Um poema de Romério Rômulo

Bandeira
Romério Rômulo

já decidido, bandeira
vou contigo pra pasárgada

se o rei me apagar
me escondo na tua pele
me amarro no teu abraço
e aonde fores, irei

invento que fui amante
da vênus de botticelli
e que a vila de ouro preto
é um raio do meu olho
aí o rei se convence
de que sou homem fatal

invento dos meus amores
dos olhares de clarice
de tantas outras madonas
do aço que já comi

e aí quem vai dizer
que sou isso pelo avesso?
quem vai olhar os meus trapos
e falar do puro medo
das entranhas habitadas
no meu corpo de miséria?

falo dos panos de seda
do meu circo sem igual
onde 15 malabares
no espanto de uma corda
fazem toda a travessia

invento que namorei
a raínha de sabá
e suas tropas andaram
no meu cabelo de lona

te garantizo, bandeira
o rei não vai resistir

quem sabe que as harmonias
de villa-lobos sou eu?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *