Audiência pública sobre o Hospital do Câncer

Amanhã, quinta-feira, a partir das 9h, a Assembléia Legislativa do Amapá, estará debatendo em audiência pública de iniciativa do deputado estadual Camilo Capiberibe (PSB/AP), a paralisação do projeto do Hospital do Câncer.

A sessão pública pretende esclarecer vários aspectos como a retomada da construção do Hospital do Câncer, orçado inicialmente em R$ 6.341.138,00 e que está paralisada desde 2004 após ação da Polícia Federal. O hospital está hoje com 80% das obras de construção civil concluídas.

Além disso, será discutida também a destinação que será dada à obra. Existe uma dúvida se o projeto vai seguir a vocação original de atender pacientes com câncer ou se será transformado em hospital regional da zona norte de Macapá. Finalmente será debatida a situação do tratamento de pacientes com câncer fora do Estado.

Foram convidados para participar da audiência pública, o governador do Amapá, Waldez Góes (PDT/AP), o prefeito de Macapá, Roberto Góes (PDT/AP), Vanúbia Andrade, presidente da Associação de Portadores de Câncer e Mama do Amapá, Ministério Público Estadual e Federal, e a sociedade civil organizada.
(Texto: Eduardo Neves,  Assessor de Imprensa do deputado Camilo Capiberibe)

  • O Carlos … não disse que o prefitinho cassado 6 vezes já tinha resolvido o problema do Hospital do Câncer.Isso ele falou a aproximadamente 8 meses,as véspera de uma das 6 cassações …

  • Será que a imprensa alcoviteira vai?
    Será que o Guela de Alguel vai?
    Aposto um litro de açai do grusso que o PP nem o WG vão…
    Muleke, que vai tá lá com certeza..

  • Louvável a iniciativa de outros agentes públicos para debater e propor soluções para a grave crise em que está mergulhada a saúde no Amapá. Não é possível mais conviver com tantas mortes e casos inssolúveis que a cada dia aparecem. As obras do Hospital do Câncer precisam ser retomadas e a destinação tem de ser com está no projeto original. Nosso doentes de câncer têm de ter um acompanhamento e tratamento mais especializado e humano nessa unidade especializada. Que o próximo governador aloque verbas para a construção de um Pronto Socorro na Zona Norte da cidade para atender àquela demanda cada vez mais crescente. Não podemos continuar nessa dependência e suplício como ocorre com esse tal de “Tratamento Fora de Domicílio”. Uma angustia e via crusis para os pacientes e acompanhantes, além de não atender à real demanda da população.

    Temos de dar, também, um puxão de orelha no governador e no seu vice(ligado à saúde) que deixaram a nossa saúde no leito de morte com crianças morrendo à rodo nas unidades de atendimento, além de adolescentes e adultos, particularmente, Maternidade Mãe Luzia e PAI(Pronto atendimento Infantil). Não fizeram o dever de casa e pouco investiram na compra de medicamentos, na ampliação das unidaes de atendiemtno à população, além de pouco fiscalizarem a aplicação de recursos do erário público. Particularmente não acredito que o sr. Pedro Paulo( que possui interesses na saúde privada, haja vista ser ele e sua família ligada a ela), possa ser zeloso, austero e um investidor na melhoria da qualidade do atendimento na rede pública de saúde. Não cito nem o sr. Waldez, um governador irresponsável e leniente, que parece viver numa eterna letargia para os problemas do dia-a-dia da população, como se vivesse numa ilha da fantasia. PASMEM!! UMA VERGONHA!!! Deixa o governo em abril, ficando um rastro de terra arrasada. SAÚDE macabra; EDUCAÇÃO, mergulhada em escândalos de milhões desviados; SEGURANÇA PÚBLICA muito insegura com índices alarmantes de roubos, furtos, homicídios, etc.; SERVIÇOS PÚBLICOS sucateados, com telefones cortados, falta de combustível, calote em fornecedores e prestadores de serviços, escolas entregues à mingua, corrupção em todos os setores e um dívida social gigantesca

    PARABÉNS aos agentes públicos e instituições que se unem na busca de solução para o grave problema de pessoas portadores de doenças graves, mais especificamente OS PORTADORES DE CÂNCER.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *