Poetas amapaenses agitaram no Masp

O Movimento Poesia na Boca da Noite estendeu o Pano da Poesia no vão do Masp, declamou, cantou e dançou Marabaixo e atraiu a atenção de professores, poetas, educadores e músicos paulistanos e até chilenos. Encantados com a poesia produzida no Amapá, integraram-se ao grupo de amapaenses e viveram momentos de lirismo e ternura no Pano da Poesia.
Uma equipe de educadores filmou e entrevistou nossos poetas. Elogiou o Movimento e disse que estava documentando para implantar um projeto parecido com o Boca da Noite nas escolas de São Paulo.
Endereços eletrônicos foram trocados. Os paulistas querem fazer um intercâmbio poético com os amapaenses.

A chegada no Masp

Eles aplaudem os poetas amapaenses

O jovem casal concentrado lendo os pergaminhos poéticos

A moça paulista tirou o casaco e entrou na roda de Marabaixo

Gente de todas as idades parou para ouvir a poesia



  • Meus parabéns, creio que tudo há um sentido.
    E a força da arte supera distância, séculos, e mesmo quando achamos, que já vimos de tudo, a mostra mais um vez que somos pequenos de mais para compreender, aquilo que não compreendido pelos olhos, mais pelo coração, Alcinéa meus parabéns por saber que vc é assim liga a vida e arte. Continue…..

  • Alcinéia, te desejo todo de bom neste dia em que lanças mais um livro de tua autoria;parabéns também pela apresentação dos poetinhas do nosso querido Amapá;beijos

  • Caramba! fui totalmente contagiado por uma emoção imensurável. E, só em pensar que os nossos poetas quase foram desprestigiados.

    É o Amapá sendo verdadeiramente reconhecido em plagas paulistanas.

    Alcinéa! Parabéns por você liderar tão auspicioso empreendimento que é O MOVIMENTO POESIA NA BOCA DA NOITE.

  • Parabéns, Alcinéa, pelo lançamento do livro e pelo amor à cultura amapaense.Isso sim é amor à arte!!!

    Márcio Augusto Alves

  • Foi muito emocionante o Sarau do Masp, ver as pessoas chegando para prestigiar e parando para ler os pergaminhos sem dizer que foi um espetaculo e fechou com a roda de Marabaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *