Meu vizinho Janjão – 80 anos

Jota, Jotinha, Dega, Janjão, Deguinha. São os apelidos carinhosos desse meu querido vizinho chamado Euclides João Monteiro, que hoje completa 80 anos de idade.
Ele adora ficar chamegando com a mulher Eurydice, tomar uma cervejinha no sábado com o sobrinho Tondo, bater perna nas feiras atrás de um peixe fresco, um bom camarão e caranguejos do Sucuriju.

Janjão faz como ninguém um “avoado”. Não sabe o que é isso? É o peixe envolto na folha de bananeira assado na brasa. E sempre traz um pedacinho pra mim.
Aos 80 anos, Janjão vive de bem com a vida e sai pelas ruas da cidade pedalando sua velha bicicleta que ele chama de “maria pretinha”. E que ninguém se atreva a mexer na sua bicicleta – ele morre de ciúmes dela.
Este homem querido por toda a vizinhança nasceu na Vigia.
Em 1949 veio para o Amapá trabalhar nas minas de Calçoene. Conheceu a professora Eurydice, apaixonou-se, largou a noiva que tinha em Belém e casou. Um casamento que já dura 52 anos.
Orgulha-se de ter trabalhado na construção da base espacial de Kourou, na Guiana Francesa, (“Naquela época brasileiro era muito bem tratado e respeitado na Guiana”, diz) e na hidrelétrica do Paredão aqui no Amapá.
Pouca gente sabe – e por isso eu faço questão de registrar – que era Janjão, que junto com Cutião, construía a famosa boneca da Banda todos os anos e ainda dançava debaixo dela.
Lembro uma vez que Janjão fez todo o percurso da Banda com um único tira-gosto: uma pata de caranguejo. Lá pelo meio do percurso o tira-gosto dele já não tinha gosto de nada, mas ele não largava.
Ah, esse Janjão. Aí tem muita história.
Feliz aniversário, Janjão! E vamos tomar muito mingau de milho, garapa e tacacá e comer canjica e bolo de macaxeira festejando teu aniversário nesta noite de São João.
  • Meus Parabéns Jota!!! Caramba parece que foi ontem!! Quando ele passava o Terçado no chão e a molecada da Av. Almirante Barroso saia correndo!!kkkkkkkkkk Bons Tempos!! Felicidades!!

  • Meu Querido Amigo JANJÃO: Parabéns pelo Aniversário. Estou com saudades: Qualquer final de semana passo aí para papearmos e tomar aquela geladinha, apesar de vc gostar da branquinha. Te admiro muito CARA. Abs. Matta e Família.

  • Alcinéia,

    Diga-me onde encontro este senhor que possui uma história fantástica. Estou fazendo uma pesquisa para o meu projeto de doutorado e preciso entrevistá-lo

  • Janjão, meu velho amigo e muito querido por todos nós. Desejo que este dia seja repleto de muitas felicidades, pois voce merece que o dia de seu aniversário seja muito comemorado junto das pessoas que você ama. Beijos da turminha de Fortaleza, Vera….

  • Meu caro Cléo, o Janjão velho de guerra é do tempo do meu pai (Augusto Santos) e do seui (o grande Luizao) que já estão no andar de cima. Muitas vezes, ainda moleque, fiquei sentado nas calçadas enquanto os três conveesavam ali pelas bandas da Favela. Que vanham outros 80, meu caro Janjão. Deus te abenço

    • Sim, Paulo. Inclusive a esposa Janjão e sua irmã(mãe do Tondo, além da Profª Delzuith, trabalharam co minha mãe (que este ano faz 80). Porém, não convivi com o homenageado, pois, pouco tempo depois que ele comprou a casa onde a Néa morava primeiramente, me mudei pro Jesus de Nazaré. Mas agradeço o lembrete. Valeu!

  • Sendo gente de vocês, é gente boa. Conheço-o apenas superficialmente, mas tenho na lembrança uma pessoa bem humorada. Vida longa e como disseo Ruy: é por isso que os passarinhos amanheceram cantando mais alegremente…

  • Alcinéa, conheci o Janjão como pedreiro e dos bons, eu ficava observando ele trabalhando e junto com o Tondo ai na sua casa, lembra Alcinéa. Mas, Alcinéa, não é a contribuição dele na confecção da boneca da Banda mais importante? Saudades de vc Alcinéa
    Beijos.

  • Valeu Alcinéa, pela bonita homenagem ao nosso queridíssimo e amado Janjão.
    Jotinha é isso mesmo que vc descreveu. A amizade entre a nossa família e a dele remonta de muito tempo, e ponha estórias e artes pra contar…
    Uma delas é qdo íamos para o sítio do “Seu” Vadico, na Pedreira. Janjão acordava cedo para tomar banho no igarapé e, em seguida, voltava pra casa e jogava-se nas redes de quem estava dormindo, ninguém merece… só o Janjão mesmo.
    Parabéns Janjão pelos 80 anos e que Deus te conserve sempre esse menino peralta. Saúde e tudo de bom.
    Um super abraço da família Simões.
    Bjs

  • Gente prá lá de boa o Janjão velho de guerra. Estive em sua residência em maio e o revi junto a Professora Eurydice, um casal exemplo de união.
    Ao Janjão, muita saude junto à sua esposa e parodiando o velho Carnê Social,que esta data se repita por muitas risonhas primaveras, na certeza que amanhã o Tonto estará com o Janjão secando garrafas para contribuir com a campanha da dengue, garrafa cheia faz proliferar o aedes, não é Tondo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *