Dois poemas de Alcy Araújo

Lembrando-me
(
Alcy Araújo)

Penso no menino solitário
com medo da noite
no silêncio escorrendo
das palavras paralíticas.

Penso no homem solitário
com medo do mundo
das aflições aflorando
nos gestos de maldade.

Bem sei: no menino e no homem
estão a necessidade de ternura
a busca/ânsia
a inquietação diante
de um Deus desconhecido.

Também nas dobras da inocência
ou no escuro dos pesadelos singulares
escuto seus passos cotidianos.
Identifico lágrimas diárias
na rua desprovida de mar
no cais retornando
no espelho matinal
nos corpos frequentados.

Neste amar crescendo
vindo do azul interior
descubro desassombrado
uma saudade.
Aí apago na parede
em trânsito
o retrato em preto e branco
do menino.

Participação
Alcy Araújo

Estou convosco.
Participo dos vossos anseios coletivos.
Vim unir meu grito de protesto
ao suor dos que suaram
nos campos e nas fábricas.

Aqui estou
para juntar minha boca
às vossas bocas no clamor pelo pão
sancionar com este rumor que vai crescendo
a petição de liberdade.

Estou convosco.
Para unir meu sangue ao sangue
dos que tombaram
na luta contra a fome e a injustiça
foram vilipendiados em sua glória
de mártires
de heróis.

Vim de longe
percorrendo desesperos.
Das docas agitadas de Hamburgo
das plantações de banana da Guatemala
dos seringais quentes do Haiti.
Vim do cais angustiado de Belém
dos poços de petróleo do Kuwait
das minas de salitre do Chile
Passei fome nos arrozais da China
nos canaviais de Cuba
entre as vacas sagradas da Índia
ouvindo música de jazz no Harlem.
Afundei nas geladas estepes russas.
morri ontem no Canal da Mancha
e hoje no de Suez.
Tombei nas margens do Reno
e nas areias do Saara
lutando pela vossa liberdade
pelo vosso direito de dizer
e de amar.

Estou convosco.
Voluntariamente aumento o efetivo
dos que não se conformam
em viver de joelhos
morrendo sufocando lágrimas
nas frentes de batalha
nas prisões
para dar à criança recém-parida
o riso negado aos vossos pais
o pão que falta em vossas mesas.

Meu filho
e o filho do meu filho
saberão que o meu poema não se omitiu
quando vossas vozes fenderam o silêncio
e ecoaram inutilmente nos ouvidos de Deus.

  • Quando leio os poemas que vc posta, principalmente os de seu pai, o dia, as tardes e finda a noite melhor.
    Devias pedir alguns amigos seus músicos para cantá-los…

    • Ja eu acho isso muito brega mesmo,mais era de se esperar eu tenho apenas 11 anos de idade.
      esses poemas sem rima , pela a mor de Deus prefiro os poemas de hoje em dia e muito mais satisfatorio do que esses de 2012 Affs.
      Mais so estou pegando e lendo esse poema por causa da minha professora de portugues que
      disse para pegarmos um poeta do Amapa. Gente se toca esses poemas bizarros ,pela amor melhorem esse gosto por poemas . Tambem voces so podem estar numa idade de adulto agora em 2019 por que vam comentar que estou errada mas essa e a pura reaidade das cabeças dos jovens de hoje em dia.Leve esse comentario como uma opiniao sincera.🐱‍💻

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *