Poema do Retorno

Em junho de 2011 declamei este poema no Senado, numa sessão especial da Comissão de Direitos Humanos sobre poesia. Para mim foi um momento marcante, principalmente quando ao término o poeta Thiago de Mello disse que estava comovido com minha poesia, me abraçou e me deu um beijo. E isso não tem preço.

Poema do Retorno
Alcinéa Cavalcante

Voltaste
driblando nuvens e pássaros
e trazendo nas mãos
estrelas azuis que me encantam.

Durante a tua ausência
tentei plantar a paz,
clamei pelo direito de ser livre
e colhi dores e desenganos
que abriram feridas profundas
e machucaram o meu verso,
inaugurando revoltas e frustrações.

Voltaste
trazendo no olhar marrom
esperanças que arranham
as minhas desesperanças.

Mais uma vez,
talvez inutilmente,
uniremos nossos gritos
pedindo liberdade para viver
amar
cantar
e sorrir.

Serão protestos aos crimes
cometidos contra a liberdade
os nossos gritos
(ainda que não encontrem eco).

Mas, se te faz bem,
posso dizer
que não é proibido
sonhar que todos os caminhos se abrirão
e a liberdade será uma realidade palpável.

(Do meu livro Estrela Azul – lançado em julho de 2001)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *