Índios bloqueiam a Transamazônica

Da Folha.com

O canteiro de obras da hidrelétrica de Belo Monte, localizado no município de Vitória do Xingu (oeste do Pará, a 945 km de Belém), foi invadido na manhã desta quinta-feira (27) em um protesto de indígenas, pescadores e moradores da região.

Eles também bloquearam a rodovia Transamazônica na altura do quilômetro 52, onde fica a entrada do canteiro de obras da usina.

O protesto, que começou às 5h da manhã, foi organizado durante seminário realizado nesta semana, em Altamira (também no oeste, a 900 km de Belém), que discutiu os impactos da instalação de usinas hidrelétricas na região. (Leia mais)

  • quanta tolice, sempre culpando os outros pelos nossos problemas, nos sujamos até as ruas que moramos, votamos nas piores espécies humanas, contrabandeamos nossas riquesas naturais e nos vendemos por qualquer propinasinha e depois a culpa e dos americanos.

  • A massa de manobra indígena, comandada pelos estreitos de visão, hipocritas e desinformados, atravancando o desenvolvimento do Brasil.

    Sou 100% a favor da construção de Belo Monte, mas também gostaria que as fontes renováveis deixassem de ser falácia política, e entrassem de vez em nossa matriz energética.

    Nosso imenso litoral repleto de aerogeradores e nossos telhados cobertos de painéis fotovoltaicos.

    A grande maioria dos ambientalistas nao abandonam seus veiculos automotores (petroleo), e nao dispensam uma viagem de primeira classe (querosene = petroleo)!

    • E os defensores do “progresso” tiram férias e correm direto para uma praia sem poluíção, para uma cachoeira com água cristalina ou para uma cidadezinha onde se pode comer um peixe pescado na hora. Duvido que esses privilégios possam ser obtidos na cidade de São Paulo – tão desenvolvida e tão cinza.
      Não vejo a hora de voltar para uma cidadezinha do interior, onde eu possa viver em paz e harmonia.

  • Quem são os Americanos pra falar de protecionismo Ambiental ou algo parecido? Acho que temos pesquisadores tanto no setor energético quanto no ambiental para debatermos de frente com qualquer um desse mundo sobre esse assunto. Belo Monte é um mal necessário. Poucos se preocupam em economizar energia por consciência própria, só quando vem um assunto polêmico como este. Mas de qualquer forma, é um assunto que tem seus prós e contras sou a favor de Belo Monte mas deve-se passar mais tempo se discutindo sobre as mazelas sociais do projeto.

  • Vamos deixar de ser demagogos, é muito facil ser contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte, por uma questão de ser ecologicamente correto, porem se a mesma não for construída haverá falta de energia neste pais, ai sim quero ver esse bando de sensacionalista ambiental ser a favor de alguma coisa, a construção de Belo Monte é acima de tudo uma construção que trará progresso, tomando com isso as devidas compesaçoes

    • Os capitalistas e os ecologistas nunca falarão a mesma linguagem. É matéria (progresso) duelando contra o espírito (preservação da natureza). Poucos defendem a presenrvação, mas todos recorrem à natureza para fugir do estresse próprio das grandes cidades. Ouço muito isso: vou passar as férias numa praia deserta, num nuna cidadezinha onde não tenha nem televisão, quero fugir do estresse.

    • Se todos adotassem o hábito de se colocar no lugar do outro antes da tomada de decisões arbitrárias, o mundo não seria tão desigual e muitas injustiças deixariam de ser praticadas, seja contra o próprio homem ou contra os indefesos animais.
      Imagine você, no conforto da sua casa, e um desconhecido, mais forte que você, resolvesse invadi-la, erguendo uma barreira que impediria você de transitar do quarto à cozinha, por exemplo. Além de impotente, como você se sentiria? Por que a natureza têm que arcar com as consequências das desenfreadas e egopistas necessidades dos homens? A demanda por energia alternativa demonstra o avanço populacional da espécie humana. São 7 bilhões. Não seria a hora de pensar em um severo programa de controle de natalidade, em vez de obrigar a natureza a assumir o ônus desse avanço inconsequente e irresponsável?
      No rio Yang Tsé, na China, o boto branco do rio Yang Tsé foi extinto, e morreu o último rinoceronte de java, no Vietnã. Aí alguém pode dizer: é daí? eram apenas botos e rinocerontes. Pois eu digo que a função desses animais na natureza é muito mais importante do que a do homem, cuja única meta é destruir. Tudo em nome do desenvolvimento e do progresso, comportamento egoísta que não condiz com a doutrina da criação.

    • Ser contra a contrução de Belo Monte não tem haver com demagogia, mas com conhecimento. Vou ser simplista: se aplicados os recursos necessários para a construçâo da hidrelétrica na rede de distribuição já existente ( reforma e ampliação), por exemplo, ter-se-ia maior aproveitamento da energia, a um menor custo final para utilização, com o mínimo de impacto ambiental, inclusive sendo possível trazer energia para ser utilizada pela região norte, fato este que a hidrelétrica de Belo Monte não comtemplará, pois como todos sabem, da energia produzida pelo projeto atual não destina nenhum watt para a nossa região.

  • Os atores de Belo Monte tem que ler as colocações do Dr. Marco Antônio Chagas sobre o projeto de hidrelétricas do Amapá, para ver se aprendem alguma coisa.

  • Nada haver a destruição das florestas americanas e europeias com a Amazônia !Naquele tempo não tinahm consciência do que estavam fazendo,tanto que as Florestas francesas hoje são quse todas de reflorestamento.
    O fato é que esses Megaprojetos praticamente só trouxeram desgraças para nós tomadores de açaí!

    • E o que você me fala sobre a não assinatura do tratado de Kioto? E o quanto estes países por você citado roubam da nossa biodiversidade anualmente?
      Não se espante se daqui a pouco se tornem exportadores de espécies de peixes exclusivos da Amazônia.

      • Pois é, Ruy. O Tratado de Kyoto vencerá em 2012, se não me engano. A intenção do tratado era reduzir a emissão de gases responsáveis pelo aquecimento global, mas grandes potências potências poluidoras, como os Estador Unidos, não assinaram o tratado. Para continuar poluindo, os espertinhos inventaram o crédito de carbono, que é uma espécie de compensação e remuneração para os países que poluem menos, como o Brasil, onde 70% da poluição advém das queimadas. É uma verdadeira roda-viva, ou melhor, uma roda-de-morte.

  • Isto é apenas um hiato das dificuldades que irá enfrentar o Consórcio construtor da hidrelétrica de Belo Monte até iniciar a obra propriamente dita, se iniciar. A pressão externa é muito grande e países que exterminaram indios, cavalos selvagens, búfalos e suas florestas e não assinam tratados que respeitem o meio ambiente são os maiores fomentadores dessas pressões.
    Na região dos rios Xingu e Tocantins, está
    situada a tribo da legendária india Tuira, aquela que gosta de esfregar terçado 128 rabo de galo na cara de ministro e cortar braço de diretor de concessionária de energia.

    • Hoje os Estados Unidos posam de bastiões da preservação da natureza, depois de terem dizimado tribos inteiras. O Gen. Custer é heroi nacional e o Daniel Boone já foi mocinho no cinema e Mingo era um tremendo “fura-olho”.
      Quanto à índia Tuira, creio que qualquer um de nós adotaria comportamento semelhante, diante da ameaça de invasão dos nossos lares.

    • Caro Ruy, isso é papo velho de gente que acha que as comunidades locais não tem pensamento próprio. Sabemos que a Alcoa, Vale, Votorantim servem aos interesses externos. Acorda pra atualidade.

      • Não sou nem nunca fui a favor de implantação de obras que causem grandes impactos ambientais embora saiba e veja que toda e qualquer obra gera impactos duradouros e permanentes, principalmente hidrelétricas e rodovias, das quais falo com propriedade por fazer parte de meu metier.
        Outro dia aqui mesmo no blog houve troca de opiniões relativas aos tipos de energia em função da falta de luz aí em Macapá, com uns defendendo a hidrelétrica outros a eólica. Cada qual sabe onde o seu sapato aperta e a ocasião faz o ladrão, acontece que ter pensamento próprio todo mundo tem o que não tem é condições de mobilidade para os grandes atos e sem o financiamento de entidades que estão apenas de olho na nossa biodiversidade não seria possivel, financiamento que se torna investimento, investimento este que futuramente se tornará em grandes lucros. Agora ter pensamento próprio todo mundo tem o que não tem é consciência ao que ocorre no entorno de certas comunidades que vivem a se engalfinhar na defesa de políticos que só maleficios truxeram a comunidade. aí é que tem que acordar não para a atualidade e sim para a realidade.

      • Prezado Roque,
        Não sei se matar índios, dizimar búfalos, cavalos selvagens e florestas precisaria de naquele tempo ter a consciência que o nobre Lex diz que os países por êle citado não tinham, aliás, recomendo ao Lex locar em uma locadora de vídeo qualquer as histórias (reais) dos caciques Jerònimo e Touro Sentado, de tribos dos EUA.
        Em meu comentário chamo apenas a atenção para as dificuldades que o governo brasileiro terá para implantar seu programa energético que não se resume a Belo Monte, tem muito mais.
        Defender o patrimônio é dever de qualquer cidadão, principalmente aquele que é construido com o suor do seu rosto e lembrar a Tuíra serviu apenas para deixar evidente o que poderá ocorrer com o acirramento dos ânimos naquela região.

        • Sempre existiram pessoas dotadas de consciência e os psicopatas que são destituídos dela. O que não existiam naquela época eram leis severas para punir os infratores. Apesar das dificuldades, alguma coisa já acontece no mundo neste sentido.
          Meu pai era semianalfabeto, mas tinha consciência de preservação da natureza. Certa vez levei a maior bronca da minha vida porque pedi para um homem matar uma garça. Ele deixou bem claro que animais só se matam pra se alimentar. Talvez venha daí meu perfil ecológico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *