Chá da tarde

SINA
Rocha Filho, poeta ribeirinho

Desliza ao sol a lentas remadas a fiel esperança,
Preparam-se os olhos que há muito espreitam tão linda visão,
Que aflui a beleza quais ervas num campo recém revirado
E brota a tristeza da noite tão escura e escondida de lua,
Dum chão encharcado por prantos regados, que o tempo guardou,
Aí descobre no tédio, melhor companheiro no corpo que fica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *