É pra demolir ou restaurar? Por que?

Sem manutenção há vários anos, o prédio da Escola de Artes Cândido Portinari está com rachaduras, infiltrações e problemas nas redes hidráulicas e elétrica. O governo falou em demolir o prédio e no lugar construir outro mais moderno e maior.
Artistas, estudantes de artes, pesquisadores, professores, gente do povo se dividiram: uns aceitam a demolição, outros defendem a restauração.
Como se trata de um bem público, o Ministério Público Estadual entrou na parada e recomendou que seja feita uma audiência pública. Portanto, caberá à sociedade decidir se o prédio será demolido ou restaurado.
Que tal a gente começar um debate aqui no blog?
Então, vamos lá: na sua opinião, o prédio deve ser demolido? Deve ser restaurado? Por que?

  • A Escola de artes Candido Portinari, é indubitavelmente um patrimônio histórico da Cidade de Macapá. As opiniões diversas sobre DEMOLIÇÃO OU RESTAURO, deverão ser pensadas sobre a ótica do PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL. existe terreno para ampliar o espaço sem que ele perca sua caracteristica original. É necessário providências urgentes para dar um destino para esse espaço físico. DEUS queira que não seja feito de forma impensada. DEMOLIR JAMAIS. existe em arquitetura uma disciplina destinada ao aprendizado de restauro, deveriamos ver nossas anotações desse curso para depois opinar sobre este assunto. JÁ ESQUECERAM DO R.PEIXE, agora querem esquecer da escola que ele ajudou a criar. LUTEM para que sejam feitos investimentos no sentido de dar melhores condições aos alunos, sem que o prédio perca sua visada principal. Existem meios de projetar sem que seja necessário demolir. Vamos preservar nossa História.

  • Deveria construir uma faculdade de artes,predio novo mantendo o mesmo nome, estrutura, paisagismo, etc. Se demolirem tdos os antigos predios historicos, a historia do brasil perde a graça, e torna-se historia sem visao do passado. ou seja futuramente serar apenas uma lenda.FUI ALUNA DA ESCOLA PORTINARI. DEMOLIÇAO TOTAL “NAO’

  • Acredito na reforma e restauração desse prédio, por si só já é patrimônio público de nosso estado tão jovem, acredito em projetos complementares na referente ao espaço de artes, fazer um estudo melhor em como utilizar a área externa em volta da escola para outras modalidades de arte. Fui aluno do Candido, e não imagino ele sendo demolido, como tantos outros prédios que desapareceram em nossa cidade facilmente. Um projeto novo de climatização, iluminação, rever sua estrutura, o paisagismo em volta .. ai sim teremos soluções, DEMOLIR JAMAIS!

  • A propósito no período de 22 de novembro a 10 de dezembro/2010, estaremos realizando matrículas para as oficinas do 1º semestre de 2011.

  • Quero deixar registrado que independentemente do que seja aprovado na audiência pública o que nós (Comunidade Escolar da Portinari) desejamos é receber o espaço de volta adequado às necessidades de nossa clientela, uma vez que atendemos crianças a partir de 9 anos em oficinas de desenho, modelagem, pintura e teatro, o curso de desenho artístico e o curso de pintura. Nossa clientela mora nos mais diferentes e distantes bairros da cidade, tornando o endereço da Cândido Mendes mais acessível a todos. Estamos trabalhando em um prédio alugado no bairro do Trem, mas com um enorme desejo de retornar para o espaço que foi conquistado com muita luta, pois a arte nem sempre recebe a atenção que merece.

  • Demolir? Não. A gente apaga a história com uma facilidade estúpida. O artista não gosta de suntuosidade. O artista gosta do simples. Aquele prédio é uma arte só. Reformar com qualidade é a solução, e não adianta destruir simplesmente… Muitos conhecem a capelinha da pampulha, quando lá visitei estava com rachaduras… reformaram. Continua simples simples e bonita, firme o forte. Ah! Foi o Oscar que fez… Entendam. Eu não sei quem fez essa obra, conhecida com “Escola de Artes Cândido Portinari” e sem comparação, mas, é simples e bonita também.

  • ESPERO QUE SEJA DEMOLIDA , E QUE O NOVO PROJETO SEJA EFETUADO POR PROFISSIONAIS DO AMAPÁ A FIM DE EVITAR QUE CONTINUE SE CONSTRUINDO PRÉDIOS COM ARQUITETURA NÃO CONDIZENTE COM NOSSO CLIMA .
    NOSSO ESTADO POSSUE ARQUITETOS ESPECIALIZADOS EM ARQUITETURA REGIONAL,NÃO SENDO NECESSÁRIO CONTRATAR DE OUTROS ESTADOS.

  • Antes de tudo, ou melhor, entre reforma ou demolição, o próximo governador tem que pensar urgente, em um departamento de manutenção de espaços públicos. É um absurdo os gastos do estado com reformas em curto prazo. Não é feito o mais simples, como exemplo, cito as arenas, UNA, sambodromó e escolas, que necessitam de zeladores todos os dias, para manutenção de jardins, banheiros, brinquedos de parques, enfim.
    OU SEJA A MANUTENÇÃO DE TODO E QUALQUER ESPAÇO PÚBLICO CONSTRUIDO É IMPORTANTÍSSIMO PARA REDUZIR OS GASTOS DO DINHEIRO PÚBLICO.

    Quanto a pergunta aposto na reforma, com adaptações necessárias para o funcionamento.

  • É um segundo para dinamitar, e o resto da vida para se arrepender, ficar relembrando deste prédio em foto. É assim que aconteceu com as casas do formigueiro, né, e com inúmeros patrimônios de nossa cidade. Mas o que é pior, acho que a reforma deste prédio vai ser uma das inúmeras obras paradas de Macapá. A crise tá brava, este governo tá deixando muitas dívidas, eu pergunto, cadê a lei da responsabilidade fiscal, quem deveria honrar as dívidas é quem as fez…

  • Boa tarde!!! O que deve ser feito é uma restauração…e manter vivo ese prédio antigo e em outro espaço se construir algo moderno que atenda todas as exigências de um espaço cultural…

  • isto é herança maldita do desgoverno do Waldez Góes que nunca priorizou a cultura neste Estado..um horros uma pena mesmo..lamentavél

    • Estamos acabando com a nossa história… A rodovia Duque de Caxias, agora é Duca Serra, continuo chamando de Duque de Caxias. Mas poderia ser também chamada de “Rod. Duca Caxias”. A rodovia AP-70, agora é rodovia Alceu Ramos. O aeroporto internacional de Macapá “Coaracy Nunes” querem mudar o nome para Alberto Alcolumbre, ou já mudaram. A Avenida Nações Unidas, dividiram, agora também chamam de Tupinambá… To cansado de ver tantas e tantas.
      E agora a “escola de arte candido portinari”, ficou minúscula. Arte se restaura, não se destrói.

  • Ja estudei na escola e acho que ja deu o que tinha que dá. Precisamos nos desapegar de algumas coisa que só emperam o desenvolvimento. Os talentos do Amapá precisam de um espaço moderno, monumental, uma obra de arte, adequado à realidade atual. Portanto, Demolição já! e viva o progresso..

  • Oi, Néa! O p´redio em questão não possui, ao meu ver, qualquer valor histórico. Frequentei muito aquele elefante, no tempo em que meus filhos ali estudaram. Extremamente quente, provocando um calor insuportável (o que impossibilita melhor aprendizado). Creio que a demolição fará melhor papel, edificando-se nova construção, cujo espaço físico possa servir de ferramenta apropriada ao ensino-aprendizagem. Bjos.

    • Concordo com vc, Cléo. Sou adepto de lembranças nostálgicas de escolas por onde passei, como o GM, Barão, CA. Além de outras nas quais não cheguei a estudar, como a Escola de Música Walquíria Lima.
      Lembro-me de que iniciei um pequeno quadro da Fortaleza de São José na escola, mas, não sei por que, a “obra” não foi pra frente e acabou esquecida em uma de suas salar. À época, o professor Espírito Santo não me dispensou a atenção que eu necessitava como artista-mirim e, talvez por isso, a Escola de Arte Cândido Portinari não tenha referência histórica ou cultural para mim. A propósito, a Ângela Irene é tua parenta?

    • Hei manazinha… A Fortaleza é também um elefante, nunca foi usada,já pensou se tivessem demolido. O Valor histórico é constituído pelo passar do tempo, se arrancar um prédio porque é quente e desconfortável é uma justificativa, existe tecnologia, central de ar. Conheces?

  • Oi, Alcinéa.
    Mais um exemplo de desperdício do dinheiro público. A (re)utilização desse espaço para a comunidade macapaense certamente não esteve na plataforma de nenhum candidato a cargo executivo (minhas desculpas caso algum candidato tenha abordado essa questão). Ainda bem que temos liberdade de imprensa para divulgar essas situações ao público.
    Todos os comentários são interessantes, o que demonstra a preocupação das pessoas com o destino desse espaço. Não conheço a Escola, mas considerando as opiniões e experiências de quem já passou por lá, principalmente os ex-alunos, penso que o espaço deveria ser restaurado e utilizado como local de exposições, conforme sugestões apresentadas, mantendo o nome “Cândido Portinari”, e construído outro espaço como escola de artes, homenageando-se, com justiça, o Raimundo Peixe. Como também foi sugerido, com audiência pública.
    Em tempo: o desperdício do dinheiro do contribuinte não tem endereço fixo; ocorre em qualquer lugar.
    Um abraço.

  • Existem momento em que nossa memória tem que ser preservada, no entanto nesse caso, seria melhor que um excelente projeto fosse apresentado e aprovado, pela sociedade organizada. Quem sabe até um projeto desenvolvido pelo Oscar Niemeyer? O espaço seria restaurado e a escola de artes continuaria formando bons profissionais.

  • Sinceramente, não acredito que demolir a escola, seja a solução, uma vez que nesta gestão governamental, muito pouco se tem feito. Veja o exemplo do Hospital Metropolitano no bairro São Lázaro: Há tempos está para ser concluído, mas a estrutura serve apenas de esconderijo para pessoas de má índole. Não queremos ver uma escola deste porte, com um final trágico assim, onde tantos artista alí puderam apresentar e desenvolver belos talentos. A reforma seria ideal. Pelomenos ela estaria de pé.

  • Desde criança, a estrutura deste prédio não me agradava. Tempos depois, já na faculdade, eu costumava dizer que parecia um zigurate, que para a civilização mesopotâmica tem seu valor artístico e cultural. Esteticamente, o prédio não me agrada e sou a favor da construção de um novo complexo que atenda melhor as necessidades da população macapaense. Mas, como essa questão artística é relativa e pessoal…
    Em tempo: seria contra, sim, a destruição dos afrescos do Pe. Fúlvio Giuliano, na Igreja Jesus de Nazaré. Um bom arquiteto aproveitaria a parede pintada pelo artista sem necessidade de derrubá-la.

  • Não conheço a história da Escola, mas se tem recurso e possibilidade de construir outro acho mais viável. Aproveitar e fazer um concurso dentro do curso de arquitetura da UNIFAP, para q os alunos do último ano desenvolvam um projeto com um traço da arquitetura local. E principalmente, totalmente adaptado as necessidades especiais. O NOVO SEMPRE VEM.

  • Basta! O governo nos furtou dinheiro, com a Expo-feira deu a gargalhada final. Ainda querem deixar como cartão postal A Cândido Portinari com a onda azul gravada na parede. Roubar nossa dignidade de ter história.

  • Eu acho que não deve demolir.Pela arquitetura, deve representar uma época e suas intenções. Por mim haveria uma restauração e aproveitamento para uma Casa de artes, uma exposição de artes ou coisa do gênero.Eu, como mineira, sou contra qualquer demolição de prédio que represente a história.Deve haver outro local para a construção de nova escola.

  • Não deixem demolir mais um espaço que serviu de ferramenta impotante para o desenvolvimento e difusão das artes plásticas do Amapá.

  • Olá!
    Demolir ou restaura é uma questão pra ser questionada e com respostas pra cada situação, mesmo. Eu fui aluna da Escola e quando eu estava por lá pude e posso afirma que precisa ser adequada para receber os alunos e ter salas específicas a cada segmento da cultura.
    Penso que a construção de uma novo prédio seria a resposta para as angustias, pois se reformarem não poderão ofertar uma ventilação adequada as estrutura do prédio.
    Atualmente, o clima tá modificado e a escola não oferta uma condição favoravel a esta questão. Construir uma nova estrutura, porém com traços que lembre a estrutura antiga seria muito bom.
    Se caso fosse para restaura teria que focar, principalmente, na situação ventilação e bem estar dos alunos concedendo a cultura um lugar que seja visto como ponto de encontro com ambientes a mais para trazer o turista dentro da escola, isto pode ocorre se houver boa vontade.

  • Ao ver a foto, me parece que a Escola Cândido Portinare está abandonada, desativada. Conheço a escola e sei que o prédio é inadequada para a prática e educação das artes; pequeno, quente, sem ventilação e exaustão, principalmente para aqueles alunos que manipulam produtos químicos com alto teor tóxico – irônicamente Cândido Portinare morreu intoxicado por causa do uso intensivo das tintas. Sou a favor da construção de um novo centro das artes, anexo, com arena, sala de espetáculos, espaço audiovisual, galeria para exposições, biblioteca e, principalmente, salas/ateliers amplos e decentes, além da qualificação do corpo docente com acesso a equipamentos e materiais modernos bem como novas mídias digitais. Recuperando e preservando o que já está construído.
    Mas acredito que, mais do que cuidar do futuro, deveríamos, primeiro, tratar com respeito e muita seriedade da nossa história, começando pelo resgate e restauro de um tesouro que, até onde sei, está jogado na sala de desembarque do aeroporto de Macapá; belíssima obra do grande artista R. Peixe (fundador da Escola Cândido Portinare), e que servia de encosto e descanso para os que aí desembarcavam.
    Matéria-prima, talentos e dinheiro o Amapá tem, o que falta é educação, cultura e boa vontade aos nossos gestores público.

    Ralfe Braga
    Brasília/DF

  • Restaurar e transformar o espaço numa galeria de artes ou um espaço para pequenos eventos culturais, enfim… o que não dá é para simplesmente demolir descartando assim parte do patrimônio cultural do nosso Estado. Acredito que dá para construir sim um outro prédio maior e melhor estruturado em um outro local e que atenderá um maior número de alunos.

  • Quero dar parabéns pelo texto da Cintya, realmente vi nas palavras dela que ela é neta do seu Peixe, apesar de ser jovem com 20 anos máximo, essa jovem disse tudo que seu avó diria a sociedade amapaense, vamos manter esse espaço, pode ser pequeno, mais tem uma história imensa….

  • Entrando no debate..Penso que o estado precisa de uma nova e ampla escola de arte. Penso que o prédio da atual Candido Portinari poderia ser transformado em uma galeria de artes..Mas acho que o melhor é debater o assunto na audiencia pública. De lá com certeza, sairao as melhores alternativas..

  • A Constituição brasileira de 1946 contempla no seu texto a proteção do património relatandono seu artigo 175: “As obras, monumentos e documentos de valor histórico e artístico, bem como os monumentos naturais, as paisagens e os locais dotados de particular beleza ficam sob a proteção do Poder Público.”
    Mas acredito também que uma nação que não conhece, não preserva e não valoriza seu patrimônio cultural é uma nação sem “alma e sem sentido”, que fatalmente estará fadada a se extinguir.Dessa forma, acredito que a Escola de Artes Cândido Portinari faz parte do patrimonio histórico e cultural do Amapá e demolir este prédio é também apagar grande parte da nossa história, por essa razão o prédio deveria ser mantido, mas uma opção seria construir um anexo para que a escola pudesse abrigar mais alunos.
    Rostan, agradeço por lembrar do meu avô R. Peixe em seu comentário, entretanto ainda em vida ele sempre dizia que não queria que o nome da escola fosse trocado porque Candido Portinari foi um artista que ele admirava muito e que também merece esse homenagem.

  • Não derruba! Faz outra Escola em outro lugar. Zona Norte, por exemplo, tem população que suporta mais um investimento como uma Escola de Arte. Reforma, adapta, no caso, aplica-se a Restauração no Cândido Portinari. Concordo com um comentário acima que destaca o edifício como Referência. Precisamos disso. Já basta que mudam o nome de ruas destacadas nos tirando referências na cidade. Sugestão: Constrói outra Escola em outro bairro, com algum diferencial de serviço público (opinião minha) e põe o nome de R. Peixe (dica de Rostan).

  • Posso assinar uma cautela pra cuidar desse prédio?
    O Seven! se sentiria honrado, estamos precisando de uma sede..e também, sonhamos em desenvolver as Artes Integradas com os estudantes. heheheheeheh

    Estou brincando, mas sem dúvida, é fundamental o debate começar.
    Parabéns.

  • Acredito que demolir seria perder parte da historia de nosso Estado. Agora, se o objetivo é demolir e construir algo maior e melhor, teriamos que ter sim Audiencia Publica para discutir este novo projeto.

  • Restaurar, com certeza, Macapá tem poucos bens públicos que fazem lembrar períodos importantes de nossa história. E se for pequeno, dar outro destino, como galeria de arte, biblioteca para livros de arte, música, cinema.Até um pequeno cinema, para produções locais.Tem tanto o que fazer com o prédio restaurado. E depois se possível construir outro para abrigar a escola de arte, maior e moderno.

  • Devemos preservar o prédio, temos de lembrar do valor histórico.O prédio tem uma arquitetura linda, e que marcou a história da capital. O ideal seria a restaurar e criar um anexo para ampliar o atendimento. É absurdo pensar em demolir um crime contra a ARTE & HISTÓRIA.

  • Demolir será a melhor solução. O prédio é atual é pequeno, e “maquiá-lo” por mais tantos anos, até apresentar problemas novamente não dá. Se a perspectiva é construir um outro com mais espaço e moderno que se faça.Porque dará oportunidades para mais pessoas estudarem lá. Afinal, essas fotos ja mostram que restaurar e demolir sai um pelo outro, pelo tanto de despesas que isso vai gerar.

  • O prédio atual faz parte da historia do Amapá, mas devemos levar em consideração uma nova estrutura capaz de atender novos talentos do nosso estado.

  • Alcinéa acho importantíssimo esse debate. Sou totalmente a favor da construção de um novo prédio maior e bem mais confortável. As artes precisam ser valorizadas no Amapá e do jeito que se encontra o prédio da Escola Cândido Portinari não tem condição de continuar. Está ai um bom momento para o governo apoiar a cultura e não só a liberação de recursos para os shows. Não esquecendo que uma das missões das artes é o de “enriquecer a vida as pessoas, proporcionando-lhe alegria e sentido.” Também, Alcinéa poderíamos levantar o debate sobre a troca do nome da escola, já foi discutida a troca do nome de Cândido Portinari para R. Peixe, o que você acha?

  • Creio que deveria ser construído um novo prédio. Poderia ser um que agregasse as artes em geral. Esse novo prédio, por exemplo, seria um local adequado para uma escola de música, uma escola de artes plásticas, teatro, etc. Seria uma espécie de centro de cultura. Ora, o Walquíria Lima está parado – eu estudava lá – e o Cândido Portinari também, não seria interessante construir um local adequado e que pudesse agregar cada vertente da arte?

    Evidentemente, teria que ser um local no centro da cidade para facilitar o acesso dos alunos e da população quando fossem participar dos eventos.

  • Se tem a possibilidade de fazer outro maior e melhor… com certeza demolir… pq já estudei lá e o espaço era pequeno, e se queremos incentivar a cultura… e um otimo começo… a onda é se vao fazer… espero q o novo governador faça isso… =D

    • O que aprendeu na escola de artes?! Você não tem a menor noção do que é arte quando fala em demolir o projeto arquitetônico.

      A preservação do patrimônio histórico, cultural, arquitetônico, artístico de uma comunidade, de um povo.

      É referência, caso não saiba.

      • Ei Zanjo, que eh isso? O rapaz tem direito de opinar e, como ele disse, ele conhece o predio. tem muito espaco ao redor que pode ser aproveitado no projeto de um novo predio.

        • Conceito é mutável. Ele não respondeu.
          Ele teve a sensibilidade de diferenciar o uso da linguagem, voce leu de forma errada. Desculpe se foi ofensivo, fui egoísta em achar que todos entenderiam. Vou da mais serena irônia até extrema gentileza, sou humano.

          “Sou um subintelectual de miolo mole.”
          Caetano Veloso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *