Uma crônica de Alcy Araújo

ORAÇÃO À MÃE DE JESUS
Alcy Araújo Cavalcante  (1924-1989)

Esta é uma oração.
Uma oração de poeta cargueado de tristezas e de esperanças, que guarda da meninice distante a fé e o amor na santa Mãe de Jesus. Esta é uma oração feita num momento de aflição e de lágrimas, lágrimas que o homem de hoje chora pelo menino que não existe mais.
Esta é uma oração do homem que procura desesperadamente os itinerários do Pai Eterno, quando é impossível o caminho do retorno porque estão perdidas para sempre as marcas dos pés nus nas estradas da vida.


Senhora Mãe de Deus, hoje chorarei novamente. Sei que será assim, na sucessividade das minhas angústias, por não ter podido ser bom como sempre desejou aquela que, aqui na Terra, me conduzia pela mão naqueles dias de infância, que queimam as lembranças do homem que chora hoje prantos transatos. A vida, do meu Natal até o agora, foi marcando, Senhora Mãe de Jesus, e o menino se perdeu para nunca mais se encontrar.
Os desencantos e os sofrimentos, os caminhos atapetados de urzes, as feridas, o desamor, transformaram o menino e sepultaram a inocência com que aprendeu a primeira oração: Ave, Maria, cheia de graça…
Senhora, hoje estou com o coração molhado de lágrimas, na espera da bênção que virá sobre todos os filhos degradados de Eva, que Jesus veio para salvar.
E, nesta noite de Natal, eu rezarei, Santa Mãe do Céu, esta oração, a primeira que aprendi de mãos postas e o olhar de minha mãe preso ao meu olhar: Ave, Maria, cheia de graça…
E pedirei que rogues por mim, que tanto necessito de paz e de esperança, que tanto necessito de amor e de perdão. Minha Mãe do Céu, enxuga a minha angústia, ameniza o meu desespero, cura o meu desencanto nesta noite do nascimento do menino Jesus.
Senhora, olha para o menino que deixei de ser. O menino que usava, num fio de algodão, a tua imagem numa pequenina medalha de alumínio. Foi a minha primeira jóia. Lembrança da irmã Madalena, que acariciava meus cabelos, censurava com doçura minhas reinações e sonhava que eu fosse sacerdote da tua devoção.
Esta é uma oração. Oração do homem amargurado, que olha para o alto com olhos de granada, com a alma ajoelhada e o coração carbonizado lavado de lágrimas, porque hoje é Natal.
Rogai por mim… Por nós, para que sejam menores as nossas aflições. Ave, Maria, cheia de graça. O Senhor é convosco…

  • Uma crônica, que peço a Alcinéa para eu adota-la por ser de uma pureza ímpar e escrita por um homem que há muito deixou de ser menino e nunca foi tão menino enquanto escrevia a crônica. AVE SANTA MÃE DE JESUS, rogai por todos nós meninos quando já adultos somos. Tio Alcyr partilha conosco tua oração que a Alcinéa, tua filha nos possibilita o alcance.

  • Simplesmente emocionante e confesso que a cada linha que eu lia meus olhos iam ficando marejado. Essa crônica me tocou profundamente, mesmo com os olhos embaçados li até o fim e copiei e salvei para ler sempre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *