Igreja declara guerra à corrupção no Amapá

A todos os irmãos e as irmãs da Igreja Católica
e a todas as pessoas de boa vontade

Irmãos e irmãs caríssimos,
no dia seguinte à celebração da festa de São José, padroeiro da nossa diocese e do nosso estado, nos reunimos, com nosso Bispo, no Conselho Diocesano de Pastoral.
É nossa obrigação pastoral compartilhar com vocês os clamores e as angústias das muitas pessoas que procuram nossas comunidades e nossas pastorais para dizer a dor, o descaso e a humilhação que sofrem.
É o clamor das famílias dos 26 bebês que morreram na maternidade pública entre os dias 26 de dezembro e 8 de fevereiro. A proximidade com o Natal nos fez lembrar outra matança de inocentes que aconteceu no tempo do nosso padroeiro, São José.
É o clamor das famílias que sofreram por causa do atraso do início do ano letivo e da precariedade de várias escolas, sem merenda e sem condições de funcionar de forma satisfatória. Isso prejudicou duplamente os alunos: pela falta de merenda e pela redução das aulas, que nunca serão repostas.
Não podemos esquecer que tudo isso aconteceu logo após um carnaval marcado por denúncias e escândalos pela má aplicação de um grande volume de dinheiro público, fruto dos nossos impostos e que agora faz falta em outros setores, bem mais importantes para a população.
Ainda mais grave, é a recente denúncia do Ministério Público a respeito de 200 milhões de reais que teriam sido desviados na área de educação e que devem ser somados aos que foram desviados na saúde, na construção do novo aeroporto e em várias outras atividades.
É inaceitável o calvário dos doentes que precisam de tratamento fora do estado ou de remédios caros e não estão sendo atendidos. Alguns acabam morrendo sem receber os mínimos cuidados. A morte anunciada, prematura, dolorosa e trágica do garoto Danilo, representa todos eles.
A situação se agrava nos municípios e comunidades do interior e entre os povos indígenas, onde os serviços de saúde, educação, transporte e segurança são precários e insuficientes e onde se multiplicam as denúncias de má aplicação de recursos, enquanto cresce o abandono.
Tudo isso nos indigna e, sobretudo, nos entristece saber que reina, no meio do nosso povo, a sensação da impunidade para os crimes de violência contra o patrimônio público: desvio de recursos, grilagem de terras, desmatamentos ilegais, poluição das nossas águas.
Ainda não foram punidos os crimes eleitorais das eleições municipais de 2008 e já estão bem adiantadas as articulações para as próximas eleições gerais. Serão os mesmos denunciados de hoje a disputarem os votos da população daqui a poucos meses?
Ë nosso dever pastoral e eclesial proclamar com firmeza: “Deus não quer isso, não!”
Estamos iniciando a Semana Santa, na qual celebraremos a vitória da vida sobre a morte de Jesus que foi condenado por estar sempre ao lado dos mais pobres a serviço da justiça do Reino de Deus.
A liturgia da Semana Santa e a meditação da Campanha da Fraternidade pedem a nossa conversão:
Em primeiro lugar, precisamos mudar nosso coração: não podemos ser omissos ou coniventes com o que vem acontecendo no Amapá, em prejuízo do bem comum da população. A vida tem sempre o primeiro lugar antes de riquezas e vantagens pessoais: não podemos servir a dois senhores!
Como Diocese, devemos usar todos os espaços e ocasiões: celebrações, encontros, reuniões, estruturas e meios de comunicação, colocando-os a serviço da justiça, renovando sempre nosso compromisso de fidelidade aos mais pobres, aos excluídos e aos esquecidos. Não podemos calar em troca de benefícios e vantagens para nossas igrejas e comunidades. Não podemos ser omissos por medo de perseguição ou de retaliação.
Nossa missão de anunciar o Evangelho exige que sejamos porta-vozes da Palavra de Deus que nos convida a viver relações de amor e de fraternidade e, ao mesmo tempo, porta-vozes do clamor do povo, de seus lamentos e angústias, denunciando tudo que provoca violência e morte, sobretudo quando isso vem do poder público, obrigado a estar a serviço do bem comum.
Esta Semana Santa que iniciou com a memória do grito do povo dirigido a Jesus: “Salva-nos, Filho de Davi”, nos levará a assumir o compromisso de fazer como Ele fez: pondo-nos a serviço de todos e dando nossa vida para a vida de todos.
Que Jesus, morto e ressuscitado nos fortaleça e nos acompanhe neste compromisso de sermos suas testemunhas até os confins da terra.

Macapá, 28 de março de 2010, Domingo de Ramos.
Conselho Diocesano de Pastoral da Diocese de Macapá

  • O Diário Oficial há bastante tempo trás o nome de um Pastor como Ouvidor Geral do Estado. Recentemente os líderes evangélicos realizaram uma cerimônia em louvor e agradecimento ao casal Waldez e Marília pelos relevantes serviços prestados ao “povo” evangélico frente ao governo do Amapá. Não sou muito ligado a Padre ou Pastor. Porém, tenho um pouco de leitura da Bíblia (não parece mais sou cristão, devoto de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro)e um dos piores pecados é o NÃO ROUBARÁS e aqui amigos acho que não tem reza ou oração que dê jeito, pelo número de escândalos e de amigos e secretários do WG que já foram a PF essa gente tá com sérios problemas com Deus. Perguntar não ofende: – líderes cristãos simpáticos ao governo de Waldez Góes – inclusive os que têm cargos em nomeação -, vocês estão servindo a Deus ou ao dinheiro?

  • Neste dia todas as homenagens aqueles que representam tudo o que pode existir de atraso e corrupção, os “PAI DA ENGANAÇÂO”, que governaram este estado por quase oito anos e tranformaram o AP na “monarquia do ADULTÉRIO” onde trair o povo é mais que ir pra cama sem ele, é também não tê-lo em seus sonhos e desejos, é nem sequer pensar no seu prazer, os da carne: seu alimento e da alma: sua educação e sua saúde. Neste dia da mentira parabéns a este governo, e porque não mudarmos a história em 2010, VAMOS A LUTA!

  • A igreja católica está de parabéns, apenas acho que esta um pouco tarde sua posição, pois os desmandos e atos ilícitos deste governo HARMÔNICO, com certeza invocado por “DEMÔNIOS” na figura de salvadores da pátria, já deviam ser denunciados a tempos por todas as instutuições que prezam pela ética e a moral, inclusive as de cunho estatal, como o MP e a propria justiça eleitoral to AP que orienta sua eficácia e aplicabilidade apenas em favor dos ” filhos do poder” dos pares SARNEYISTAS e da Elite Oligarquica deste estado. FORA “WALDEZ, SARNEY, GILVAM E AMANAJÀS”!

  • Pedófilos é que n ão faltam na harmonia corrupta.Não foi atoa que a CPI da pedofilia acabou.Os DVD e depoimentos estão lá na Policia Federal.Jorge,acho que gostas de pedofilos e de ladrões do dinheiro público.

  • Boa iniciativa que deveria ser seguida por todas outras religiões. A corrupção atinge catolicos, protestantes,umbandistas e os ateus.Achar que não lhe atinge, é mentir a si proprio. Não sou catolico, mas aprovo.

  • Bom Waldez. Agora tú arrumou pro teu. Quero ver tú mnadar o Guela de Aluguel falar mal do Bispo. Quer saber se tú é macho de mandar o Bofes Podre( tanto fedor exala, quando ele fala)falar mal da Igreja.
    Muleke, que acha que pra quantidade de bandalha que o cara ja cometeu, até que a nota é Light.

  • “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”. Esse tema da Campanha da Fraternidade reflete muito bem a leitura que a Igreja tem da atual conjuntura política-econômica-social e eleitoral no Amapá. É um grito de alerta e pedido de socorro para a degradação moral e ética em que se transformou a política no nosso Estado, bem como a atuação de alguns agente públicos, seja no âmbito estadual seja municipal.

    Uns servem mais ao dinheiro ilícito e da corrupção do que ao sofrimenro do povo no dia-a-dia. Alguns frequentam igrejas e sempre são vistos em procissões e festas religiosas. Suas riquezas advém da morte do povo trabalhador que se vê cada dia mais abandonado nos serviços de saúde, educação, saneamento, segurança, etc.

    A Igreja Católica, independente de seus problemas de ordem particular, e estritamente nos países da América Latina, sente toda a opressão e o abandono à que estão sujeitas às populações locais, distantes da efetiva cidadania e sob o jugo de ditadores civis regionais que acham que governo bom é aquele que enriquece sua família. Exemplos por aqui não faltam.

    PARABÉNS aos corajosos padres, animadores de comunidade e ao Bispo local. É um duro recado para a irresponsabilidade e o cinismo de gestores do nosso Estado e uma banana para setores da imprensa venal que “comem e se alimentam das migalhas caídas da mesa desses coronéis civis”.

  • Até na Bíblia a corrupção está presente. Ora, era costume entre os romanos soltarem um preso na época da Páscoa. A escolha era feita pelo povo e havia dois condenados, certo?
    ERRADO! Havia quatro condenados. Barrabás foi solto e 3 foram condenados a morrer na cruz.
    Será que Barrabás era apadrinhado de alguém do Supremo da época?

  • é disso que estado precisa,alguém que não se corrompa com favorecimentos,a igreja não aceitou patrocínio do estado e nem da prefeitura para a festividade de SÃO JOSÉ 2010.

  • Essa Nota da Igreja Católica é uma porrada naquele que estão roubando e os que fingem não saber do roubo.Aí todas as instituições estão envolvidas, inclusive o TRE-ap.Legal,valeu !

  • O Vaticano se esqueceu de incluir a corrupção entre os novos pecados capitais. Deveria. Não creio que isso melhorasse a performance dos nossos políticos, mas, pelo menos, garantiria uma tribuna de honra para a maioria deles no inferno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *