Um poema de Natal

Natal
Alcy Araújo (1924-1989)

Que cada um
leve um pássaro
para a amada.
Quem possuir anjo
leve também
seu anjo.

É Natal

Deus acende
pássaros
e rosas
e estrelas
que tentam
inutilmente
fazer renascer
a cor branca
enodoada
pelo vento
que vem das usinas
nucleares.

  • Sensibilidade e comunicação…o poema inicia se com a ação de cada um leva algo de bom de nós…
    Mas também nos faz lembrar das coisas mais simples da natureza…
    Cuja beleza mística e divina,pode nos proteger dos males da tecnologia e da maldade humana do falso progresso no mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *