Bom dia!

“Não alcançamos a liberdade buscando a liberdade, mas sim a verdade. A liberdade não é um fim, mas uma consequência.”

“O lugar que ocupamos é menos importante do que aquele para o qual nos dirigimos.”

“Os homens não têm muito respeito pelos outros porque têm pouco até por si próprios.”

(Leon Tolstoi)

  • REPLICANDO:jorge luiz giacomo giordani
    29 de outubro de 2010 às 19:04
    HOMENAGEM A ÉMILE ZOLA que,um dia,escreveu;”Eu desejo explicar como uma família [os Rougon-Macquart], um grupo reduzido de seres humanos, conduz a si mesma dentro de um determinado sistema social (…) dando origem a dez ou vinte membros, que, embora possam parecer, à primeira vista, profundamente divergentes uns dos outros, são, como a análise demonstra, mais intimamente ligados por meio da afinidade. Hereditariedade, como a gravidade, tem suas leis.” Não deixemos que a “hereditariedade” se perpetue no poder.O Amapá não merece isto,os brasileiros não precisam disso!Votem com a consciencia livre,não tenham medo destes déspotas usurpadores do poder do povo.CHEGA DE FAMILIAS MANDANDO NO ESTADO. É HORA DA MUDANÇA,DA VERDADE,DA JUSTIÇA E DA EDUCAÇÃO!
    Responder

  • Candidatos ao governo do Amapá fazem debate tenso.

    Em debate transmitido na noite de hoje, os dois candidatos ao governo do Amapá, Camilo Capiberibe (PSB) e Lucas Barreto (PTB), trocaram acusações sobre o apoio de suspeitos presos na operação Mãos Limpas, da Polícia Federal, realizada no dia 10 de setembro, que investigou um esquema de desvios de verbas federais por políticos, empresários e funcionários públicos do Estado.

    Capiberibe disse que Barreto tem o apoio do ex-governador e candidato derrotado ao Senado Waldez Góes (PDT), preso na operação da PF.

    Barreto rebateu afirmando que Capiberibe tem o apoio do atual governador, Pedro Paulo Dias (PP), outro preso pela PF na operação. “Ele [Capiberibe] tem o apoio do Pedro Paulo Dias, mas ele esconde. É na calada da noite que eles se encontram”, disse Barreto, que ainda afirmou que Capiberibe se encontrou com Pedro Paulo no dia 14 de outubro.

    Em outro momento, Capiberibe disse que Barreto é o candidato do senador e ex-presidente José Sarney (PMDB). “O senhor é o candidato do senhor Sarney, que mudança é essa?”

    Barreto respondeu que Sarney não apoia ninguém no Estado, mas que pretende trabalhar com o senador, caso seja eleito. “Acho que temos que trazer o senador Sarney para o debate. Imagina ele [Capiberibe], se eleito, brigando com o senhor Sarney?”, disse Barreto.

    Até mesmo o apoio de prefeitos foi usado na troca de acusações entre os candidatos. Capiberibe afirmou que Barreto tem o apoio de Roberto Góes (PDT), primo de Waldez e prefeito de Macapá. Roberto já foi ouvido pela PF duas vezes durante a operação Mãos Limpas. Barreto não negou o apoio e disse que o prefeito é “bem avaliado” pela população.

    O tema do apoio de políticos presos na operação dominou todo o debate, inclusive quando os temas sorteados pela organização do debate incluíram saúde e habitação.

    O debate entre os dois candidatos foi marcado pela tensão desde o início. Logo na primeira pergunta, Barreto perguntou para Capiberibe quantos hospitais foram construídos na gestão de João Capiberibe, seu pai e governador por dois mandatos (1995-2002).

    “Isso não é um debate sobre o governo do PSB de oito anos atrás”, disse Capiberibe, que logo em seguida citou hospitais construídos na gestão de seu pai e disse o que pretende fazer na área caso eleito. Em diversos momentos do debate, Capiberibe acusou Barreto de “viver no passado”.

    Os dois candidatos aproveitaram quase todos os momentos para atacar um ao outro. Barreto, ao perguntar quais seriam sua ações, como governador, para ajudar duas cidades do interior, ouviu de Capiberibe que “isso não é uma eleição para prefeito”.

    Nas suas considerações finais, Barreto afirmou que queria se solidarizar com Wagner Aleluia, um militante de seu partido, que foi baleado em frente ao comitê do PSB na madrugada de sábado, quando voltava num ônibus alugado pelo PTB depois de um comício.

    Os dois candidatos afirmaram que consideraram o debate “positivo”. Capiberibe, que teve dois direitos de resposta negados, afirmou que nunca se encontrou com o governador Pedro Paulo e que não tem seu apoio, ele também voltou a falar de Sarney e disse que o senador “representa o atraso no Amapá”. Barreto, ao comentar seus apoios, disse “que os presos voltam”, e que ele não pode julgar ninguém que ainda não tenha sido julgado.

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/822147-candidatos-ao-governo-do-amapa-fazem-debate-tenso.shtml

  • “Os homens não têm muito respeito pelos outros porque têm pouco até por si próprios.”
    vejo, que neste trecho há muitas ‘pessoas’ que se encaixam nela.SOU MESSIANICO TBM, E ANALISANDO AS COISAS POR AQUI, EXISTE MUITAS COISAS QUE PRECISAMOS AINDA O QUE APRENDER !

  • Alcinéia, belíssima mensagem. Que a democracia reine e a liberdade de expressão seja uma tônica dos governos que virão. Seu jornalismo é muito bom.

  • >Após o debate de ontem, conversa entre Lucas e seu Assessor: O candidato Lucas resolveu ser populista e disse para seu assessor:…Vou sair, cadê a chave do carro? O assessor preocupado respondeu perguntando, pra quê Lucas? …É QUE TO COM FEBRE E DOR DE CABEÇA POR CAUSA DESSE CAMILO, VU ALI NA BAIÚCA COMPRAR UMA MILHORAR. Estava indecisa, Lucas com a primeira pergunta cuidou de atacar Camilo. Isso é debate ou “Vale Tudo”!?. Vou votar CAMILO 40. Fora continuidade!!!

  • E por falar em “verdade”, o que o papa tem que se intrometer em questões políticas nacionais?
    “Quæ Sunt Cæsaris Cæsari et quæ sunt Dei Deo”
    Se o papa realmente tivesse interesse nessa intromissão política, deveria ter incluído a corrupção entre os novos pecados capitais, mas não o fez. Se bem que, considerando que os psicopatas corruptos se consideram acima do bem e do mal, não acho que resultaria em grande mudança. Bom, mas pelo menos garantiria uma tribuna de honra no inferno para as velhas raposas católicas da política brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *