Um poema de Obdias Araújo

Veiga
Obdias Araújo

Era tardinha e o poeta
Aspergia sementes
De versos na praça.

Que poema não pega de galho.
Precisa plantar a semente
Socar bem a terra
E ficar ali o tempo todo
Regando com rimas
O brotinho até que
A vergôntea libere
O primeiro botão
E finalmente desabroche
Em cores multiformes
A flor do poema.

Que a flor vem do botão
Que vem do galho que vem
Da plantinha que vem
Da semente que vem
Das mãos pródigas do poeta
Aspergindo sementes
De versos na praça!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *