Noturno

De noite
eu vigio estrelas.
Embriago-me de amor e luar.
Passeio com Hemingway em Paris.
Visito os becos de Goiás com Cora Coralina.
E com Quintana eu tento descobrir
o que é que os grilos
passam a noite inteirinha fritando.

Dormir
é bom de manhãzinha
quando o sol
– ainda sonolento e tímido –
pula minha janela
pra me ninar.

(Alcinéa Cavalcante)

  • EM VOLTA DO MUNDO

    Caminhando pelas voltas do mundo vou,
    Deixando na costa o teu agrado.
    Há dias que em vão te procuro,
    Estou cansado, mas não paro sossegado.

    Dia e noite os pés a caminho se vão,
    São pares de passos contados e cansados.
    As muitas vozes que ouço não são as tuas
    Corro lento, de pés descalços e calejados.

    Vem mulher, apareças de corpo e alma,
    Os dias que se passam são minha tortura.
    As ladeiras que subo e desço cansam o corpo,
    Nasce na minh’alma a esperança futura.

    Atravesso montes e caminhos penosos,
    Procuro mas não acho o corpo teu.
    Acena mulher; apareças ao meu alcance,
    Abre os teus braços ao corpo meu.

    João Aires da Silva
    [email protected]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *