Um poema de Beth Zhalouth

Quebrando os Rolex
Beth Zhalouth

O que mede a vida não é o tempo
O que vai valer de nossa jornada
é o quanto nos deleitamos
com as pessoas, com as emoções,
é o quanto nos degustamos
das coisas, dos lugares

Porque vida igual a essa,
com essas mesmas pessoas e essas emoções
com essas mesmas coisas e lugares
é só essa.

(Para se encantar com outros belos poemas de Beth Zhalouth  acesse o blog “Poemas em temas” clicando  aqui)

  • Texto em que o autora…expressa se todo o valor da subjetiva e vivencia alem do tempo …desejo que toda relações humana tem como fonte o deleitamentos nas suas escolhas e vivencias nas relações simbólicas e significativas com as pessoas e objetos de seu amor perante a vida….bom poema para refletir a nossa percepção valorativa na temporalidades das coisas e dos afetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *