MP-AP oferta ações com base em documentos da operação Mãos Limpas

Do portal do Ministério Público Estadual

MP-AP oferta primeiras ações com base em provas colhidas durante a Operação “Mãos Limpas”

Na manhã desta terça-feira (2), o Ministério Público do Amapá (MP-AP) deu entrada em juízo de 10 ações, sendo cinco por atos de improbidade e cinco ações penais, decorrentes da vasta documentação repassada ao MP-AP, este ano, que fora apreendida no curso da operação “Mãos Limpas”, deflagrada pela Polícia Federal, em 2010.

As ações estão fundamentadas em inquérito policial instaurado, originalmente, para apurar diversos delitos praticados por funcionários públicos e prestadores de serviços para fraudar procedimentos licitatórios e/ou execução de contratos de prestação de serviços firmados entre empresas privadas e órgãos do Governo do Estado do Amapá, com o desvio de recursos públicos.

A investigação tramitava junto a Justiça Federal de primeiro grau, até o momento em que se colheram indícios de participação do Governador do Estado nos fatos criminosos, motivo pelo qual, os autos foram encaminhados ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), sendo ali tombado como INQUÉRITO 681/AP.

A complexidade das investigações e o elevado número de pessoas envolvidas obrigou o desmembramento do INQ 681/AP em diversos outros. Além disso, em face da perda da prerrogativa de foro de grande parte dos investigados, os autos foram sendo paulatinamente declinados às instâncias inferiores do Poder Judiciário, preservando-se no Superior Tribunal de Justiça ou no Tribunal Regional Federal da 1ª Região apenas as investigações/ações penais desmembradas que guardassem relação com autoridade com foro privilegiado.

A partir da análise dos autos foi possível a identificação de, no mínimo, 17 (dezessete) investigações (algumas já se tornaram ação penal) que apuram as mais variadas vertentes dos diversos grupos criminosos que foram identificados junto aos Executivos Estadual e Municipal, Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas Estadual e Superintendência da Agricultura.

As 10 ações judicializadas, nesta terça-feira (2), são apenas o início do trabalho da comissão composta por doze promotores de Justiça para realizarem a análise do material recebido do Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) e da Justiça Federal.

(Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Estado do Amapá)

  • O pior de tudo é ter que ler gente criticando o Ministério Público por fazer o seu papel como fiscal da Lei. Essas pessoas defendem esses maus políticos por interesses particulares, sem pensar no bem da sociedade amapaense!

    • As criticas amigo,não creio serem inoportunas,uma vez que maioria da sociedade fica atenta aos acontecimentos às vésperas de uma eleição.Das tantas que li aqui(inclusive a minha),são de “estranheza” do pq só agora esta ação do MPE,uma vez que tiveram 04 anos (não é 04 dias),para exporem estas ações.Dai as desconfianças no orgão,simples assim.

  • Acho de bom ton o MPE e a justiça darem uma resposta à sociedade sobre a “Operação Mãos Limpas”,oque é estranho ,é o pq de só agora às vésperas de uma outra eleição.Esperaram 04 anos p/dar uma resposta à sociedade e dai as desconfianças nesse trabalho e quais os reais interesses desses orgãos.Torço pela reeleição de Camilo,mas não gosto dessas ações, que me parecem “coisas orquestradas”.

  • Tá mais do que na cara o objetivo dessa pirotecnia toda, o MP não deveria entrar assim nessa guerra eleitoral, é uma instituição que tem que ser respeitada, pena que os dirigentes do órgão não pensam assim.

  • Acho 12 promotores pouco. Poderiam ser 40. Mas que bom seria se fossem 55.
    Muleke que quer celeridade.Põ os caras poder ser inocentes.

    • Se a justiça passa 04 anos p/julgar oque já deveria ter sido julgado,é bem provável que isto aconteça.Lamentável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *