Carta aberta do vereador Clécio Luís

Aos meus familiares, [email protected], [email protected] de luta e ao povo do Amapá,

Ao escolhermos nosso caminho para seguir nessa eleição, além de nossas convicções, sabíamos dos riscos e incompreensões que enfrentaríamos em uma aliança com “diferentes”, mas diante de tantas dificuldades e da dramática situação por que passa nosso estado e nosso povo, esse caminho mais do que justificável, tornou-se necessário e empolgante. O apoio de nossas bases em todos os municípios, lugares, segmentos e o aceno positivo de nossa direção nacional, nos davam cada vez mais clareza que esse era o passo certo a ser seguido.

Infelizmente não tivemos êxito, não pelo PTB/AP, tampouco por Lucas Barreto, aliás, quero aqui fazer o meu agradecimento ao Lucas, ele também nos surpreendeu positivamente, pela forma como conduziu nosso enlace político- eleitoral primeiro porque nos tratou com respeito político, mas também porque soube ouvir, ser flexível e sustentar suas teses dentro do legítimo território da política. O que impediu nossa aliança foi à disputa interna, nefasta e impregnada nos partidos e algumas lideranças da esquerda, que colocam essa disputa acima das dores e das necessidades do povo.

Nessa nova cena tive que abrir mão de minha candidatura a deputado federal pelo PSOL/AP e por essa posição entendo que devo alguns esclarecimentos. É por isso que escrevo.

Nesses últimos dias, vivi junto com muitos companheiros momentos de muita angústia (pelas disputas internas em relação à coligação), mas também de enorme satisfação, nesses dias de pré-campanha a deputado federal. Confesso que vivencio minha melhor fase política e eleitoral, fruto da nossa organização em quase todos os municípios, da nossa inserção nos movimentos sociais, das nossas experiências acumuladas e divididas no dia-a-dia de nossa militância, e do reconhecimento do nosso mandato de vereador em Macapá, entre outras coisas. Isso torna a retirada da candidatura um pouco mais dolorosa, mas também me enche de orgulho, uma espécie de doce derrota.

Foram dias gratificantes, de muitas declarações de apoio e voto que eu não poderei mais conferir, mas, sobretudo de muito carinho e confiança que ainda permanecerão em mim. Isso não tem preço, mas pra mim tem muito valor!

Foram essas demonstrações de confiança e incentivo que me colocam a responsabilidade de não abandonar a luta política com lado na sociedade, o lado do povo, prioritariamente dos desprotegidos e dos mais carentes, (de política e esperança, inclusive), pois a vida é muito mais difícil sem ambas.

Confesso também, que ainda estou mareado pelo peso da decisão que em última análise cassou minha candidatura, sem que eu devesse nada nem a justiça, nem aos procedimentos partidários, tampouco seja um ficha suja. Às vezes me sinto como se abatido em pleno vôo. Pra me confortar, minha mãe me disse hoje, pra eu não me abater, que tudo que Deus faz é perfeito, e eu também acredito, muito embora as coisas por aqui estejam muito fora do esquadro. Vamos lá! – “Fé na vida, fé no que virá”.

Adiamos um projeto, já engatamos outro, eleger Randolfe Rodrigues, senador da República, pelo Amapá.

Lutei com todas as minhas forças e minha convicção, não deu! Não serei candidato a deputado federal, pelo menos nessa eleição, como diz aquela canção “Índio perdeu, mas lutou que eu vi!”, no entanto, já me considero recompensado, é por isso que escrevo também, para agradecer imensamente, menos pelos votos que não chegarei a conferir, mas muito, muito mais, pelo carinho, demonstrações de respeito, admiração e confiança que recebi nos últimos dias. Valeu demais!

Continuarei nosso mandato de vereador de Macapá, muito mais orgulhoso e empenhado ainda, obrigado mesmo! Até a vitória sempre!

Clécio Luís – Vereador de Macapá

  • Olá Ver. Clécio,
    Vc deve ter todas as razões para publicar sua carta que comenta sobre a conjuntura que teve a aliança do PSOL e seu desdobramento. Porém, pq então, não ter uma linguagem clara para que o “povo” entenda a real situação de tal aliança (o “POVO” também acessa a internet). Para esse mesmo “povo” que vcs tanto falam em seus discursos desde a época que vcs eram filiados ao PT, partido que muitos de seus correligionários chamam de PT de contradições e disputas injustas. Só quero lembrar aos esquecidos, que quando o grupo de Randolfe, o qual o senhor faz parte, era do PT, construiu inúmeras disputas internas com a então Dalva Fegueredo, naquele momento as disputas pra vcs eram construtivas, todos lembram da invasão do diretório do PT, onde filiados de seu grupo político foram agredidos fisicamente e até presos, a comando de Dalva, porém, em eleições posteriores logo após o acontecido, vcs subiram no palco de campanha de Dalva a chamando de grande companheira luta, coerência vereador!
    Agora, porque então, não explicar a aliança com o PTB, que “supostamente” está sendo subsidiado financeiramente pelo Senador Sarney que é o maior inimigo político do Amapá. Ou melhor, ele é Senador do Amapá mesmo? PTB, que tem para a campanha a majoritária (governo) seu vice o maior empresário do comercio do Amapá Jaime Nunes (representante do empresariado). Então ver. Clécio, divulgar uma carta que mas parece um pedido de desculpas e ou, uma política de boa vizinhança como o PTB (LUCAS) não é coerente.
    Porém, ainda acredito na sua luta pelo coletivo. Não deixe esse sentimento que mão é só meu acabar por conta de incoerências. Um abraço.

  • Essa tal democracia corresponde a determinado partido escolher um candidato e empurrá-lo goela abaixo, mesmo contra a vontade do eleitor. A insistência é tanta, que acaba convencendo o próprio leitor de que é o candidato da sua preferência, mesmo não sendo.

  • Enfim o PSOL Nacional manteve a coerência do Partido, que nao se alia por motivos justificavél ao PT(um deles o mensalão) , como pode aceitar PTB, quando deveria ter se mantido sozinho. O PSOL estaria fazendo exatamento o que condena.

  • Clécio Luis vá para os Democratas!Essa historia Deu Nojo ! O Psol nacional tá mais do que certo ! Tu quer ser Esquerda ( se importar com o bem estar do povão ) muito bom! Não quer cai fora!

  • Grande perda. A Harmonia já conseguiu tirar um forte candidato a deputado federal. Perde o Amapá, ganha o continuismo.

  • Clécio Luis,

    Sinceramente, emitir uma carta de explicações que deixam mais dúvidas que esclarecimentos não me parece muito coerente. Está muito parecida com a carta renúncia de Janio Quadros. Dê uma olhada e diga se não tenho razão (http://is.gd/duAUw). Se seu objetivo é não atrapalhar o jogo, então seria melhor sair de fininho, à francesa. Mas se for pra realmente demonstrar o quanto não gostou da “cassação de sua candidatura”, então atire a merda no ventilador. Cuspir pra cima não adianta, tens que apontar pra um lado ou pra outro. Se queres realmente ser coerente, explique o trecho em que vc diz: “O que impediu nossa aliança foi à disputa interna, nefasta e impregnada nos partidos e algumas lideranças da esquerda, que colocam essa disputa acima das dores e das necessidades do povo”. Mas se é pra falar o milagre mas não contar o santo, melhor ficar quieto e aceitar as coisas do jeito que estão, porque se mexer na merda ela fede.

    Walter Silveira

  • clécio vc é um dos melhores politicos do nosso estado,tenho certeza que o randolfe será eleito senador,pois ele tem historia,e ao lado do lucas vão trazer a mudança para noso estado,o povo inteiro é que quer os jovens,velhos,o nome do randolfe ñ tem rejeição só por alguns fanaticos do psb,que queria que o randolfe viesse a reboque de um cara que ñ tem nem a metade de sua experiencia,mas o povo é randolfe e lucas e vc será nosso prefeito em 2012 vá em frente amigo………….

  • Clécio,
    O PSOL nacional não entendeu a conjuntura eleitoral regional.Continue firme em seus propósitos e ideais. O seu lugar na história do Amapá e do Brasil está reservado. É só uma questão de tempo. Os desprovidos, alijados e marginalizados que alimentam a esperança de um dia ver brilhar a luz de um novo tempo não perdem por esperar.
    Abs

  • As disputas internas são normais e democráticas em qualquer agremiação partidária. Faz parte da oxigenação que dá vida e seiva aos partidos. E toda disputa há vencidos e vencedores, cabendo aos vencidos aceitar as regras do jogo. O PSOL vem de uma forte cisão/racha com os rumos equivocados e anti-povo adotados pelo Partido dos Trabalhadores. O abandono das ruas e dos legítimos anseios do povo foi um duro golpe num parito que nasceu para resgatar a dignidade e melhores dias para o povo brasileiro.

    Eleições são momentos conjunturais e não se deve jamais rasgar a construção partidária e a defesa de seus princípios norteadores de sua organização. Uns são liberais; outros critãos; uns comunistas; outros socialista, etc.

    O PSOL tomou um rumo que ainda não podemos afirmar se foi certo ou errado. Apenas a História noos dirá. Não cabe acusações aos contra ou os favoráveis às coligações com partidos que possuem orientação ideologicas opostas ao modo do Psol se construir. Não devemos falar de nomes, nem de pessoas. Os Partidos estão acima de nomes, senão torna-se caciquismo.

    A primavera sempre traz consigo as flores. O PSOL tem o nome de RANDOLFE para o senado da república.
    FÉ NA VIDA, FÉ NO QUE VIRÁ!

  • Resumindo – mas resumindo mesmo -, ele só disse que desde o começo o PSOL sabia que a tal coligação poderia dar em nada. Pagaram pra ver ser ter cartas na mão. Foi só um blefe. E não caíram nele. Simples assim.

  • Prezado companheiro Clécio
    A nossa trajetória política permite que eu faça algumas considerações:
    A luta política por uma sociedade mais justa e fraterna exige muitas vezes sacrifícios. Precisamos ser coerentes, para não cairmos e comertermos os mesmo erros do passado. No livro a Mosca Azul, de Frei Beto ele relata a síntese de desencanto que fica evidente quando diz: “Não sãos prazeres que justificam a existência, tão fugidios e, levados ao extremo, nefasto à subjetividade. Nem é o poder que traz em si a semente benigna de nossa humanidade. É o sentido histórico, saber por que se vive, abraçar a morte como descanso do guerreiro e não como deplorável acidente de percurso tão temido por quem não ousa ser o que é e passa a vida dando voltas em torno de si mesmo, com receio de aproximar-se de seu centro e assumir sua verdadeira identidade”. (p.120 – 121).

    E completa: “Um militante de esquerda pode perder tudo – a liberdade, o emprego, a vida. Menos a Moral. Ao desmoralizar-se, enxovalha a causa que defende e encarna. Presta um inestimável serviço à direita, a exemplo do que ocorreu no escândalo dos financiamentos do PT, envolvido com dinheiro escuso destinado a partidos e políticos, como veio à luz em 2005.” (p.
    149). Por isso, companheiro, somos livres, porque somos socialistas.

  • Amigo!!!
    Sei muito bem o que o ver. Clécio está passando, este é o pior sentimento que um ser humano pode sentir, a sua história me faz lembrar o caso da prefeita Euricelia Cardoso, que foi caluniada, e roubado o seu mandato, por uma quadrilha organizada. Soube que ela tb tinha planos pra concorrer pra dep. Federal, mais optou por concluir seu mandato, por uma simples razão, ficou quase 8 meses fora do mandato.
    Mais boa sorte!!! Acredito que tens um ótimo futuro político.

    Abraço!!!

  • Randolfe, porque vc foi se abrigar num partido que ontem era o PT. Intransigente. Intolerante. Sectário… Saia já desse P… sei lá o que. Vá para a vitória política. Seus ideais poderão ser postos em prática sem problema algum.
    Idem pra vc Clécio.

  • [email protected] [email protected] Thaís,

    Não podemos proibir ninguém de nos apoiar, use outro argumento para nos desqualificar, que esse não serve! Em relação ao PSOL, o [email protected] Clécio tem toda a legitimidade p/ fazer, qualquer q for a crítica ao partido, pois além de construir esse partido diariamente, tem emprestado seu mandato, inclusive para a manutenção do PSOL. Estamos tranquilos em relação ao Partido e não abandonaremos o debate!

    Saudações socialistas!

    • Clécio e demais companheiros do PSOL Amapá. Gostaria de em primeiro lugar ser solidário ao Clécio, que pelo teor da carta não resta dúvidas estar bastante sentido com a desistência de sua candidatura. Em que pese todas as nossas diferenças dentro do partido, nunca duvidamos, e isto sei que mutuamente, do desejo de mudança real que almejamos para a sociedade.
      Entretanto, apesar de toda a legítima descontentação em relação à decisão da Executiva, não podemos tomá-la como uma surpresa. Na minha humilde opinião seria um equívoco a aliança com PTB.
      Acredito que Clécio poderia ter mantido sua candidatura a federal ou transferi-la para uma candidatura ao Governo. É bem conhecida entre nós a limitação mas também as oportunidades que isso causaria. É importante lembrar que a decisão da executiva não impediu a candidatura de Clécio, apenas impediu a coligação com o PTB.
      Se a decisão dos companheiros é de focar em Randolfe ao Senado tudo bem, deve estar correto, mas não podemos afirmar que fomos surpreendidos. Todos sabemos ao que se propõe o PSOL. Temos tentado, contra todas as adversidades e contra o senso comum que diz que: “política é assim mesmo”, construirmos política de novo tipo. Não porque somos melhores que ninguém, mas porque a sociedade necessita disso. Queremos construir o novo e felizmente, em minha opinião, a maioria do partido percebeu que o novo se constroi longe do que é velho e arcaico, como o Lucas, o PTB e o Jaime.
      No mais, para quem olha com a confortável localização de estar distante, desejo boa sorte na campanha de Randolfe. Se serve de ânimo, acabo de vir da plenaria de lançamento de Marcelo Freixo a Dep. Estadual aqui no RJ. Hoje é o homem mais perseguido do RJ por ter enfrentado as milícias. Liderou a cassção de deputados e tem que andar 24h. com seguranças armados. Talvez pelo resto da vida. Nunca senti que nosso partido está tão vivo e tão capaz de aumentar sua possibilidade de disputa real dos rumos da sociedade brasileira. Pode não ser hoje e nem amanhã de manhã, mas ser socialista, sabemos nós, impele diversas dificuldades.
      Como vocês tem dito Clécio: Fé na vida, fé no que virá!
      Até a trincheira de amanhã de manhã, onde certamente estaremos do mesmo lado.

      • Parabéns pela sua visão à respeito do assunto.Para mim foram esclarecedoras suas opiniões e pontos de vistas,pq não entendo muito o mecanismo de decisões, dentro dos partidos,talves por não ser filiada a nenhum.Torço p/Clécio e todos os bons politicos(são raros),que conseguem ter a visão dq é bom p/o povo.Infelismente o clientelismo,carguismo,o poder e outros e outros,cegam a visão dos padrinhos e apadrinhados da nossa politica nacional.Dai a visão pelo “novo” ficar estagnada e se dizer, que “cada povo tem o governo que merece”.Eu mereço ” o novo”,disto tenho certeza.

  • Depois de ter o apoio do Renivaldo Costa que está humilhando os estudantes nas filas kilométricas do SETAP fiquei até com medo!
    Mas justificar o injustificável ficou fácil e colocar a disputa interna do partido, ficou pior ainda, temos que saber que na vida um dia ganhamos e outro dia perdemos! Vamos ver no que vai dah, mas meu voto é Randolfe apesar das nefastas dispustas internas que vossa excelência coloca! Mas se não consegui viver com ela, procure outro partido com frente unitária, que não permite o diálogo, desde que vieram para o PSOL já sabiam que cá funcionava assim, agora coloca a culpa como se fossémos o lobo mal!

  • Fala, moleque! Muita força e ,muita luz! Aos que plantaram discórdia, irão colher seus frutos! De nossa parte, vamos juntos nessa caminhada! com vc diz “fé na gente e fé no que virá” Abraços!

  • O PSOL foi muito radical em sua decisão, não analisou a questão regional. Apesar de não concordar com a união com lucas, mas se fazia necessário. Mas temos o Randolf no pário, e acredito que será o novo Senador do Amapá, Gilvan já nos fez muita vergonha.

  • SERÁS O MEU PREFEITO EM 2012 É SÓ ACREDITAR, VOCÊ SERA A NOVA ESPERANÇA DE MUDANÇA. FÉ EM DEUS E NO POVO QUE LHE ADMIRA.

  • Olá Vereador Clécio, apesar de Candidato a Deputado Federal, fiquei triste em saber da retirada de sua candidatura!!! Conheço você há muito pouco tempo, mas aprendi a respeitá-lo pela sua educação, discernimento e inteligência política!!! Tenho certeza que estes atributos continuarão a disposição do Amapá!

  • Incrível como a política do nosso estado afasta gente do bem. É por isso que poucos jovens hj são descrentes à política.

  • Sou solidário ao Clécio. Havia empenhado minha palavra que apoiaria sua candidatura a deputado federal e o Randolfe ao Senado. A candidatura dele não deu mas continuo firme no propósito de eleger Randolfe senador. Será minha segunda maior alegria em 2010. A primeira foi o nascimento do meu filho Vinicius. e a terceira será a derrota do Gilvan.

  • Valeu vereador.
    Como diz a canção que o senhor citou, que é do alagoano Djavam, o Psol “plantou um pé de flor e vai dar campim” num futuro bem breve. Foi um tiro do proprio pé.
    É hora de o senhor e a sua militancia fazer o mesmo que a também alagoana Heloisa Helena tá fazendo praquelas bandas: Pense noutro partido.

    Grande abraço. É uma grande perda a eleição desse ano não ter o senhor neste embate.

    André

  • Caro Clecio, fui votei em vc para vereador em 2004, na sua primeira eleição, quando eu morava no Zerão e vc foi em casa, e eu firmei compromisso. Sua luta agora é o outra. AVamos eleger o Randolfe e retirar de brasília aqueles que só vissam os seus em detrimento de outrem. Com Randolfe e Clecio… São outros 500!!!!

  • Caro Clécio, Me vejo na obrigação de ser solidário a voce. Pois em 2004 fomos candidatos a Vereador e acompanho o seu trabalho político desde então.Imagino como voce deve estar se sentindo pois sofri na pele essa mesma situação que voce vive agora.Concordo com sua mãe.Tudo o que Deus faz é perfeito. Só que nós so entendemos mais tarde quando o plano dele em nossas vidas se realiza. Não desanime jamais. Pois voce tem um futuro brilhante na política desse Estado e do Brasil. Estou com voce e com Randolfe nesse desafio de fazermos o Senador mais jovem da História desse Pais. Luiz Antonio Maranhão (Candidato a Deputado Federal)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *