu Nacional merecia. Por isso, emitir notinhas de lamentações é, no mínimo, escarnecer da História e do povo brasileiro.

As verborreicas desculpas da falta de recursos têm-se repetido, porém, o BNDES mostra-se, a cada governo, perdulário com o dinheiro público, ao colocá-lo nas mãos de empresários-políticos, governos estrangeiros e outros. Isso para ficar apenas em uma das instituições governamentais, por onde os nossos impostos somem, como em um ralo escancarado. Mas, há outros meios e métodos de nosso dinheiro sumir, enquanto a nossa História é destinada ao descaso, ao desprezo, à estupidez dos homens!

O Museu Nacional guardava um acervo de mais de 20 milhões de itens, em seus 200 anos de História, conforme publicado, hoje, em vários meios. E tudo virou cinza! Quanta vergonha, meu Deus!

Ah! Em minhas reiteradas visitas ao MN, uma das salas que me atraía era a que guardava as peças marajoaras, até por ser um nortista, que mesmo depois de 30 e muitos anos jamais tentou desenterrar o meu cordão umbilical daquela terra!

País que não tem História, por certo, será subserviente de outros povos, não tenho o menor pudor em fazer essa afirmação. Infelizmente, esse é o nosso destino!

*Ernâni Motta de Oliveira é jornalista

 

  • Foi uma resposta honesta.Do alto dos meus 67a e nascida,criada,com antecedentes e alguns parentes que moram em São Cristóvão posso afirmar que nada mais havia no Museu que queimou.
    Toda a Quinta da Boa Vista veio minguando a cada ano.
    A maioria do acervo do antigo Museu foi retirada pouco a pouco e destinada a outros lugares,
    Até 45a atrás,tinha alguma coisa da Quinta da Boa Vista e do Museu mas,foi Td de bom embora de verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *