A minha cara

Olha o que recebi por e-mail:

Néa, vendo ontem o  DVD do Gonzaguina, lembrei das tuas lutas, aí pincei a letra
desta que é a tua cara. Publica  no Blog.

Pequena Memória Para Um Tempo Sem Memória
(Gonzaguinha)

Memória de um tempo onde lutar
Por seu direito
É um defeito que mata
São tantas lutas inglórias
São histórias que a história
Qualquer dia contará
De obscuros personagens
As passagens, as coragens
São sementes espalhadas nesse chão
De Juvenais e de Raimundos
Tantos Júlios de Santana
Uma crença num enorme coração
Dos humilhados e ofendidos
Explorados e oprimidos
Que tentaram encontrar a solução
São cruzes sem nomes, sem corpos, sem datas
Memória de um tempo onde lutar por seu direito
É um defeito que mata
E tantos são os homens por debaixo das manchetes
São braços esquecidos que fizeram os heróis
São forças, são suores que levantam as vedetes
Do teatro de revistas, que é o país de todos nós
São vozes que negaram liberdade concedida
Pois ela é bem mais sangue
Ela é bem mais vida
São vidas que alimentam nosso fogo da esperança
O grito da batalha
Quem espera, nunca alcança
Ê ê, quando o Sol nascer
É que eu quero ver quem se lembrará
Ê ê, quando amanhecer
É que eu quero ver quem recordará
Ê ê, não quero esquecer
Essa legião que se entregou por um novo dia
Ê eu quero é cantar essa mão tão calejada
Que nos deu tanta alegria
E vamos à luta.

  • Ai vai a letra de Recado.

    Se me der um beijo, eu gosto
    Se me der um tapa, eu brigo
    Se me der um grito, não calo
    Se mandar calar, mais eu falo

    Mas se me der a mão, claro, aperto
    Se for franco, direto e aberto
    Tô contigo amigo e não abro
    Vamos ver o diabo de perto

    Mas preste bem atenção, seu moço
    Não engulo da fruta, o caroço
    Minha vida é tutano, é osso
    Liberdade virou prisão

    Se é amor, deu e recebeu
    Se é suor, só o meu e o teu
    Verbo eu pra mim já morreu
    Quem mandava em mim nem nasceu

    É viver e aprender
    Vá viver e entender, malandro
    Vai compreender
    Vá tratar de viver

    E se tentar me tolher é igual
    Ao fulano de tal que taí
    Se é pra ir vamos juntos
    Se não é já não tô nem aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *