Chá da tarde

1935Praça da Matriz em 1935(hoje Veiga Cabral). No coreto se apresentavam as bandas de música da Guarda Territorial e do Mestre Oscar. Foi ouvindo estas bandas que interpretavam de forma magistral clássicos da música que muitos casais começaram a namorar e casaram, aí pertinho do coreto mesmo, na bicentenária igreja de São José.

O poeta Arthur Nery Marinho – que veio para o Amapá em 1946 – chegou a tocar  neste coreto e relembra a velha praça nesta poesia publicada no livro “Sermão de Mágoa”, em 1993.

Praça Antiga

Arthur Nery Marinho

Velha praça, velha praça,

E o coreto em alvenaria. Atrás, à direita, o primeiro ônibus que circulou em Macapá
E o coreto em alvenaria. Atrás, à direita, o primeiro ônibus que circulou em Macapá

tenho saudade de ti.

Não da bonita que estás

mas da que eu conheci.

A praça do tio Joãozinho

e do seu Naftali:

o primeiro era Picanço

e o segundo Bemerguy.

A praça do João Arthur

também a praça do Abraão,

a praça que outrora foi

da cidade o coração.

A praça em que se jogava

todo dia o futebol,

esporte que só parava

quando já dormia o Sol.

Parece que isto foi ontem,

mas tanto tempo passou,

o que deixou de existir

minha saudade gravou.

Vejo a barraca da Santa,

vejo ali o ABC.

Há muito tempo não existem

mas a minha saudade os vê.

Da igreja o velho coreto

eu avisto, neste ensejo.

Do mestre Oscar vejo a banda

e lá na banda eu me vejo.

Eu considero um castigo

não apagar da lembrança

o que me foi alegria

e agora é desesperança.

Velha praça, velha praça,

renovaste e linda estás.

Não tens, porém, a poesia

do que ficou para trás.

  • “…tenho saudade de ti. Não da bonita que estás mas da que eu conheci…” Gostaria de que o Sec. heraldo Trindade desse uma atenção maior para a praça Nossa Senhora da Comnceição, pois está necessitando, não tem mais nem como ficar sentado a noite pois nem iluminação tem. Assim eu vou te falar, hein!

  • Néa, se o coreto é de 1935, o sapiranga só nasceria 10 anos depois, mas quando me entendi, o coreto era de alvenaria e ficava no lado esquerdo sentido centro/favela. A casa ao lado da Igreja serviu de sede dos escoteiros são jorge e do juventus esporte clube. Atrás ficava a gráfica são josé. Derrubei muitas mangas e periquitos na mangueira que aparece na foto. Tinha uma outra bem ao lado e outra em frente ao elite bar. As que ainda existem na praça são da mesma época.

    • Pois é, meu caro Sapiranga.
      Acho que esse coreto de madeira foi o primeiro a ser construído. Tenho uma foto do coreto já de alvenaria, mas a qualidade tá tão ruim. Vou postar e vamos ver no que dá.

      • Correto, querida amiga, é esse mesmo. Embaixo tinha uma espécie de depósito. Na época de arraial, nos reuníamos as proximidades e partíamos a caça das meninas, que na época, chamavamos de “caboquear”. Fui sexta na confraria e sai de lá encantado com a performance do Aimorezinho. Pena que não pude ficar até o final e nem encontrei você por lá para batermos um papo. Bj, te adoro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *