Retrato em preto e branco

1991 – Deputados estaduais constituintes Regildo Salomão, Milton Rodrigues, João Dias e Manoel Brasil numa das primeiras sessões da Assembleia Legislativa do Amapá.

(Foto: Alcinéa Cavalcante)

Amapá produz larvicida contra o Aedes aegypti

O Instituto de Pesquisa Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-RJ) e a empresa japonesa Sumitomo Chemical, apresentou nesta quinta-feira, 23, um simulado de campo com o larvicida Sumilar 2MR [nome comercial], que está sendo utilizado no combate às larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. As pesquisas acontecem no campus do Iepa, na Fazendinha.

Os estudos, no Amapá, acontecem desde 2016 e mostraram um resultado eficiente e com um efeito prolongado do produto por até seis meses. (Leia mais)

Sobre o fim do foro: o jogo Câmara x STF

Sobre o fim do foro: o jogo Câmara x  STF
Por Randolfe Rodrigues
Hoje a CCJ da Câmara deu o pontapé inicial para o longo caminho que a PEC do fim do foro terá que atravessar para ser aprovada naquela Casa. Mesmo sendo só um passo inicial, a proposta recebeu ataques candentes de todos os lados, o que mostra que a proposta sofrerá muita dificuldade para ser aprovada, diante da ampla rejeição dos deputados. Na verdade, a PEC só será aprovada caso o STF limite o foro para os políticos, como uma retaliação: a ideia é “se limitam o foro para políticos, vamos dar o troco, limitando também o foro dos juízes e membros do MP”. O tom do relator, Efraim Filho (DEM-PB), deixou isso cristalino.
Mas o julgamento no STF ainda terá pela frente um enorme obstáculo: Gilmar Mendes, que já sinalizou que pedirá vistas e poderá paralisar por meses ou anos o desfecho da votação.
Se Gilmar “matar no peito”, sentando em cima da proposta com seus folclóricos pedidos de vista, o julgamento, que já formará maioria amanhã mesmo, ficará suspenso indefinidamente.
Aí o processo na Câmara tende ser paralisado ou mantido em banho-maria também. O consórcio das mais diferentes legendas já deixou clara sua antipatia pela medida. Chegaram ao descaramento de dizer que a proposta acaba com a imunidade parlamentar por opiniões, votos e palavras, o que não é verdade. Trata-se de pura cortina de fumaça para desviar do óbvio: o que incomoda a sociedade não são os impropérios desferidos por boa parte do Parlamento nas tribunas, mas sim as organizações criminosas plurais e partido-diversas que se avolumam por lá.
Pelo visto, o desfecho do fim do foro, que supostamente deixaria essas pobres Excelências “vulneráveis” (mesmo podendo ser livradas da cadeia ou de cautelares por seus pares, como no caso Aécio e Picciani) segundo os profetas da impunidade, ainda está longe de se colocar no horizonte das instituições pátrias.
Publicado em: Artigo Ir para o Post
  • Como se viu, a maioria dos ministros do STF votou pela restrição ao foro privilegiado para parlamentares. E assim como previsto pelo senador Randolfe Rodrigues, o julgamento foi adiado em função de pedido de vista dos autos, feito pelo ministro Toffoli.

    De uns tempos para cá, o desenrolar dos acontecimentos (decisões) na Câmara e no STF mais parece script de uma peça de teatro, escrita minuciosamente a partir de “acordos políticos” preestabelecidos, celebrados em um lugar qualquer de Brasília, fora da agenda oficial, de preferência na calada da noite.

    É essa a impressão que tenho, quando vejo o rumo que se tem dado à apreciação de temas e matérias relevantes para o país, sobretudo no que tange a matérias que impactam a vida de parlamentares fartamente delatados e denunciados pela prática de crime de corrupção. Parece tudo combinado, tudo previamente decidido politicamente nos mínimos detalhes, sendo as decisões, na maioria das vezes, contrárias aos interesses e anseios do povo.

    Nessa perspectiva, faço minhas as palavras do senador Randolfe Rodrigues: “Pelo visto, o desfecho do fim do foro […] ainda está longe de se colocar no horizonte das instituições pátrias”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Juiz determina a desobstrução da avenida FAB

O juiz Antônio Ernesto Colares, da 3ª Vara Cível e Fazenda Pública, concedeu tutela cautelar de urgência para garantir a desobstrução da Avenida FAB, entre as ruas Odilardo Silva e Eliezer Levy, tomada por manifestantes desde a semana passada. Continue lendo

Vacinação antirrábica

Ei, você que tem cães e gatos, não esqueça: sábado, 25, é dia de vacinação antirrábica.
Para esse dia, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) disponibilizará 49 postos fixos espalhados nos bairros da capital, que funcionarão das 8h às 17h.
A Coordenação de Zoonoses de Macapá tem a meta de imunizar durante todo o ano 55.857 animais e para o dia D de vacinação (25 de novembro) pretende vacinar 35 mil.

Ônibus na Cândido Mendes? Isso é retrocesso

Você é a favor  os ônibus voltarem a circular na rua Cândido Mendes?
Eu acho um retrocesso.
Não acredito que com a volta dos ônibus crescerá o volume de vendas nas lojas ali localizadas. O que vai aumentar mesmo é a confusão no trânsito.
Quer aumentar as vendas? Deixa tua loja mais bonita, mais limpa, mais confortável, baixa os preços (que são um absurdo), investe em propaganda, qualifica os funcionários e para de vender gato por lebre.

Amanhã tem Marcha das Marias

Amanhã, sexta-feira, tem a Marcha das Marias. A saída será às 16h da Praça Veiga Cabra, percorre ruas do centro da cidade e encerra na Praça Floriano, onde  haverá o Show Elas por Elas, a partir das 19h.
A Marcha das Marias faz parte da programação da Campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Artesanato

Essas e outras peças em exposição – e também para comercialização – na Feira de Artesanato da União dos Negros do Amapá. A Feira vai até o dia 30 e faz parte das comemorações da Semana da Consciência Negra.
(Foto: Mariléia Maciel)