Artigo

Pau que dá em Chico dá em Francisco 
Zohar Oliveira

Sim companheiros com se não bastasse nosso local de trabalho ser o paraíso dos “cargos de confiança” (e eu não sou de confiança não?) agora o IAPEN virou palco de investigações de detetives e espiões que reviram computadores e telefones em busca do perigosíssimo elemento que vazou as fotos da Operação Voucher. Tanta coisa errada, corrupção, tráfico, mortes e espancamentos na penitenciária, e a grande prioridade é achar um funcionário que cometeu um erro (em minha opinião) insignificante frente ao caos administrativo, funcional e político desta instituição penal.

De Datena na Bandeirantes ao Chumbo Grosso daqui, toda imprensa feita pelos ditos “repórteres policiais” praticam a exibição de pessoas que muitas vezes nem presas estão. Vídeos de segurança recentemente foram divulgados do jogador de futebol que “suspeitava-se” ter atirado sua namorada do 15º andar. Rezas com a folha da curicaca, piadas, interrogatórios, julgamentos, descrições do “crime” são narrados pelos repórteres que ficam de plantão na frente dos CIOSPs, aguardando os que chegam conduzidos pela polícia. E estas cenas são o lazer do “depois do almoço” de muita gente pelo Amapá e pelo Brasil. Pessoas que nem prestaram depoimento às autoridades do Estado, já o fizeram ao grande Circo de Horrores da imprensa. E isso é visto como algo muito natural. Até que um dia aconteceu a mesma coisa com “Francisco”. Figurões de Brasília foram expostos pela mídia amapaense e Dilma Rousseff ficou chocada. Mas se o pau dá em “Chico”, ninguém se importa. O “Chico” é exibido diariamente, chacoteado e marcado pela mídia como se marca gado. E ninguém se importa.

A Operação Voucher focou nos milhões de reais desviados pelos envolvidos, mas hoje o foco é encontrar um pequeno funcionário do longínquo sistema penitenciário do  Amapá. Que brusca mudança de objetivo não?

Na Idade Média, a berlinda  era usada para expor o ladrão em praça pública. Sentenciado a ficar três, quatro dias à disposição de toda aldeia, para que todos o identificassem como criminoso (uma placa era colocada com nome e crime praticado). Durante este tempo as crianças jogavam-lhe frutas podres e excrementos, os anciões davam-lhe tapas na face e os comerciantes chutavam-lhe o traseiro.  Hoje a berlinda eletrônica é a internet e a TV, mas a prática é a mesma.

Espero que de agora em diante a lei se faça valer para “Chico” e para “Francisco”. Que se preserve a imagem do “ladrão de pão” e a do “ladrão de milhão”. Porque a Justiça usa venda para não distinguir “Chicos” de “Franciscos”.

  • ZOHAR OLIVEIRA:Até acredito qjue sua intenção foi resgatar ” a igualdade entre os presos”. Mas minha opinião foi extraída integralmente do desenvolvimento das idéias. Permita-me elecar:
    a)o sujeito “vaza” fotos para a imprensa, transgride a legislação e normas e você minimiza: “insignificante frente aos caos administrativo”;
    b) dá conotação de absoluta normalidade à execreção pública: cita apresentador de matérias do tipo (DATENA);
    c) vulgariza e corrobora com a prática: pau que dá em chico dá em Francisco (Por que Dilma sensibilizou-se?…ninguém se importa…;
    d) enaltece o objetivo maior da operação policial: “os milhões desviados” e minimiza a falta cometida pelo funcionário público
    Ao final do texto, manda às favas a coesão e coerência textual. Na penúltima linha: “Que se preserve a imagem do “ladrão de pão” e a do “ladrão de milhão”.
    Com todo o respeito,repito: Acredito na sua intenção, mas, tecnicamente você passou longe do que pretendia…
    att Josenildo Mendes de Sousa

  • Ótimo artigo,aqui não se pode algemar mais ninguém(importante e rico é claro!), mas o Código de Processo Penal em sua mais recente reforma admite o uso da tornozeleira eletrônica para os condenados.E isso também não fere a dignidade da pessoa humana? A verdade é que em um país,onde apenas pobres são condenados, ninguém se importa se fere ou não, o certo é que quando se trata de gente pobre essa tal dignidade deixa de existir.

  • Zoar vc foi brilhante!!! num país onde quem rouba uma galinha eh preso, humilhado e exposto na berlinda e os que roubam milhões do povo brasileiro não podem ser exposto, algemados e nem tratados como bandidos que são, esse seu artigo eh um tapa na cara do “white collar’s” que comandam a política desse país!!!!

  • Meus conterrâneos estão perdendo a noção. Será fruto das mazelas que estão vivenciando nos últimos anos? Como podem ovacionar um artigo cujo referencial é pautado no erro; na ilegalidade; no abuso de poder; “no desrespeito à dignidade da pessoa humana”. Gente, são coisas consagradas no texto constitucional. Ou vocês são adeptos do nazi/facismo? Por favor, resgatem nossos valores, mas, dentro da lei e da democracia.
    A propósito dessa postura: fiquei pasmo quando houve uma operação da PF no AMAPÁ e a dita cuja, lacrou o prédio da ASSEMBLÉIA LEGISLATIA DO ESTADO. Nenhum AMAPAENSE falou nada, nem autoridades do executivo; nenhum parlamentar; nem a imprensa. Esta chamou a PF “DE LINDA..”A casa do povo foi “tratada” omo da mãe JOANA, a casa do povo e das leis. Isso até então foi emblemático do quanto os meus conterrêneos estão afetados.
    Houve operação da PF em RONDÔNIA envolvendo o executivo e o legislativo e não lacraram a “ASSEMBLÉIA”. Aqui no Pará há um processo vergonhoso de apuração de desvio de recursos e os trabalhos legislaivos correm seu curso normal (dentro do possível). Meu receio, após esses apulpos ao que era praticado na Idade Média, é que vocês queiram restabelecer a GUILHOTINA…O discurso já caminha nessa direção, só falta eleger a praça…
    att Josenildo Mendes de Sousa

    • Josenildo Mendes de Souza, meu artigo pede igualdade de tratamento aos presos e respeito aos conduzidos pela polícia. Leia de novo.

  • Interessante o artigo, alias, muito feliz nas colocações.
    No Brasil, a lei é sempre para os outros. Até conseguimos vislumbrar a racionalidade por trás de normas positivas, mas, assim que elas passam a provocar algum embaraço a nossas atividades ou à de pessoas próximas a nós, estamos dispostos a ignorá-las ou mesmo burlá-las. “Aos amigos tudo! Aos inimigos, a lei”. A autoria do provérbio é controversa, mas há pouca dúvida de que a máxima seja genuinamente brasileira.
    Encerro dizendo: No Brasil, ás Leis são para PPP. Um abraço !

  • MAS QUE TEXTO IRREPREENSÍVEL, INTOCÁVEL E PERFEITO. PARABÉNS AO AUTOR. QUEM DERA QUE TIVÉSSEMOS MAIS BRASILEIROS COM ESTE POTENCIAL E COM CORAGEM E LIBERDADE PARA EXPRESSAR TODA SUA INDIGNAÇÃO.

  • ‘Otimo artigo… As fotos foram poucas. Nem apareceu todos os bandidos! Eles deveriam ser chicoteado em pra’ca p’ublica! N’ao interessa se ‘e chico ou francisco… Ladr’ao ‘e ladr’ao! E ainda tem Sra. querendo tirar o corpo fora! Deus nos proteja!

  • Amostrar a quadrilha do turismo não foi nada diante dos milhões surrupiados por eles, a tentativa de mudar o foco foi uma jogada dos dois partidos que assaltam o país a mais de 8 anos o PT e o PMDB, sorte que temos ainda as Procuradorias Federais porque o resto já está entregue.

  • ai gotei muito do artigo,passa esse artigo para o nosso senado randolfe 500, quero ver ele ler na tribuna do senado. e depois e manda passar no fantastico ,revista veja..
    vamos lar senador.

  • Deveriamos fazer como em alguns países mulçumanos, marcar o larápio cortando-lhe logo a mão. Outra coisa: a dilma tá perdidinha!

  • Olha esse artigo deveria se exposto no Fantástico,para que o país tivesse conhecimento do tratamento que é dado aos “Chicos e Franciscos” e em especial uma cópia deste artigo,deveria ser enviada à Sra. Dilma e ao judiciário deste Brasil.Que nojo eu sinto quando vejo que ladrão de galinha vai preso,mas que os ladrões dos cofres públicos não, e ainda são protegidos por nossas autoridades que deveriam dar o bom exemplo e serem imparciais.

    • Sim Carla, apesar da pontinha de “sadia inveja”, é muito bom quando nos deparamos com algo que queríamos ter escrito.

  • Excelente artigo. Explica também a agonia de alguns “repórteres policiais” pela perda da fonte do espetáculo, muito valente com os “chicos”, mas vendado em relação aos “franciscos”, inclusive quando diretor. Parabéns!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *