Meu “Dia do Círio” é assim:

Hoje é dia de reunir a família no tradicional almoço do Círio de Nazaré.

Já está quase tudo pronto. Alcilene fez a maniçoba, eu estou fazendo o pato no tucupi. O cheiro do tucupi com chicória toma conta da minha casa e me dá água na boca, neste momento em que milhares de pessoas assistem a missa  campal em louvor a Virgem de Nazaré, padroeira da Amazônia, na Praça Nossa Senhora de Fátima. Alcilene e Dias estão lá.

Eu estou por aqui, colocando os últimos temperos no pato. Daqui a pouco, vou ver a procissão passar e pedir à Padroeira que abençoe o povo que habita esta latitude, que dê saúde e paz a todos que vivem no Amapá. Farei algumas fotos para postar mais tarde.

Eu não acompanho a procissão, mas gosto de ver. Me emociono quando a Santa passa, com o manto todo rebordado, numa berlinda enfeitada  com  as flores mais belas. Me emociono com a multidão cantando e rezando com fervor. Me emociono com os pagadores de promessa, uns descalços, outros agarrados na corda, outros levando miniaturas de casas e de barcos na cabeça e mais outros carregando bonecos de cera. Me emociono com as crianças vestidas de anjo. E essas crianças, tão puras e tão ternas, são anjos mesmo.

Gosto de ver o carinho com que milhares de pessoas distribuem água nas esquinas para os romeiros. O altar montado na frente das casas por onde a procissão passa, a queima de fogos, gente distribuindo ventarolas ou fitinhas. Acho tudo isso lindo.

Gosto de ver também que neste dia, apesar de não ser ano eleitoral, os políticos se misturam ao povo. Uns porque são religiosos, outros pagando promessa ou agradecendo as graças recebidas. Mas há também aqueles que querem apenas medir sua popularidade ou já conquistar uns votinhos pra próxima eleição. Nem tudo é perfeito, né?

Sinto a presença de Deus no meio da multidão. Nesta hora fica muito claro para mim o que minha religião (Messiânica) ensina: todos nós temos uma partícula divina. E sendo assim deveríamos todos nos comportar como irmãos e cultivar o altruísmo.

Depois que a procissão passar, volto correndo para casa. É preciso arrumar tudo, muito bonito e com muito carinho, para receber os familiares que acompanham a procissão. E para isso conto com o apoio do marido e do filho. Eles já colocaram a cerveja, o vinho e o refrigerante pra gelar.  Vamos arrumar a mesa no quintal, sob a frondosa mangueira. Meu quintal , cheio de verde, de flores, de chicórias e alfavacas, de passarinhos e paquinhas, fica mais bonito, mais iluminado, mais alegre quando a família se reúne. Sentiremos  falta dos manos Alcione (que está em Belém) e Zoth (em Manaus). Mas temos a presença da cunhada do meu marido e comadre da Lene e Dias, Vera Lúcia. Uma amapaense que está há 20 anos morando em Fortaleza e há sete anos não vinha ao Amapá. Chegou quarta-feira. É minha hóspede, o que faz minha casa ficar mais alegre. Católica fervorosa, Vera saiu cedinho para pegar um bom lugar para assistir a missa. E saiu sem sapatos. Isso mesmo! Ela acompanha o Círio descalça. Promessa que fez.

Bom, chega de papo que o tucupi tá fervendo, ainda tenho que fazer um panelão de arroz branco escorrido, tomar um banho rapidinho, pegar a câmera e correr para a esquina para ver e fotografar a procissão.

À tardinha ou à noite venho postar as fotos.

Bom Círio para todos.

Que a Virgem de Nazaré  abençoe e conceda muitas graças a todos vocês que visitam este blog.

  • Que beleza, que forma linda e saudável de passar essa data tão importante pra cultura religiosa de Macapá!Continue assim ajudando essa terra a descobrir as maravilhas que existe ai!Uma boa tarde!

  • Parabéns Alcinéia pela forma e conteúdo do texto. Foi sua alma falando o que representa o círio para você. Eu tenho uma forte ligação espiritual com a virgem de Nazaré pois qd minha mãe me paria, a procissão do círio de Nazaré passava e mamãe pediu à ela que lhe desse um bom parto.Eis porque meu nome é Maribel Nazaré. Sinto-me abençoada por isso e a emoção é muito forte qd aproximo da virgem e tudo que diz respeito à ela. Um bj

  • Parabéns Alcinea pelo texto, eu como PARAMAPAENSE que sou me identifiquei bem, por vivenciar tudo isso,iniciamos os preparativos para o almoço no sábado a noite na casa da minha sogra MARIA PAMPOSA, que no momento acompanhava a transladação, pela manhã dei continuidade aos preparativos até ás 07:35 e após corri para acompanhar o Cirio de N. Sra. de Nazaré em Macapá, que a cada ano que passa fica mais emocionante ver a fé depositada por todos ali presentes e aos que assintem em casa e depois fomos a Chacará da minha cunhada almoçar em família as comidas tipicas pós Círio como: maniçoba, pato no Tucupí, Vatapá, enfim observando a natureza de pertinho!.
    Que N. Sra. de Nazaré proteja a todas as famílias brasileiras!!!!
    E ainda não parou, no próximo domingo 18 vem a TRADICIONAL CORRIDA DO CÍRIO DE MACAPÁ 2009.

  • Que texto lindo e que bem retrata o que é o Círio em Macapá. Abençoada seja sua casa, sua família. Viva Nossa Senhora de Nazaré, especialmente essa louvação em Macapá.

  • Acabei de retornar do círio eu Joel e Iandara, estávamos como milhares de amapaense nessa caminhada fé. Legal é chegar em casa depois de um maravilhoso almoço em família, e ler no
    teu blog esse belíssimo relato desta festa que é a cara do povo da amazônia.

    FELIZ CÍRIO!

    Da nossa família Santos p/ Cavalcante.

  • Cara Alcinea, realmente o clima do Círio é uma das maiores manifestações de fraternidade. Estou em Belém acompanhando o Círio bem de pertinho, e logo mais estaremos reunidos para um dos moentos raros da vida moderna, o almoço em familia. Também vamos saborear muita maniçoba e muito pato no tucupi. Feliz Círio pra vc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *