Natal

ESTRELA NO CÉU
Alcy Araújo (1924-1989)

Olho para o Oriente e vejo, além da minha compreensão, uma estrela no céu. Não é a minha estrela da guarda. É uma estrela diferente, no brilho e na cor. Querem me convencer que é um cometa. Não acredito. Descubro que tem vida e transporta uma mensagem de fé, de esperança e de concórdia.

Posso ouvir sua voz no silêncio da noite e sinto seu perfume e a sua música. Apesar de ser assim não fico assombrado. Não tenho nenhum medo dos meus medos cotidianos. Sinto que a estrela fala comigo e diz: “Segue a minha luz”  e estendo os braços em direção à cidade de Belém.

Alguma coisa muito bela vai acontecer na cidade, porque a estrela tem música e o céu está perfumado nestas noites claras em que os anjos passam apressados no azul. E o azul é mais azul e a luz é mais luz. Deve ser tempo de nascer esperança.

Também é muito estranha a passagem daquela caravana de Reis Magos. Eles são de tribos diferentes. Um tem a pele cor de ébano. O outro tem a pele curtida pelo sol do deserto. E há um terceiro, de cabelos dourados e pela branca como a neve das estepes. Não sei onde os seus caminhos se encontraram. Mas eles vão juntos e olham para a estrela. Sinto que estão fascinados. Isto diz que vai acontecer uma coisa muito importante no mundo. E eu não tenho nenhum medo.

Deve ser uma coisa muito linda, tanto que meu coração sente uma imensa alegria. Acho que vai nascer um menino na cidade de Belém. Mesmo porque as flores estão sorrindo e quando as flores sorriem é porque vai nascer uma criança.

Este negócio de anjos passando também é muito significativo.

Meu coração se apercebe que uma grande luz se aproxima do mundo e que a escuridão enorme dos nossos pecados pode ser dissipada.

Há mais uma coisa. Olho para Roma e vejo que os deuses fitam-se com admiração e assombro e sei que está chegando uma nova era. Esses reis passando, essa estrela diferente, essa música vinda dos céus, esses anjos … tudo é muito concludente.

Na certa vai nascer uma criança na cidade de Belém da Judéia e haverá paz aos homens de boa vontade.

(Do livro “Tempo de Esperança”, do poeta e jornalista Alcy Araújo Cavalcante)

  • Alcinéa e Alcilene, quando leio textos como esse de hoje, de cunho do inigualável poeta Alcy Araujo, seus pai, diluo-me em arrependimento de não ter estado com ele mais tampo em vida. Lançarei dia 15 de dezembro, extra-oficialmente, pois o ofical terá de ser em Macapá, no evento do mesmo dia na FIEC(Federaçãoda Industria do Estado do Ceará) durante a apresentação da segunda antologia da ACE, o livro “Petálas sobre Macapá” e lá estará um novo poema para o maior e mais puro poeta do Amapá, mestre Alcy Araujo
    Um beijo no coração! Amiraldo

  • Singeleza e inteligência, estas foram as formas que o Poeta encontrou para anunciar o Advento de Jesus. Paz e Bem a todos.

  • “Que se cumpra. que se cumpra, que se cumpra” o teu sonho! Que se alargue em mim esse teu olhar-sentir! Que essa tua esperança se derrame pelos caminhos, pelos rios. pelos horizontes desta nossa GAIA, habitada por sonnhadores, destruidores e fomentadores da fome, do medo e do desamor!
    Alcy, continue encantando o canto de quem se deixa encantar!
    Que o nosso Natal seja pleno de luz, amor cuidante e paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *