Governo corta o ponto e suspende regência de classe dos professores grevistas

Com base na decisão do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), que considerou ilegal a greve do Sindicato dos Servidores da Educação Pública no Amapá (Sinsepeap), o ponto dos professores que estão fora da sala de aula começou a ser cortado e, agora, o secretário de Estado da Educação, Adalberto Carvalho, decidiu suspender as gratificações de regência de classe e a do ensino modular dos professores que aderiram ao movimento de paralisação.

De acordo com o secretário, a natureza da primeira é que ela deve ser paga apenas para professores que estão em sala de aula ou em atividades pedagógicas que justifiquem essa modalidade de gratificação. A segunda, fundamentou ele, é uma gratificação para profissionais que atuam no Ensino Modular e que desenvolvem atividades profissionais nas comunidades rurais do Estado do Amapá.

“Como os professores decidiram continuar infringindo a decisão do Tribunal de Justiça, permanecendo fora das salas de aula e também se ausentando das aulas do Ensino Modular nas comunidades rurais, o governo do Estado decidiu fazer essa suspensão”, explicou Adalberto Carvalho.

A medida trará impacto no já no próximo pagamento dos professores, incidindo, inclusive, proporcionalmente sobre as verbas referentes aos 50% do décimo-terceiro salário. “Quero deixar claro que a medida só atinge os professores que continuam desrespeitando a decisão do Tribunal de Justiça. Os queestão trabalhando terão seus direitos respeitados”, assegurou.

(Texto: Secretaria de Comunicação do Governo do Amapá)

  • Vcs perderam a batalha professores. Enrolem suas bandeiras e voltem a trabalhar, caso contrário os seus bolsos que irão sentir no final do mês. Não se deixem levar por alguns radicais, pois estes vivem e sempre viverão em greve. Conheço várias figurinhas que estão a frente desse movimento, são grevistas profissionais, onde existe uma manifestação lá estão eles querendo tirar algum tipo de vantagem.

    • Dê conta do mínimo governante!
      Nas aldeias africanas ou indígenas, quando nasce uma criança, a mãe apresenta a mesma a toda a aldeia. isto para que todos cooperem na sua formação e cuidados para com a mesma.Nas sociedades capitalista a alta burguesia contrata babás, tutores altamente preparados inclusive em universidades (Filme Diário de Uma Babá) para cuidar dos seus filhos.Já quando nasce o filho do proletariado ou do trabalhador, a ”família” entrega o mesmo a escola, tanto para ser alimentado, quanto cuidado e educado. Isto demonstra claramente a IMPORTÂNCIA DA ESCOLA sobretudo neste início de século XXI.
      Nas escolas se falta diretor, mas tem professor, na mesma tem aula, tem atendimento. Se falta reforma, limpeza, material didático, mas tem professor, na mesma tem aula, tem atendimento.
      Se falta merenda, dinheiro pra comprar, mas se tem professor tem aula, tem atendimento.
      Mas se faltar professor não tem aula, não tem atendimento e toda a sociedade, o estado, o país sofrerá por esta falta.
      TUDO ISTO DEMONSTRA A IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR. Pena que os governantes e aqueles que lhe bajulam para ganhar seus centavos, não reconhecem.
      Governantes se não dão conta de fazer o que é preciso, faça o mínimo necessário. PAGUEM BEM OS PROFESSORES.

  • Cara Neide, penso que é necessário entender que a situação de greve, em qualquer categoria de trabalhadores públicos, ocorre quando o Governo deixa de cumprir a sua obrigação de pacificador social. Desse modo, antes de qualquer opinião pejorativa, devemos observar que a greve é:
    • Um direito, não somente do trabalhador do setor privado, mas também dos funcionários públicos;
    • Fundamentalmente, uma reivindicação à satisfação de um direito ou a defesa de um interesse relacionado à categoria profissional dos trabalhadores parados. No caso da greve dos professores brasileiros – inclusive dos docentes do Amapá – o direito reivindicado é o pagamento do salário mínimo (hoje, aproximadamente, R$ 1.451,00 aos profissionais com ensino médio que lecionam para o ensino fundamental);
    Agora, acontece que o direito de greve para os trabalhadores do serviço público ainda não está regulamentada. Ou seja, apesar do direito de greve está previsto no artigo 37, inciso VII da CF, não existe lei que defina os termos e limites do exercício da greve dos funcionários públicos.
    Diante disso, ainda que inexista a lei de regulamentação, a jurisprudência decorrente das demandas judiciais caminha no sentido de submeter o setor público à Lei nº 7.731/1989 (lei de greve do setor privado). É por isso, que, a priori, está ocorrendo o desconto dos dias parados.
    Contudo, sabe-se que as atividades do serviço público têm suas particularidades, principalmente o serviço de educação. Por exemplo, com o não pagamento da gratificação de regência de classe; os professores podem deixar de ministrar as aulas, relativas ao (s) mês (es) descontados, mesmo voltando ao trabalho.
    Portanto, a decisão final sobre o caso dos educadores poderá surpreender muito. Assim, para aqueles que são contra a greve dos professores, é cedo para comemorar! Pois, como qualquer outro trabalhador e cidadão; o professor e a professora buscam a sua subsistência, tendo também interesses pessoais, não devendo ser confundido com o próprio Estado. Cabe ao Governo resolver de forma coerente e justa este conflito.

    • Lamentável é vc. comemorar com isso. Um país que briga contra seus professores não é um país sério, não há compromisso com educação.

  • AlBERT LIAN a questão não é de ser politizado a critica que fiz é construtiva, mas vou fazer uma sugetão a toda base dos professores.Se o piso é Nacional e Estado não despoem de recurso financeiros para o devido pagamento porque não chamar para uma mesa de discurssão os três senadores e a bancada federal do amapá para implementar emendas de bancada aumentando o orçamento para educação e assim contemplado o piso.

  • O Ano é eleitoral peço aos professores que pense e repense que existe muita gente desempregada,por não terem uma estabilidade financeira como que os senhores e senhoras têm, por isso não prejudiquem ainda mais cerca de mais de 141.000 mil estudantes que têm como espelho o seu professor para alcançar sucesso na historia da vida.E digo a voces não é o governo que esta com a imagem desgastada e sim o conjunto do magisterio, eu formei em magistério mas não exerço a função, mas quem está de fora enchegar melhor a situação,porque não concordar com os 16.56% para avançar mais afrente.

    • Olá Petrovisck, se você tivesse seguido a carreira do Magistério, com certeza seu discurso seria diferente deste, pois além dos políticos que não estão comprometido com educação, por isso não cumprem a LEI DO PISO (se é lei, tem que cumprir), também quem não é professor acha que o mesmo não deve ser valorizado. E, por isso, acaba culpando os professores pela greve. O que o governo e você tem que entender é que a escravidão terminou a mais de 124 anos. É lamentável que, com os conhecimentos adquiridos pelo curso que você fez do Magistério, deveria ter uma opinião mais politizada.

  • Concordo com vc Ivan. Uma grande parcela dos professores são oriundos do Estado do Pará onde o salário do educador é uma miséria. A qui ganham até tres vezes mais e ainda querem avacalhar com a educação do Estado. Não estão contentes com o que ganham voltem para Belém e façam concurso para professores do governo paraense, assim verã o que é bom pra tosse.

    • Mascos, você e o Ivan demonstram total falta de conhecimento. Primeiramente, vivemos num país livre (corrupto, mas livre) e, por isso temos o direito de ir e vir. Então, assim como os paraenses tem o direito de vir aqui, você também tem o direito de ir ao Pará (e, com certeza será muito bem recebido). Se você entendesse o que é a LEI DO PISO SALARIAL NACIONAL não diria que o professor ganha bem; nem aqui, nem em qualquer lugar do Brasil; já que os governantes, a exemplo do Camilo não tem compromisso com a educação. Olha que estamos lutando pelo piso… imagina quando formos lutar pelo teto. Se hoje, alguém da sua família, ou até mesmo você ganha um salário mínimo ou acima dele, é porque várias pessoas morreram lutando para que essa conquista fosse efetivada. E, esses lutadores não foram amapaenses e sim da Região Sudeste. Mesmo assim, o povo do sudeste não fica reivindicando somente o ganho para eles e sim para todos, inclusive você.

  • eu sou professor e tenho um filho na escola pública sendo prejudicado por esses invasores do Pará que tentam sacanear com a educação dos amapaenses, o a Aroldo o Jorge e outros membros desse sindicato que nem se quer tem um médico pra prestar assistencis a um sindicalizado

    • Prezado Ivan, é lamentável o seu comentário. Venha às nossas reuniões do SOME, participe mais das decisões que envolvem a nossa categoria, não ofenda nossos colegas de lutas, de tantos anos de trabalho e convivência. Precisamos de você para opinar e contribuir nos nossos encontros do SOME e não nos ofender pelas redes sociais. Verônica Miranda, sua colega de trabalho.

    • Ivan, com esse discurso você não deveria “encher” a boca para dizer que é professor, pois além e ter escrito bobagens, a palavra “sequer” é grafado junto e não separado, como você escreveu. Sobre o tal prejuízo que você alega seu filho estar sofrendo, tem duas soluções: A primeira, é você vir conosco construir uma educação de qualidade para o Amapá, pois se você critica a atual, é porque deve ter uma solução melhor. Venha participar conosco das discussões que travamos no Sindicato (que tal você vir já com uma proposta para um plano de saúde aos servidores). A segunda solução, coloque seu filho numa escola particular já que você diz que os paraenses estão sacaneando a educação pública. Sobre essa segunda solução, você pode alegar que não tem condição financeira, senão já teria feito isso. Concluindo, se você não tem essa condição é porque você há de concordar que ganhamos muito mal. E, como isso, inconscientemente concorda com nossas reivindicações.

    • Caro companheiro Ivan Ressureição, me permita chamá-lo assim. Esse seu comentário fascista não reflete a posição de um professor de História que deveria conhecer a luta dos trabalhadores e, principalmente, a formação do seu Estado (Pará e Amapá foram um só por muito tempo, portanto, temos, todos a mesma origem). Quero lhe dizer que estou lutando pelos meus direitos e pelos seus, já que vc não tem coragem de vir à luta. Lhe digo tb que não tenho um filho na escola pública, mas sim três filhos frequentando as escolas CCA e Zolito e não sinto que eles estejam sendo prejudicados, mas sim que estão tendo a maior aula de cidadania que um professor pode dar. Cidadania essa que vc deve tanto pregar em suas aulas, mas que, na prática, não consegue exemplificar.

  • Boa noite Alcinea,
    Gostaria que me informasse qual o motivo de dois comentários que eu fiz neste texto não terem sido publicados, um era em resposta ao Marcos e outro um comentário um tanto longo, discutindo a desvalorização do professor.
    PS: podes me responder por email. não precisa ser publicado.

    Elma Brito.

  • As pessoas estão se baseando em uma decisão judicial sobre fatos totalmente diferentes dos ocorridos no Amapá. A greve foi declarada ilegal, portanto o GEA tem amparo legal para cortar o ponto e promover o desconto dos dias não trabalhados.O assessor jurídico do SINSEPEAP deveria orientar melhor a classe dos professores para não criarem pespectivas que não possuem fundamento legal.

  • Já passou da hora de ajuizar ação para que o GEA cumpra o piso. A greve, que não sei se foi manipulada ou não, já perdeu apoio popular e desgastou demais as possibiildades de negociação. A categoria já deveria ter mudado de tática, terminado a greve e guardado munição para o próximo período eleitoral, que será mais crítico para a atual gestão. Com a intransigência só dão munição para o gestor.

  • Professor no Amapá significa classe mercenária .” no Amapá Tá faltando educação e sobrando dinheiro , no Nordeste , tá faltando dinheiro e sobrando educação . Não tem algo de errado ?

    • Você não passa de um chorão do PSB. Está acostumado a ser o que os outros querem. E sequer opina por si mesmo. Sua leitura infundada me leva a pensar sobre sua visão das coisas: leia um livro, por favor! E liberte-se da ignorância.

  • A situação da greve da Bahia é completamente diferente do movimento grevista do Amapá. Aqui houve uma decisão que declarou a ilegalidade da greve o que permite ao governo cortar o ponto dos professores que não prestarem o serviço. A partir do momento que é declarada a ilegalidade o Estado pode impor desconto dos profissionais que não comparecerem ao trabalho. O caso julgado no STF não se aplica a greve do Amapá.

  • eu nao sei quem esta certo ou errado so sei que como outros alunos ,que cursao o 3 ano e vao fazer o vestibular ,estao sendo prejudicados por essa greve eu gostaria de ver os professores abri mao das suas ferias de julho para repor as aulas eu ja vi varios preparando suas viagens e eu irei ficar sem a minha para presta vestibular em janeiro fora do estado

    • Luiza, se você lesse mais as legislações em vigor, saberia que férias é somente uma vez por ano. E, a da educação é em julho. Aquilo que muito chamam de férias em janeiro, trata-se do período que “sobra” entre um ano letivo e outro. Outra coisa, se o governo que você defende garantisse o curso que você fará em outro estado, não haveria a necessidade dos estudantes saírem em busca de cursos que esse Estado mal governado não dispõe.

  • Muito bem, Adalberto toma a decisão de cortar regencia de classe dos professores que aderiram a greve. Regencia de Classe deve ser paga a quem está em sala de aula. Muito bem Sr. Adalberto, ande pelos corredores da secretaria que vc é gestor e verá muitos aspones, asseclas que não estão em sala de aula, estão ai lhe bajulando e puxando saco que recebem Regencia de Classe. A Regencia serve pra isso tbm? primeiro limpe sua casa pra depois olhar a sujeira da casa dos outros.

  • Por favor repasse a decisão do CNJ Os Tribunais brasileiros podem descontar, nos salários dos seus servidores, os dias parados por motivo de greve, caso não haja compensação dos dias não trabalhados. A posição foi firmada nesta terça-feira (10/4), pelo plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a partir da aprovação de enunciado administrativo proposto pelo conselheiro Gilberto Valente Martins, com adaptações propostas pelos outros conselheiros. A votação ocorreu durante a 145ª. sessão ordinária do CNJ, ou seja, caso o estado corte o ponto o professor não será obrigado a lecionar os dias parados, então não haverá conclusão do ano letivo, e agora Governador como ficarão os alunos?

      • Ora, meu caro, O STF derruba uma liminar do Governador da Bahia IMPETRADA CONTRA OS PROFESSORES GREVISTAS, ELES RECEBERÃO SEUS SALÁRIOS MESMO COM OS PONTOS CORTADOS. QUER QUE EU EXPLICO NOVAMENTE OU VC. TEM DIFICULDADES PARA ENTENDER. SE A DECISÃO FOI TOMADA PELO STF, O CAMINHO ESTÁ ABERTO. ENTENDEU? DAN!

  • Nesse caso a greve não foi considerada ILEGAL, no caso dos professores do Amapá é diferente e o governo pode sim cortar as gratificações pertinentes.
    Caso qualquer funcionário não apareça no trabalho por 30 dias sem justificativa LEGAL o estado solicita que ele se manifeste se ainda há interesse de continuar no cargo.

  • Professores da ala radical do movimento, desafio vocês a armarem barraca na frente do Tribunal de Justiça, pra falar mal e fazer paródia com a cara dos desembargadores assim como fizeram com o governador, afinal foram eles que disseram que vocês estão na ilegalidade, que tal, hein?

    • Nada é para sempre senhora. Nem mesmo sua possivel assessoria. “Puxa saco”. Não se preocupe pq a resposta virá com toda força nas urnas logo esse ano…. nao precisamos aceitar desafios. E se formos analisar cada coisa que acontece em todo país, o que sera mais ilegal que o comportamento dos professores esse momento??? Ha salario de professores q não chega a ser uma diaria de um deputado. Isso recentemente pq antes 2.600??? Assim, so mt vocação p continuar na profissao senao td mundo vai querer ser deputado ou mesmo qualquer um dentro dessa politca corrupta apoiada p pessoas como vc. Que pena!!

  • QUEM GANHA E QUEM PERDE COM A GREVE DOS PROFESSORES DO GEA.

    Eu pensei que os militantes do PSB tivesse feito o “dever de casa”, tipo uma reflexão dos pontos positivos e negativos dos 8 anos da gestão de João Cabiberibe, mas infelizmente me enganei.
    Socialmente, quem perde com essa longa greve dos professores, são os alunos da rede estadual de ensino. Politicamente, quem perde são os militantes do PSB, pois num ano de eleição, eles deveriam avaliar com precisão as consequências de uma greve de tamanha proporção com essa.
    Os pesebistas dizem que politicamente o Aroldo(SINSEPEAP) vai morrer abraçado com o Camilo Capiberibe. Penso contrário, pois politicamente quem vai morrer abraçado com sua candidata a PMM(deputada Cristina Almeida) é o Camilo Capiberibe, por causa da sua intransigência política.
    Dificilmente o Camilo vai conseguir reverter em três meses(julho, agosto e setembro), uma rejeição de quase 80% em Macapá .
    Infelizmente vai sobrar para a deputada Cristina Almeida, que vai ser derrotada no pleito deste ano, pelas medidas inconsequentes que estão sendo tomadas na gestão de seu partido. Este ano vai ser somente um aperitivo para as eleições de 2014. Após este pleito, talvez o governo reavalie os seus conceitos e práticas depois das eleições deste ano, se não quiser sofrer mais uma derrota daqui há dois anos. É esperar pra ver.

    • Já está na hora de acabar com esta greve que todo mundo sabe quem está por tras dessa bagunça. Lugar de professor é na sala de aula.

      • Lugar de professor é na sala de aula. Uma sala arejada, com apoio do material pedagogico e corpo tecnico, gestor independente de partido politico e bem remunerados pq são os professors que formam todos os outros profissionais. Ta longe de alguem dizer q está formado sem ter passado pela vida de um professor.

  • Quanto o politico é eleito tem a obrigação de defender os interesses da coletividade. Estamos num momento terrível, de total desgoverno. Um governo sem nenhum talento para a gestão dos anseios sociais.A sociedade está sofrendo. Cade os nossos deputados e senadores? tá na hora de trabalhar.

  • DONA MARIA, PROCURE SE INFORMAR DIREITO SOBRE OS ASSUNTOS QUE A SRª. COMENTA PARA NÃO FALAR BESTEIRA NA REDE SOCIAL. SOU POLICIAL CIVIL E NUNCA GANHAMOS PLANTÕES. O QUE O POLICIAL GANHA APENAS O ADICIONAL NOTURNO DE 7.5% DE SEU VENCIMENTO. ESSE ADICIONAL SÓ É PAGO PARA QUEM CUMPRE ESCALA COMO PLANTONISTA. a LUTA DA CATEGORIA PARA TER DIREITO AOS PLANTÕES É ANTIGA E ESPERAMOS QUE NESSE GOVERNO POSSAMOS CONSEGUIR ESSE DIREITO.

    • senhor renan apenas me confundi sei q e adicional noturno e tbem n disse q sao tdos os policiais, disse q um chefe q esta sendo chefe sem portaria ganha plantao sem da o plantao so isso, n ofendi e nem falei besteira se informe q sabera quem é o chefe que assina folha de ponto diario e assina do adicional para ganhar sem esse concorrer a escala.

  • Movimento longo é suscetivel ao desgate tanto dentro como para quem esta fora. O movimento dos professores já não têm mais o apoio da população.

  • Temos um problema, a ira dentro de cada um está deixando todos cegos, ou seja, quem opina a favor do governo é puxa saco e analfabeto, quem opina pelo sindicato é insensível com os alunos, quando a justiça deu ok para a greve, lá atrás, muitos usaram a mesma justiça para alegar a legalidade da greve. Fiz alguns comentários parabenizando a decisão da Justiça, logo quiseram arrancar o meu fígado, dizendo q só falo merda e chamando-me de desinformado e analfabeto. E olha q nunca tive cargo no governo Barcellos, nem no do Capi, nem do Valdez e nem agora, no do Filho do pai, e nunca fui filiado a nenhum partido em minha vida. Tirem a ira do coração!

  • Para esclarecer, o professor entra em greve, recebe as gratificações e depois tem que cumprir 200 dias letivos, caso o ponto seja cortado então o professor não ficará obrigado a cumprir a carga horária, e agora GEA corta o ponto e o ano letivo não termina, dizem que se pagarem o piso não haverá dinheiro para investir na escola, então porque sem pagar o piso falta giz, pincel, papel, merenda, material de limpeza, quem promove os eventos nas escolas são os professores que retiram do bolso para cobrir as despesas, fui aluno do C.A. hoje engenheiro, graças a esses professores que hoje brigam por seus direitos, piso é lei, cumpra-se.

  • Se o governo for fiscalizar os plantões em todas as areas da administração publica, vai ser uma festa de irregularidades, no minimo uns 30% dos plantões nao sao cumpridos pelos profissionais que depois recebem o dimdim no final do mes. isto sem colocar ai os funcionarios que so assinam ponto e nao trabalham nada. colocando tambem no centro da discussão os funcionarios sem educação e sem o minimo preparo para atender o publico. estes casos são as exceções. enquanto isso em Liliput…

  • certo o governo n é justo pagar regencia para quemn trabalha, qto aos medicos a farra era boa pois ganhavam sem ir aos hospitais tinha medico q estava viajando e ganhando ai n da ne, so falta agora fiscalizar os plant~es da policia civil pois, tem a esma coisa inclusive um q se diz chefe sem portaria e para suprir o cargo de chefia ele assina plantão mais nao da plantao pergunto se e certo isso, ganhar poque esta como chefe sen portaria e assina o pnto diario e mais ponto de plantao mas n da o plantao, precia ve isso…

  • Sei contar muito bem senhora Iara Silva. Na minha época de estudante os professores eram mais competentes e compromissados com a profissão. Ainda bem que não estudei na época atual, onde muitos professores não possuem a minima condição de estar em uma sala de aula. Será que a Srª é um desses “educadores”?

  • Se o GEA tivesse a mesma eficiência e competência para cumprir a Lei do Piso, que tem demonstrado para fazer a LEI DA PISA, a situação do Educação Amapaense seria bem melhor.

  • Tem que cortar ponto de servidor que estão em cargos e não vão trabalhar.A maior classe se eu nao estiver enganado é dos professores, isso é desrespeito, nas próximas eleições esses mesmos professores que estão sendo desprezados pelo governo vao responder nas urnas.Fora Camilo e família Capiberibe.

  • Parabéns governador pela decisão.O Estado não pode ficar refén de meia dúzia de radicais que comandam esse Sindicato de Professores.Essa atitude demonstra pulso forte em defesa dos alunos mais humildes que estão há quase dois meses sem aula.

    • Guilherme, eu estive na assembleia e acredite a decisão pela continuação da greve é da categoria e não de meia dúzia. Antes mesmo da assembleia começar, a categoria já manifestava a intenção de continuar a greve mesmo na ilegalidade. A luta é por um salário melhor. Piso tem que ser cumprido.

    • vc. deveria ter ido a assembléia q tenho certeza q vc iria ver q ñ foi meia dúzia q decidiu continuar em greve,e sim a grande maioria da massa presente, a ñ ser q vc ñ só saiba contar de 1a6.

  • Acho que é preciso bom senso de ambas as partes. Numa sociedade dita civilizada não há vencido nem vencedor. O que está em jogo agora são os evidentes direitos assegurados pela lei. É dura, mas é a lei.

  • Tanto o SINSEPEAP quanto o SINDICATO DOS MÉDICOS deram tiro no pé. Só fizeram criar antipatia com a opinião pública.

    • Eeeeeeeeeei, tiro no pé???????? de quem mesmo??? Ainda nao temos noticia de nenhum daqueles militantes almejar a eleição este ano, se ha antipatia pela sociedade, nao são os professores a perder pq as respostas virão nas urnas. Os profesores estao em bem maior numero que os puxa saco do caosmilo. Te acorda Messias

  • Para que a população e, especialmente a imprensa, entenda de forma adequada a situação de greve dos professores teriam de se informar acerca da Lei 11.738/08 (lei do piso). Assim, daría-se o primeiro passo para a formação de uma análise adequada sobre o fato. Mas, infelizmente, o que se evidencia é a pobreza política. A discriminação produzida e mantida por interesses particulares da minoria privilegiada. Amigos, é preciso deixar de ser pobre, pois pobre não é apenas não ter o que comer, mas ser humilhado por causa da ausência de acesso às oportunidades e vantagens sociais. Os professores incomodam porque não são pobres politicamente! Eles não são passivos diante da situação existente. As leis existem e devem ser cumpridas por todos, inclusive pelo Poder Executivo.

      • Corretíssimo! Se a greve foi julgada ilegal, cumpra-se a decisão. Não existe apenas a greve para se fazer valer direitos. Retornem as salas de aula, professores e, entem com uma ação para fazer valer a lei.

    • Decisão judicial também é para se cumprir, portanto pobre ou não voltem as salas de aulas e cumpram a ordem judicial sem chororô.

    • falou Shirley vc disse tudo!professor é politizado e FORMADOR DE OPINIÃO!portanto sabe quais sao os seus direitos e deveres,sabe q tem q repor as aulas,isto é se ñ cortarem os pontos.

      • Iara, opinião é formada através de várias vertentes opostas, não existe formação de opinião de apenas um ponto de vista, ou seja, o professor. É verdade q vocês contribuem muito para a formação de cada um de nós, mas é apenas uma parcela dessa formação, senão iríamos culpá-los pelos políticos eleitos, né não!

  • A “Regência de Classe”, segundo a Lei Estadual nº 949/2005, é uma gratificação para o professor que está no exercício do magistério de fato e de direito, na sala de aula. Inclusive tem jurisprudência do TJAP neste sentido.
    Entendo que professor em greve não faz jus a esta gratificação, pois é fato, publico é notório que está fora da sala de aula, nos mesmos moldes de outras gratificações.
    Defendo a tese que o Secretário de Educação, tem o dever de rever o que foi pago e providenciar o ressarcimento aos cofres públicos.

    • Gostaria de saber do Sr Umberto De souza qual a sua opinião em relação a Lei Federal 11.738/08 (Lei do Piso Salarial Básico do Magistério) que não é cumprida pelo GEA?

      • Não entendo esse discurso de vocês sobre o piso, se é isso mesmo que querem o governo cumpra, por que não aceitaram a última proposta do governador, que dar mais 7,56 para todos e fazer um adendo na lei para os professores que não ganham o piso, passarem a ganhar o piso, já que são apenas 1080 que estão nessa situação. Não é estranho esse discurso de vocês?

    • COrtar o ponto PODE mas como esse Governo sempre faz trapalhadas vai se dar mal cortando a regência! a regência é devida ao professor que está lotado para dar aula na escola!

    • A regencia é para PROFESSOOOOOOOOOORES DE SALA DE AULAAAAAAAA!!!! Então o q faz a regencia no contra cheque de tantos que estão encostados em tantos orgãos publios p ai a fora? Pq nao cortam a regencia deles? O que tem de diferente dos q estão na greve? Isso é pq os grevistas etão em opiniões opostas? Aff! Vamos analisar o q é legal e ilegal nesse estado e vamos ter uma lista de infinitas situações. Vai dizer q é mentira??

  • A “Regência de Classe”, segundo a Lei Estadual nº 949/2005, é uma gratificação para o professor que está no exercício do magistério de fato e de direito, na sala de aula. Inclusive tem jurisprudência do TJAP neste sentido. Entendo que professor em greve não faz tem o direito de receber esta ‘gratificação’, pois de fato está fora da sala de aula, nos moldes de outras gratificações da regidas pela CLT.
    Nesta tese o Secretário deveria rever o que foi pago e providenciar o ressarcimento aos cofres públicos.

    • Vejo que o sr.umberto nao entende absolutamente nada sobre regencia de classe, pois se tivermos de ressarcir o erario, devido a greve, simplesmente nao precisaremos repor nenhuma aula,e os alunos perderão o ano letivo de 2012.

      • Retira-se e quando as aulas forem repostas paga-se, afinal os médicos não podem receber o plantão antes de tira-lo. Como os professores podem receber a regencia antets de dar as aulas, isso caso de impropridade administrativa. Agora imagina como será estas reposições, se as aulas já não são esta coca cola toda.

        • Não generalize. Tem muito profissional bom…e que dá sua aula de maneira correta. Eu cumpri TODOS os dias do ano letivo passado…e não foi com enrolação. Foi aula mesmo, de fato!

    • Umberto acedito que você deva estudar mais um pouco e saber que jurisprudência de tribunal não é superior a Carta Magna/Constituição FederaL que diz que a greve é direito! E outro cadê que o Camilo cumpriu o acordo do ano passado?! então a greve é legal!! e mais: FORA CAMILO!!

  • Bom, decisão judicial se cumpre e recorre, agora continuar a greve assim mesmo e preciso muita coragem, quero saber ate que ponto os professores vao ter suporte financeiro para tal, sabe quem vai se ferrar no fim das contas ? os alunos e os professores, não consigo entender a teimosia em não aceitar os 16%, igual aos medicos em fazer beicinho por causa de 10 dias a mais para receber os plantões. ano passado fizeram greve e receberam aumento no valor dos plantões, ai quando o governo quer fiscalizar eles inventam isso. tem algo cheirando mal no reino da dinamarca.

    • Concordo com vc, Jonh “decisão judicial se cumpre e recorre, agora continuar a greve assim mesmo e preciso muita coragem”. Então tenho uma duvida es se alguém souber responder me diga se eu q sou prof, posso entrar na justiça contra o sindicato requerendo meu dinh q será dado a justiç, por teimosia da categoria e incompetência do Presidente.

      • Sr Claro, parece que sua vida vive numa escuridão total, todas as decisões da greve dos professores até o dia de hoje tem sido votado em assembleia, se o Sr não consegue ter o mínimo de esclarecimento sobre o valor que tem a decisão da maioria de uma assembleia dentro do sindicato, então, como professores e cidadão amapaense, fico realmente preocupada, pois se existirem outros professores como o Sr com esta mesma dúvida a educação e formação de consciência e de cidadania de muitos alunos está comprometida…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *