Um poema de Téo Marinho

Pranto
Téo Marinho

Meu pranto foi
derramado em
noite de lua cheia
que atrás do cais
se escondeu.

A maré era vazante
levou meu pranto nas
ondas e a paixão
se desfez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *