Um poema de Jaci Rocha

Ensaios sobre amor e dor
Jaci Rocha

Dor é linguagem universal
Amor, não:
é multicor, multiverso

Multipessoal
Ama-se pelo riso ou olfato
Pela ausência de sentido
No avesso do avesso
De qualquer explicação…

É uma teia intrínseca
De afeto
Que não julga
O que é errado ou certo.

Dor, é pontual.
Chega sempre que o coração é rasgado
E, por outro lado,
amor atrasa a gente

É que o peito sente
mais calmamente a chuva
E a mansidão do vento
acolhe a beleza dos dias frios…

Dor é adrenalina
movimento impensado
Amor, dopamina
Caminhar junto para um mesmo lado.

O peito reclama quando flui em dor
Amor, sorriso incontido,
coração em flor.

(Leia outros poemas de Jaci Rocha aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *