A poesia de Demócrito Marinho

A NOITE
Demócrito Marinho

Enquanto o sol se oculta
Ela vem chegando silente
Vai despertando prazeres
Bares se enchem de gente.

Igrejas se enchem de gente
Praças se enchem de gente
Shoppings se enchem de gente
Cinemas se enchem de gente.

As ruas se enchem de gente
Com tantos rostos diferentes
Um é do bom Ricardo Pontes
Que segue rindo tão contente.

Noite de Luau na Samaúma
Sob um clima envolvente
Poetisa Alcinéa Cavalcante
Declama versos docilmente.

E na madrugada da noite
Há um mundo diferente
E só quem pode contá-lo
São as brisas coniventes.

E nisso o Ronilson dorme
E a Jô Araújo faz poesias
Pastana toma um bom vinho
Enchendo a alma de alegria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *