Barrar a PEC 37 é uma luta da sociedade, diz Randolfe

“Impedir a aprovação da PEC 37 é uma causa da sociedade brasileira”. Assim, o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), defendeu a rejeição da Proposta de Emenda à Constituição 37/2011, que pretende retirar o poder de investigação do Ministério Público. O senador participou de um Seminário sobre o tema, na última semana em Brasília na sede do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. Após sua fala contra a aprovação da proposta, Randolfe foi aplaudido de pé pelos presentes.

“Neste país, quem busca colocar na cadeia quem rouba e dilapida o erário é o Ministério Público. A aprovação da PEC 37 interessa para aqueles que roubam a república e condenam milhões a morte. A luta para barrar a PEC 37/2011 não é só do MP, mas da sociedade brasileira”, disse Randolfe.

A mobilização encerrou com uma manifestação no Congresso Nacional, onde foi entregue um abaixo – assinado ao presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB/RN). O documento reuniu mais de 400 mil assinaturas eletrônicas e físicas. Aproximadamente mil pessoas, subiram a rampa do Congresso Nacional para o ato de entrega do abaixo –assinado. Foi entregue também um livro com o registro das investigações exitosas do MP e a “Carta de Brasília”, um manifesto contra a tentativa de violação à Constituição Federal.

(Gisele Barbieri)

  • Assim como a policia judiciária o MP vai apurar somente o que é benéfico para acusar, todo inquérito é inquisitivo, lei essa do tempo da idade média, o que precisamos realmente é criar leis que garantam o principio do contráditório e da ampla defesa desde o inicio das investigações.

  • Concordo com o senador Randolfe que a PEC 37 só interessa a quem deseja ver limitados os poderes dos Ministérios públicos federais e estaduais, além das procuradorias. É uma PEC da impunidade que só visa a enfraquecer o estado democrático e de direito. Não dá para tirar poderes de q1uem tá fazendo um bem imenso à nação. FORA PEC DA IMPUNIDADE E DA IMORALIDADE!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *