Caixa escolar “paga” fornecedor com cheques sem fundos

Com tanto calote que recebem dos caixas-escolares as micro-empresas começam a quebrar.
Só pra se ter uma idéia, a micro empresa K.C. de Aguiar desde março está sem receber pelos produtos que fornece para escolas. A dívida já chega a R$ 119 mil reais – um valor considerado altíssimo para micro empresas amapaenses.
Recentemente, o caixa escolar Antônio Monteiro decidiu “pagar” parte da dívida com três cheques. Dois datados de 19 de dezembro nos valores de R$ 6.397,00 e R$ 32.000,00 e um datado de 7 de outubro no valor de R$ 1.000,oo. O problema é que nenhum dos três cheques tinha fundos.
No Twitter, o gerente da K.C. de Aguiar, Gilberto Barbosa, disse que “é fácil ter merenda regionalizada nas escolas dando calote nos fornecedores”.
Insistentemente no Twitter, Barros tem apelado ao governador Camilo Capiberibe para que mande pagar os fornecedores. Até agora não recebeu resposta.

  • a verdade é que este governo é incompetente e irresponsável, pois sabe que os caixas escolares estao comproblemas e ainda permite que os mesmos comprem dos micro empresário mesmo sabendo que nao irao pagá-los. isso é uma pena, pois empresas como a minha estao falindo devido a irresponsabilidade deste governo

  • Avacalhação graúda, é a famosa transfusão de jeba, passam a batata quente pra mão de outro e ficam posando com a tesoura na mão pra cortar as fitinhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *