Governo libera empréstimo com desconto em folha

O governo do Estado reabre, esta semana, o mercado de empréstimos em consignações, suspenso desde o início do ano, quando foi identificado que cerca de R$ 74 milhões de empréstimos feitos por servidores no ano passado não chegaram às instituições credoras.

Uma das primeiras medidas do governo foi realizar um recadastramento das empresas que operavam esse tipo de crédito. “O recadastramento foi feito para garantir que todas as consignatárias operem de acordo com a legislação vigente. Uma das exigências, por exemplo, é que as empresas precisam ter agência em Macapá, assim como alvará de funcionamento e registro na Junta Comercial. Isso dá maior transparência e segurança para os servidores durante as operações de crédito”, explica o gerente de Consignações do Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap), George Arnoud.

O recadastramento continua até o dia 4 de maio. Já estão aptas a operar os bancos BMG, Matone, Bom Sucesso, Cruzeiro do Sul, Banco Industrial do Brasil, Banco do Brasil e CAIXA.

Além do recadastramento, o governo retomou o repasse dos recolhimentos para as empresas credoras. Nos três primeiros meses deste ano, os descontos de empréstimos tomados pelos servidores totalizaram R$ 20.816.605,00 e já foram repassados integralmente. “A regularização do repasse gera diversas consequências positivas. A primeira é permitir que os servidores que pagam em dias os seus empréstimos não sejam prejudicados. Além disso, se está garantindo a segurança jurídica dos contratos feitos com as operadoras de crédito”, avalia o governador Camilo Capiberibe.

Duplicidade
Outra medida tomada pelo governo diz respeito à possível duplicidade no pagamento dos empréstimos dos servidores. Como muitos funcionários recolheram os valores diretamente no contracheque e voltaram a quitar o débito com as instituições de crédito para sair dos cadastros de inadimplentes, o governo vai convidar os que passaram por isso, a apresentar os comprovantes de pagamento.

“Vamos catalogar as situações, repor os valores no caso das duplicidades e descontar das negociações com as consignatárias”, ressalta George Arnoud. O levantamento será feito a partir do dia 27 deste mês, em um posto de atendimento montando no prédio anexo da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Tesouro (Seplan), na avenida Procópio Rola.

Renegociação
O passivo deixado pela gestão passada está sendo renegociado com cada uma das instituições de crédito de acordo com a realidade financeira do Estado. Contudo, essas negociações levam em conta a capacidade de pagamento e o orçamento deficitário do governo. Antes de chegar ao montante de R$ 74 milhões, Del Castilo Silva explica que foi feito um levantamento, já que os valores apresentados pelas empresas, em algumas situações, não condiziam com as planilhas da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Tesouro.

Em 2010, cerca de R$ 74 milhões não foram repassados a 30 instituições financeiras, 15 planos de saúde e 25 sindicatos e associações de classe. O destino desse valor está sendo auditado pelo governo estadual. “Em função disso, muitos funcionários foram incluídos nos cadastros de inadimplentes dos serviços de crédito. Para sair da situação, eles tiveram que pagar a dívida novamente e depois cobraram do Estado, por meio de ações judiciais”, explica Del Castilo Silva.
(Texto: Assessoria de Comunicação da Secretaria de Planejamento)

  • Essa situação das Consignações é crítica mesmo, estou finalizando uma que fiz pelo Banco do Brasil e para minha surpresa no mês de março descontaram em folha normalmente e veio também descontado em minha conta corrente, fui ao Banco, eles disseram que no mesmo dia iriam devolver, esperei seis dias e nada, já ajuizei ação contra o Banco para audiência em maio!
    Para minha surpresa na última quinta feira…advinha….isso mesmo….devolveram meu dinheiro, com certeza devido terem sido notificados pela Justiça, é sempre assim mesmo!
    Vou atrás de cada centavo que pedi de danos e recomendo o mesmo a quem passar por isso!!!

    • Nós temos é que parar de fazer essas perguntas e passar a olhar o que o teatro tem por tras da cortina!
      Justiça aqui só vê e pune quem ela quer, para os demais ela adormeeeeeeece, isso é fato!!
      Querem saber onde está nosso dinheiro, das consignações, DA SAÚDE, EDUCAÇÃO, DOS 40% COBRADOS EM CIMA DE FATURAS PAGAS A FORNECEDORES QUE QUISESSEM RECEBER NO FIM DO MANDATO WG E PP E QUE AINDA TÃO COBRANDO NA GESTÃO ATUAL, SÓ QUE DIMINUIU PARA 5% E QUE O ATUAL GOVERNADOR NÃO DEVE SABER, PORÉM INVESTIGUEM….
      CADÊ NOSSA JUSTIÇA!!???
      TÁ NA HORA DE ACABAR COM ESSA CORJA QUE TEM NA POLÍTICA DESSE ESTADO A FIM DE DAR CONDIÇÕES PARA ELE SAIR DA INSIGNIFICÂNCIA QUE ELE SE ENCONTRA, POTENCIAL TEMOS, FALTA GESTÃO…COMPROMISSO….

  • OK. Mais para onde foi o dinheiro descontado em nossos contacheques? Pagaremos duas vezes esse passivo, pois para repassar aos bancos os recursos sairão de algum lugar. O judiciário ainda vem pressionar o executivo pedindo mais dinheiro. Frutos colhidos da “Harmonia dos poderes”

  • cuidado com esta estoria de que o juro é de 1,9 ou 1,7 por cento, fui fazer uma renegociação de dois emprestimos, perguntei a taxa de juros, me foi respondido que estava em 1,9%, solicitei o valor da parcela e assim que informado abri meu netbook e acessei o site do banco central do brasil, e atraves da calculadora do cidadão descobri que na realidade estavam cobrando 2,3 %, questionada a atendente me informou que apenas é orientada a informar que o juro é de 1,9 e aplicar a formula que o proprio banco envia….por isso cuidado pessoal, em duvida acione um site de busca e digite calculadora do cidadão……

  • Goataria de saber quem é o responsavél pelas negociações dos consig em atrazo? já fui varias vezes na SEPLAN falei com secretario adjunto, e até o presente momento não existe negociação. Nesse caso estão faltando com a verdade a propaganda esta ai na TV radio…mais na pratica não esta funcionando.

  • Este esta passando de esperança para outra coisa. Eles não percebem que se meter nisso é confusão? Só com comprovante de quitãção como é que vão saber o que o banco cobrou ou deixou de cobrar do cliente? Cada banco possui uma politica propria, uns cobraram dos servidores o que o governo não pagou, outros não. Cabe ao banco fazer as devidas devoluções, assim que receber o dinehrio devido que o estado lhe deve. Isso é convenio do Estado x Banco. Meter a mão no dinheiro que não é deles e sim do Banco é problema Judicial na certa. Aí daki a pouco eles estão se lamentando que a conta do Governo foi bloqueada e novos valores sequestrados dos cofres públicos. Um erro de reembolso ao cliente, feita pelo governo, será prejuiço para ele mesmo, pois o banco cobrará dele isso.

  • É um absurdo o item que fala sobre o reembolço dos servidores: levantamento feito p/ reembolsar servidores que quitaram suas dividas o governo não tem como ter um controle desses apenas com o comprovante da quitação. Só o banco sabe no seu sistema…isso gerará um caos e muitas ações judiciais. Caso ocorrer do Governo reter dos bancos parcelas não cobradas.Todos os bancos possuem uma politica propria e nem todos cobraram do servidor o que o governo não pagou.

  • Pessoal, acho que essa é a hora de buscar juros justos. Há lugares em que se cobra menos de 2% ao mês. Esse negócio de pagar 4% inviabiliza o empréstimo. Tá na hora do governo conversar com todas essas empresas de uma vez só e conseguir um bom desconto.

  • Se fosse no governo anterior ficaria com um pé atrás, pois era descontado da folha e não repassado para os bancos. Camilo me parece mais honesto e isso é bom pra quem está precisando de um dinheirinho extra. E pra quem tem margem ainda, só não pode liberar mais do que o permitido de 30% se não…a casa cai pro trabalhador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *