De que time é a camisa?

Raimundo Maia Barreto, o queridíssimo Cristiano, charlou no Largo dos Inocentes no dia do aniversário da cidade, com esta camisa que há 42 anos ele não tirava do baú.
Cristiano foi um cracão deste time. Jogava em todas as posições. Conta a lenda que certa vez ele cobrou o escanteio, correu e fez o gol.
Você lembra dessa camisa? Sabe qual é o time?

  • Olá Alcinéa Cavalcante e amigos!
    Gostaria de saber com quem eu poderia pegar a história do Atlético Latitude Zero,
    pois gostaria de publicá-lo?

    Desde já agradeço!

  • Boa Tarde a todos, alguém teria a foto dessa camisa do Latitude Zero? Estou fazendo pesquisas para um blog que entrará na rede no ano que vem, a intenção é homenagear todos os clubes do Brasil em suas datas de aniversário, agradeceria imensamente se pudessem me ajudar a contar um pouco sobre o futebol amapaense e especialmente sobre o Latitude Zero e as ótimas histórias de seus avôs, tios e amigos, sem mais, obrigado.

    • Emerson, o Cristiano tem esse camisa. Fala com ele. E outra coisa: ele pode te contar muito sobre o Latitude e o futebol amapaense. Além de jogador ele foi foi árbitro. Tem muitas fotos e muitas histórias.

  • Um abração à minha ex-professora de Tec. Mecanica dos anos 80. Prabens pelo blog. O nosso magistério, ate hj sente saudades de profissionais como vc. Esse camarada aih eh o Raimundo Maia Barreto, vulgo “Tamatá Pretinho” e, para os mais íntimos, Cristiano; e essa camisa é do Latitude Zero, que meu Macapá gostava de “muquiar” (pena q um deles desapareceu no tempo… e o outro parece que ibernou), bons tempos nunca voltam. O nosso amigo também era “fiscal” de alunos no colégio mais legal do Estado, o GM. Certa vez, à noie, numa saída, acho que assistir mais um jogão do nosso Mengo, tive que pular aquele cercadinho da entrada (não sei se ainda existe), sorte que ele ñao viu… pois hj esse camarada não é apenas membro da Confraria Tucujús, nem ex-atleta do Latitude, nem sócio honorário do querido Banco do Fuxico… nem só amigo e companheiro, também é meu SOGRO. Parabens cara! Tu és história, e história a gente conta.

    • É verdade. Fui vítima disso. Certo 13 de Setembro, na casa do Prof. Barcessat, tomando gelosa espumosa, tirando gosto com farofa de carne em conserva, ele colocou no meio da farofa uma pimenta malagueta inteira e coube a mim, que nunca comi pimenta, mastigá-la, sob a gargalhada dele e do saudoso Jeconias.

  • Esta camisa é do Latitude Zero, guardei durante um tempo tentando fazer outra, mas não consegui, sei da importância que tem para meu pai. Conheço a história do escanteio e cabecear para o gol e não é porque sou filha, mas este homem é FENOMENAL! Tudo o que sou hoje agradeço a ele.

  • Esta camisa do Latitude Zero, só esta até hoje com o Cristiano, por que ela é do tempo que o algodão era 110% e ele guarda no cofre do banco do Brasil.kkkkkkkkkkkkk

  • E para quem não sabe, o Cristiano foi chefe escoteiro da tropa Marcílio Dias (Escoteiros do Mar). Sempre foi uma pessoa muito querida por ser sábio, humilde e amigo de todos. Tem seu nome na história do Amapá, espdecialmente na formação de jovens.

  • Caraca meu…fiz uma viagbem na minha infância quando o Latitude treinava (ou jogava, sei lá)no campo do Escoteiro do Mar Marcilío Dias, no Trem, bem em frente da minha casa. Maravilha lembrar bons e velhos momentos.

  • Muito boa essa história, na verdade é folclorica, que bom que ainda existam pessoas que vivem pra conta nossa história, é nesse caso mostra-la também…
    Parabéns seu Cristiano!!

  • LATITUDE ZERO. Aliás, naquela época, o clube tinha um salão de festas, ao lado da casa do nosso grande amigo Cristiano, que quando realizava os “dançarás” de final de semana, algumas vezes era palco de brigas homéricas protagonizadas pelo Silas Salgado e Mapinguarí. Aliás, numa dessas festas, eu estava “serenando” lá em frente, fui tocado no ombro por alguém pela parte de traz e. quando virei a cabeça para saber quem era, recebi um porrada na cara que até hoje não sei de quem recebi. Cai quase desmaiado no pátio da casa do Cristiano e fui socorrido pelo mesmo e sua irmã, sendo massageado no rosto com pedras de gêlo. Boas lembraças!!! kkkkkkkkk

  • Essa camisa é do Latitude Zero, apesar de não ter vivido àquela época lembro das histórias contadas pelo seu Cristiano – ele é sogro da minha irmã – que fica furioso quando é chamado de Tamuatá Pretinho.Não sei a origem desse apelido e nem porque a fúria já que Tamuatá é tão gostoso…rsrsrsrs

    • Rapaz, bons tempos foram no GM, quando ele era inspetor escolar e a Néia era minha professora de Tecnologia Mecânica. O Cristiano era um servidor exemplar e rigoroso, e nós alunos que na época tinhamos 17, 18 anos, não entendíamos por esse lado, achávamos que ele era um tanto “dedo-duro”. O resultado é que não perdíamos a oportunidade de apelidá-lo. ele, definitivamente, não gostava. Mas convenhamos… o Tamuatá é gente boa. hehehehe

  • Olá Alcinéa,
    Com certeza a camisa é do Atlético Latitude Zero, o Latitude como era conhecido e o Cristiano era seu expoente máximo. A lenda realmente é conhecida, nunca o vi bater escanteio e cabecear como dizem mas, no Glicerão ninguém conseguia acompanhá-lo num pique de 100 metros. Apesar do Cristiano, os placares quase sempre eram: Adversário 7, 8 ou 9 X Latitude Zero 0.
    É muito bom vê-lo com saúde.
    Sds,

  • Oi, Alcinéa.
    Essa camisa é relíquia. É do antigo Atlético Latitude Zero, cuja sede ficava no bairro do Trem na Av. Cônego Domingos Maltez (não sei se o nome da rua ainda é esse), entre as ruas Eliezer Levy e General Rondon.
    Um abraço, extensivo ao Cristiano.

  • Com esse emblema o nome do time só poderia ser Equador, Marco Zero, Latitude Zero, ou coisa parecida. Não é do meu tempo, mas garanto que esses caras jogaram muito mais bola que esses perebas de hoje.

  • Luiz Nery,o peixe do mato está vestindo a camisa do latitude zero.Agora cracão?Vai ser pauta de reunião no banco do fuxico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *