Corpo do padre Aldenor está sendo velado em Santana

Padre Aldenor em encontro com o Papa João Paulo, no Vaticano

Aos 53 anos de idade faleceu ontem à noite, às 23h50, o padre Aldenor Benjamim dos Santos. Seu corpo sendo velado em Santana, na Igreja de Fátima, onde ele foi ordenado Sacerdote em 1993, aos 26 anos.
A missa de corpo presente será celebrada às 15h na mesma Igreja e o sepultamento às 17h, no cemitério Nossa Senhora da Conceição, no centro de Macapá.

Um religioso exemplar, sempre alegre e solidário, exemplo de amor ao próximo e uma das pessoas mais cultas que conheci, Aldenor era meu amigo e dele eu tinha muito orgulho e aprendia tanta coisa com ele nas nossas conversas. Conheci-o quando ele ainda tão jovem, com pouco mais de 20 anos, era ministro da Eucaristia na Igreja (hoje Santuário) Nossa Senhora de Fátima na ocasião que meu filho fazia o catecismo para a Primeira Comunhão. Há dois anos ele batizou minha neta na mesma igreja.

No dia de sua ordenação, em 1993, na igreja de N.S.de Fátima, em Santana

Nosso último encontro se deu no dia 4 de fevereiro deste ano no aniversário de dona Diva Façanha. Depois veio a pandemia e nunca mais nos vimos. Há cerca de 10 dias fui surpreendida com a notícia de que ele, depois de um acidente doméstico (uma queda) estava internado em estado grave no hospital da Unimed, mas em nenhum momento pensei que ele fosse partir, logo ele que era tão cheio de vida, tão alegre, tão conversador e tinha tantos planos. Mas eis que no início dessa madrugada, logo depois da meia noite me chega a notícia da sua morte. Eu não queria acreditar, torcia para que fosse “fake news”. Só acreditei quando sua sobrinha Rachel Lima me confirmou por volta de uma hora da madrugada.
Não deu pra conter as lágrimas.
Aldenor dizia que “morrer não dói”, mas sua morte, meu amigo, está doendo muito na gente.

Graduado em pedagogia, teologia, filosofia e direito, doutor em Comunicação Social , Mestre em Filosofia e Mestre em Sociologia e lia, escrevia e falava fluentemente italiano, francês e espanhol, ensinava que o conhecimento hoje envelhece com muita facilidade. “Não podemos parar no tempo. Você não pode reter um conhecimento e achar que ele é verdade absoluta”, dizia.Professor universitário (curso de jornalismo da Unifap) deixava claro que o magistério também era uma das suas paixões, depois do sacerdócio.

“Eu sempre tive uma paixão toda especial pelo magistério… Seja na questão como padre, como jornalista, como comunicador, ou na Universidade como professor. Então sempre me empolgou esse sentido de compartilhar pensamentos. Pra mim, ser professor é muito mais do que uma profissão, é uma vocação, é um chamado, uma dedicação. Então eu vivo nessa realidade”, disse ele em entrevista que concedeu para a acadêmica de jornalismo Márcia Bezerra  como parte de um trabalho da disciplina Mídia Impressa.

Tão logo soube da morte do amigo, o Padre Paulo Roberto Matias postou nas suas redes sociais um resumo (sim, um resumo, pois a biografia é muito grande) da sua biografia.
Leia:
“Padre Aldenor Benjamim dos Santos nasceu em Santana, no dia 17 de janeiro de 1967. Filho de Alfredo Pantoja dos Santos e Francisca Benjamim dos Santos. O casal teve cinco filhos. Entrou no seminário menor São Pio X em 1984 aos 17 anos. Em 1987 viaja para Belém , onde cursa no Seminário São Pio X, o curso de Filosofia e teologia. Foi ordenado Sacerdote em 1993. Padre Paulo solicita a Dom João que Padre Aldenor fosse designado para ser seu auxiliar na Paróquia Sagrado Coração de Jesus. Trabalhou na Paróquia São Pedro, São Benedito, Nossa Senhora da Conceição e Igreja São Brás, no bairro do Zerão. Um desejo de Dom João de capacitar os Padres Diocesanos, fez com que ele fosse estudar em Roma.

Fez Doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Università San Tommaso (2005), Mestre em Filosofia pela Pontifícia Università Urbaniana (2001), Mestre em Sociologia pela Pontifícia Università Gregoriana (2001), graduado em Pedagogia pela Faculdade Atual (2009), graduado em Teologia pela Faculdade de Teologia e Ciências Humanas (2011), graduado em Filosofia pela Faculdade Pan Americana (2012) e graduado em Direito pelo Centro de Ensino Superior do Amapá (2017). Atualmente era Professor Adjunto da Universidade Federal do Amapá e era Diretor da Rádio Universitária. Tinha experiência na área de Educação, com ênfase em Fundamentos da Educação. Faleceu no dia 17 de outubro de 2020 as 23h40 em Macapá. Padre Aldenor deixa um legado para a religiosidade do Amapá, bem como para a educação. Foi um grande incentivador da cultura e da comunicação social no Amapá. Seu legado jamais será esquecido. Um filho que deu sua contribuição para o progresso do Estado do Amapá.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *