Ameaça à saúde pública

Este imenso criadouro do mosquito da dengue e de ratos está localizado em área nobre da cidade, na rua Leopoldo Machado entre Procópio Rola e Raimundo Álvares, no bairro Jesus de Nazaré. Vários taxistas que fazem ponto no supermercado ao lado já contraíram a doença.
Durante algum tempo funcionou neste prédio a Cruz Vermelha.

No mesmo bairro, na avenida Procópio Rola entre Hamiltom Silva e Manoel Eudóxio, há outro imenso criadouro. É um terreno da OAB-AP. A vizinhança de lá tá pedindo socorro.

Caramujos – No bairros Jardim Marco Zero e Renascer caramujo africano está brincando de pira. E ninguém toma providências.

  • Néia,
    Na divisa entre Pacoval e Jesus de Nazaré, mais precisamente na Rua Ceará, entre as ruas Leopoldo Machado e Goiás, existe outro terreno nas mesmíssimas condições, além de servir de ponto para o uso de droga e outras práticas nada recomendáveis. Tal situação se estende há cerca de oito anos e, apesar das denúncias de moradores em diferentes aparelhos midiáticos, nada tem sido feito, nenhuma providência, ainda que paliativa, foi tomada pelas “respeitosas” autoridades constituídas. Parabéns, sua câmera como sempre muito sensível e ojetiva detectando algumas das mazelas que incomodam nossa sociedade.

  • Deus livre-nos! quanta sujeira! e isto é em pleno centro de Macapá, proximo as secreatarias e outros orgãos do Governo, imagine como anda a periferia. Além de ser um perigo eminente da dengue, aí deve ter ninhos de ratos,que estando infectados podem transmitir a leptospirose. Não podemos esperar só à ação do Governo,mãos a obra minha gente!

  • O IBAMA tinha uma coordenação para cuidar desse problema, infelizmente o IBAMA Amapá não executa nada, jogaram para a SEMA, a Educação Ambiental abraçou essa causa juntamente com a Faculdade UVA, foram capacitados vários acadêmicos para que realizassem uma grande campanha nos bairros afetados,esses acadêmicos fizeram um levantamento nos bairros para detectar os mais afetados, e realizaram palestras nas escolas, infelizmente os gestores da Coordenadoria de Educação Ambiental/SEMA foram expurgados e os que ficaram ainda não deram continuidade nessa ação, é só vestir a camisa e sair pra campo junto com outros parceiros há necessidade de um envolvimento muito grande de instituições públicas municipais, estaduais, federais e associações de moradores e outras ONGS, porque o problema é grave no município de Macapá, temos que fazer um grande mutirão, porque se não exterminarmos os caramujos, acontecerá um processo inverso eles acabarão com a gente. Sou de uma ONG e estava envolvido nessa ação espero que retomem esse trabalho.

  • Como recolher o molusco?

    * A orientação é para que os próprios moradores façam o recolhimento dos moluscos e, munidos de luvas descartáveis para não ter contato com o caramujo, os coloquem em recepientes com tampa.
    Para exterminar este caramujo, é necessário queimá-lo completamente, pois, caso contrário, os vermes continuam no local.

    * Manuseie e colete o caramujo com a proteção de luvas ou sacos plásticos (verifique se o saco e as luvas não estão furados).

    * Não coma, não beba, não fume e não leve a mão à boca, durante o manuseio do caramujo.
    Caso queira comer, beber ou fumar, tire as luvas e lave as mãos após ter tido contato com o caramujo.

    * Coloque os caramujos africanos em sacos plásticos.

    * Para exterminar os caramujos, matenha-os dentro de dois sacos plásticos e pise em cima com calçado adequado (tênis ou botas) para quebrar as conchas.
    Outra alternativa e ferver os caramujos durante 50 minutos.

    * Após esses procedimentos enterre-os em valas de 80 cm, jogando cal virgem em cima dos caramujos mortos nos sacos (cuidado, pois a cal virgem é cáustica e queima, causando danos à pele).
    Depois cubra a vala com terra.

    Atenção: essas valas devem estar distantes de poços ou cisternas.
    Caso tenha dúvidas sobre o melhor local para cavar a vala, consulte os órgãos de saúde ou de meio ambiente de seu município.

    * Lave as mãos após esses procedimentos

  • Falando em dengue…ALÔ! Dr. Regildo Salomão. O Tribunal de Contas tem uma carcaça de construção na Av. Mendonça Furtado, entre Eliezer Levi e Odilardo Silva há mais de 12 anos. Desde o tempo da Dra. Margareth Salomão aquilo está lá abandonado (qual a finalidade daquela obra, mesmo?) . Lá são realizados todos os CONGRESSOS DOS MOSQUITOS DA DENGUE. Acredito que o Senhor vai tomar as providências cabíveis.
    A saúde pública vai agradecer.

    • Eles são comestíveis. Tem tanta gente passando fome. Se não tiver aceitação gastronômica, sugiro que tragam alguns chineses para Macapá. Eles comem qualquer coisa.

  • sobre o caramujo,esta praga veio para ficar o que falta e o poder publico informar e orintar a opulação para seu controle.outra praga sao estas luvas plasticas usadas en panificadoras e lanchonetes que deveriam ser proibidas pela vigilancia sanitaria e que são um verdadeiro caos a saude publica.,

  • ALGUÉM PRECISA TOMAR A INICIATIVA PARA FAZER OS ARRASTÕES DE LIMPEZA, COMO FORAM FEITOS NO 1ºGOV. CAPI, COM A ALEGRETE.ESSES CARAMUJOS ESTAO TOMANDO CONTA DA CIDADE.E A DENGUE, CADÊ A FUNASA?

  • Despejaram a CRUZ VERMELHA do local que faz um trabalho humanitario sério para isso que vemos na foto, um criadouro de mosquitos da dengue e lixeira! ufff até quando estas barbaridades?

  • Que foto! Olha o contraste do lixo com prédio da cruz vermelha(mesmo que desativado).
    Jean Henri Dunant fundou a cruz vermelha com objetivo de prestar socorro e assistência às pessoas vítimas de guerras e catástrofes naturais. A Cruz Vermelha ganhou 3 vezes o Prêmio Nobel da paz, 1917, 1963 e não lembro se o outro foi em 1954 ou 1944. A foto choca.

    Que descuido absurdo com a saúde, quem é dono do terreno?

    OAB que exemplo pra sociedade!

    Os caramujo africano é uma questão complexa a cada 2 meses o caramujo põe cerca de 180 ovos.
    Moradores não esperem o poder público, é questão de saúde, coletem e exterminem.

    Coletem usando saco plástico ou luvas, o contato é perigoso, queimem os caramujos é a forma segura e correta de eliminar, se quebrar e jogar fora, mata o caramujo,mas os vermes são resistentes.

    Putz tá complicado, as políticas públicas medíocres não ensinam e nem fazem. Instruir o povo é básico!

    Moradores mãos a obra, a saúde de vocês é o mais importante.

  • Néa, no bairro Zerão, na confluência da Av. Walter Jucá c/ a rua Eurico Vilhena, tem, talvez, até mais caramujos. E o povo vive jogando sal pra ver se mata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *