O Amapá na mídia nacional

O Estado de S.Paulo
Pivô do escândalo foi indicado por Sarney

Felipe Recondo / BRASÍLIA – O Estado de S.Paulo

A nomeação de Aldo Ferreira foi, segundo o depoimento, realizada em pagamento a um favor prestado ao então governador do Amapá, Waldez Góes (PDT). O secretário foi preso na última sexta-feira durante a Operação Mãos Limpas ao desembarcar em Brasília. Em seu gabinete, em Macapá, policiais apreenderam duas malas com R$ 540 mil em espécie. As investigações encontraram indícios de fraudes em licitação em contratos firmados pela secretaria.

O assessor jurídico da secretaria, Luiz Mário Araújo de Lima, ouvido logo no início das investigações, relatou ter sido informado que a escolha de Aldo Ferreira foi decidida em reunião entre Sarney, o senador Gilvam Borges (PMDB) e a deputada Fátima Pelaes (PMDB). Conforme o depoimento, Aldo Ferreira teria exigido o cargo como pagamento por um favor a Waldez Góes e sua mulher, Marília Góes.

Aldo Ferreira teria eliminado de uma investigação da Polícia Federal qualquer menção sobre a participação de Góes e Marília num esquema de fraudes na compra de medicamentos e materiais médicos, descoberto em 2007. Naquela época, Aldo Ferreira estava na Superintendência da Polícia Federal no Estado. As investigações levaram à prisão de dois ex-secretários de Saúde, deputados e empresários.

Na reunião no gabinete de Sarney, conforme o depoimento de Lima, Gilvam Borges teria se posicionado contra a escolha do secretário “por entender que a exigência de Aldo era demasiada”. Sarney teria advertido o senador. “Sarney o admoestou dizendo que quem estava precisando de favor eram eles e não Aldo”, disse o assessor jurídico. Aldo teria sido nomeado secretário nessa mesma reunião.

Sarney é ainda apontado como suspeito de ordenar a contratação de um helicóptero para o Grupo Tático Aéreo (GTA), contrato que o assessor jurídico afirma ser “absurdo” e fraudulento. O gasto com o aluguel do helicóptero chega a R$ 300 mil mensais, incluindo despesas pagas pelo Estado como combustível e salário dos pilotos. No depoimento, Lima afirmou que “Aldo não tem influência sob o contrato do helicóptero GTA” e que acredita que o caso seria “diretamente” com Sarney.

Outro lado. Por meio de sua assessoria, Sarney negou que tenha se reunido com o grupo de parlamentares para discutir a nomeação de Aldo para a Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Amapá. “Essa reunião nunca existiu”, informou. “O presidente não interferiu ou influiu na escolha do referido secretário ou de qualquer outro secretário de Estado do Amapá.” O senador também negou influência na indicação da empresa que aluga o helicóptero para o GTA.

TRECHOS DO DEPOIMENTO DE LUIZ MÁRIO ARAÚJO DE LIMA À PF

“Que Aldo teria assumido a secretaria alguns meses antes, 4 ou 5 meses; que soube através de terceiros que o secretário Aldo teria assumido o cargo em decorrência de favor prestado quando atuante da Superintendência da Polícia Federal do Amapá ao governador Valdez Goes e sua esposa Marília; que segundo relato no decorrer de uma investigação da Polícia Federal Valdez e Marília teriam sido observados recebendo dinheiro decorrente de mude nas licitações e contratos; que consta que Bispo teria sido chamado a Brasília pela deputada federal Fátima Pelaes para uma conversa que teria ocorrido no gabinete do senador José Sarney; que no gabinete estariam presentes os senadores José Sarney, Gilvam Borges, a deputada Fátima e Bispo, e numa sala ao lado estaria o governador Valdez Góes; que na reunião foi discutida a exigência feita por Aldo de assumir a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do Amapá, e isso, sem interferências políticas externas; que o senador Gilvam teria sido contra por entender que a exigência de Aldo era demasiada, sendo que o senador Sarney o admoestou dizendo que quem estava precisando de favor eram eles e não Aldo; que nessa reunião, então, foi confirmado que Aldo assumiria a Sejusp.”

“Que outra fraude que acredita ocorrer é referente à contratação de helicóptero para o Grupo Tático Aéreo, pois o contrato é absurdo, além do que o Estado é responsável pelo combustível, pelo salário dos pilotos e horas extras voadas; que chega a R$ 300.000 mensais o gasto com o helicóptero; que a indicação para a contratação da empresa que fornece o helicóptero teria partido do senador José Sarney; que a exemplo do contrato de alimentação do Iapen o secretario Aldo não tem influência sobre o contrato do helicóptero; que acredita que isso seja diretamente com o senador José Sarney.”

Amante do governador foi peça chave para chegar aos envolvidos
Bruno Paes Manso – O Estado de S.Paulo

Por ser governador de Estado, ter sido vice e secretário estadual da Saúde nos últimos oito anos de governo, Pedro Paulo Dias (PP) tinha foro privilegiado, o que dificultava o acesso a seus segredos. Apesar das suspeitas, Pedro Paulo não podia ter o telefone grampeado. Mas havia a jovem Lívia Bruna Gato de Melo, pouco mais de 20 anos, amante do governador e servidora da Secretaria de Estado da Saúde. Foi quando a Polícia Federal percebeu que tinha nas mãos um grande trunfo.

Desde o ano passado, com autorização da Justiça, o telefone dela passou a ser monitorado pela PF em conversas que orientaram investigações, ajudaram a compreender quem é quem no esquema e a confirmar suspeitas sobre crimes que vinham sendo cometidos pelo grupo contra o Estado. Além de a amante ter papel importante no pagamento das supostas propinas, o telefone de Lívia era usado pelo governador, casado e pai de dois filhos, para falar sobre eventuais negociatas.

Pelas interceptações, foi possível saber que a Secretaria da Saúde estava sem dinheiro para pagamentos de contratos, compra de material e até para o salário dos servidores. Foi também pelo telefone de Lívia que o núcleo de inteligência da PF descobriu que, apesar da falta de verba na pasta, o casal fazia viagens de lazer a Belém com dinheiro da secretaria. Nas conversas, os dois combinam ir à Praia de Salinas dizendo que iam tratar de assuntos em São Paulo.

Passagem. Em outro diálogo, quem pede à moça passagem para Cuiabá (MT) é o irmão do governador, o ex-deputado estadual Benedito Dias, indiciado em 2007 pela PF na Operação Sanguessuga. Uma mão lavava a outra. O irmão do governador não deixava de retribuir os favores da amante do governador. Mesmo que fosse à base dos bons conselhos. Em uma escuta, em conversa com a colega de pasta, Gracinete, Lívia conta que Benedito Dias sugeriu a ela que saísse do Amapá. O motivo era um dossiê que vinha sendo preparado pela mulher de Pedro Paulo (que ela apelidou de Barbie) e que seria entregue aos adversários políticos se o caso extraconjugal prosperasse.

A amante pondera com a colega que Benedito garantiu a ela que ficasse tranquila porque o salário de servidora da Saúde continuaria pingando na conta mensalmente. Para arrematar a conversa, as duas confidentes ainda comentam sobre um contrato irregular na Secretaria da Saúde de mais de R$ 1 milhão.

Descuidada, ela acabou orientando os policiais a prestarem atenção em outro suspeito, assessor informal do governador, responsável por fazer os pagamentos nos bancos pela Saúde. “Cadê o doutor?”, pergunta o funcionário a Lívia. “Ele está doido atrás de ti. Tem um depósito de R$ 20 mil para fazer agora”, ela responde. O funcionário percebe que era perigoso dar continuidade à conversa.

“Tá ficando doida?”, ele pergunta. “Desculpa”, ela fala e depois cai no riso.

As conversas também permitiram testemunhar um governador em plena fase de enriquecimento. O casal conversava sobre os novos investimentos do político. Pedro Paulo diz ao telefone que se atrasou porque teve que ir à sua fazenda no Oiapoque. O governador lamenta que a criação de búfalos não estava se adaptando ao sal que ele vinha usando.

Folha de S.Paulo
Mensalão do ex-governador era de 500 mil

Depoimentos dados à Polícia Federal indicam que o ex-governador do Amapá Waldez Góes (PDT), candidato ao Senado, recebia uma propina de R$ 500 mil mensais para manter um contrato de fornecimento de alimentos aos presos do Estado, informa reportagem de João Carlos Magalhães, publicada nesta sexta-feira pela Folha (íntegra  disponível para assinantes do jornal e do UOL).

Segundo a reportagem, o assessor jurídico da Secretaria da Segurança Pública do Amapá Luiz Mário Araújo de Lima cooperou com a PF nas investigações da Operação Mãos Limpas. Os depoimentos, de novembro de 2009 e maio deste ano, foram obtidos pela Folha.

As apurações da PF apontaram para um suposto esquema de desvios de recursos públicos no Estado. Na semana passada, 18 pessoas foram presas –entre elas, Góes e Pedro Paulo Dias (PP), atual governador, que continuam detidos em Brasília.

Nas palavras do assessor, a fraude no Iapen (Instituto de Administração Penitenciária do Estado) era “orquestrada” por Góes, sua mulher, Marília, pelo deputado federal Evandro Milhomen (PC do B) e por Francisco Odilon Filho, empresário e dono da Mecon, que fornece as marmitas para os presos.

Em novembro, Lima disse que “teve conhecimento de fraude” e que os recursos “desviados do contrato seriam direcionados a Góes”, que “receberia em torno de R$ 500 mil mensais”. Ele pediu para ser beneficiado pelo recurso de delação premiada –possibilidade jurídica de um envolvido em crimes ter sua pena amenizada em troca de colaboração.

Lima afirmou que era pressionado e coagido pelo secretário da Segurança, Aldo Ferreira, para fazer “alterações que entendia ilegais em pareceres jurídicos” para “regularizar licitações e contratos”. Se não as fizesse, disse, perderia o emprego. Ferreira, segundo Lima, foi uma indicação do senador José Sarney (PMDB-AP).

OUTRO LADO

Sarney, por meio de nota da sua assessoria, negou que tenha interferido na escolha do secretário da Justiça e da Segurança Pública do Amapá ou de qualquer outro secretário do Estado.
Segundo a nota, o presidente do Senado também negou que tenha se reunido com políticos do Amapá para discutir a indicação do delegado para o cargo.
Leia a reportagem completa na Folha desta sexta-feira, que já está nas bancas.

(Leitor do blog pode nos ajudar a postar as matérias sobre o Amapá que estão saindo hoje na mídia nacional. Deixem o link na caixa de comentários que depois venho colocar na página principal. Vou ali distribuir mais flores pela paz no trânsito e por um mundo melhor. Aliás, o Amapá está precisando muito. Volto daqui a pouco)

  • Meu pobre Macapá, mesmo de longe hoje vejo que aí nada mudou, deduzo que tinha um amigo na rua de casa um dos primeiros jornalistas desta terra de nome Alcyr Araújo, fumava, usava óculos e gostava de um bom trago, esposa professora que me alfabetizou, mas dizia o Alcyr ” Ernesto no dia que a Terra tiver só verde, Macapá vira um paraiso” isso pelo fato do filho do último governador nomeado pelo Sarney fazer algumas coisas improprias e o Alcir Araújo tinha razão falta lei nesta terra de ninguém parece que os filhos herdarão o pai.Minha pobre terra

  • oi alcinea o STJ vai solicitar ao STF a quebra de sigilo telefonico dos envlvidos na operaçao maos limpas deflagrada pela policia federal isso passou no jornal do AP TV agora a noite de sabado ou seja isso vai daro o que falar ainda porque essa historia nao esta concluida de fato.

  • JUVENTUDE!VAMOS TRILHAR PELOS BONS CAMINHOS!ESCUTAR O QUE É CERTO,CORRETO.NAO ATENDER AOS APELOS IMORAIS.VOTEMOS CERTO NESTAS ELEIÇOES!

  • chega de lamurias nao adianta chorar o leite derramado, vcs tem é q votar certo dessa vez…. senao daqui a alguns anos vai ser a mesma historia…

  • Para mim nao foi surpresa porque eu acompanho o desenvolvimento do Amapa, e denuncias sempre eram feitas e agora acasa caiu e mais é uma vergonha o atual governador que estava Paulo DIas nem se expressar sabe imagine ter responsabilidade por um Estado pelo que vimos na gravaçao com a sua amante , se expressa mal , nao sei como foi escolhido para governar o A mapa é uma verdadeira vergonha , tem que se tomado uma providenciaurgente porque o nosso Amapa é divulgado aqui na Europa .

  • O Amapá estava sendo governado por uma quadrilha e, pelo que se percebe, envolvendo diversos poderes. A imprensa amapaense, salvo exceções como esse blog, está “silenciosa”, fato “compreensível” frente às gravações acerca dos “jabas”. Nesse mar de lama, poucos sobram e o eleitor deve mostrar sua indignação nas urnas. Entretanto, preocupo-me com o fato da maioria da população (povão)continuar sendo enganada por cabos eleitorais que tentam a todo custo passar a idéia de “armação”. Ou, ainda, outros, “formadores de opinião”, afirmarem que todos são farinha do mesmo saco. É necessário ter, neste momento de grave crise na política amapaense, discernimento para separar de fato o jóio do trigo, porque “nem tudo que parece igual é de fato igual”.

  • A Policia Federal deveria também fazer uma investigação em quase todos veiculos de comunicação do Amapá, porque será que quase nada são noticiados nos jornais locais, naturalmente que a imprensa deveria com impacialidade fazer seu dever e não está fazendo e isso é sério, fico indignado pois tenho que ficar pesquisando nos jornais on-line pois nas bancas de revista as informações que temos são quase nada, estou desconfiando de parceria destes meios de comunicação para abafar a verdade dos fatos, será que irão desqualificar as investigações sérias da Policia Federal, no pouco de entendimento que temos é notório a seriedade do que está sendo investigado pois não é comun ser negado o habeas corpus seguidamente de um investiagado e trata-se do ex-governador Waldez Goes, politico conhecido no cenário Nacional com dois mandato seguidos, o Ministro Noronha está recebendo meu voto de credibilidade pela impacialidade, o que na verdade não deve ser considerado como uma virtude e sim uma atitude natural de um nobre Ministro de Justiça. Outra coisa que estou desconfiado é quanto as inserções dos candidatos, tem algum controle, alquém fiscaliza, pois pode está havendo favorecimento para alguns ligado a certos veiculos e prejuizo para outros que são ligados aos mesmos, nos interiores tem emissoras dando conotações favoraveis para candidatos ligados a emissora, principalmente na divulgação das pesquisas a conotação é bem notória para destaca-los, em certa pesquisa que o candidato ligado a emissora estava empatado com outro candidato ao Senado o radialista nada comentou. Está na hora de investigar todos os meios de comunicação, tanto ligados a uns como a outros comandos politicos do Amapá e até os da midia nacional pois todos deveriam ter conotações de impacialidade. A população precisa de uma imprensa séria, a midia no Amapá está devendo explicação, claro que contratos de comunicação com o Governo o quem quer que seja é legal, mas isso não dá direito ou dever de ficar calada no seu jornalismo quanto a verdade dos fatos,é notório sua parcialidade e por isso deve ser também investigada. A Policia Federal é respeitosa e as ivestigações verdadeiras e creio que jamais iria tomar este rumo de fosse apenas especulações, as provas naturamente são fartas para um Ministro manter figurões detidos.

  • A imprensa vem soltando as notícias da operação em doses homeopáticas… Mas, de tudo o que foi divulgado até agora, nada se compara ao que está por vir… Pedófilos conhecidos no seio da sociedade (que não os denuncia sabe-se lá por que) tiveram seus arquivos pegos pela PF nas buscas… Vamos ver se os nomes vão aparecer ou serão abafados… JUSTIÇA é o que se espera…

    • Não precisa é só votar no 14 ou 40, gente se um deste cara ganhar vai ter ter legislativo, imprensa ativa, T C E. principalmente se for o 40, ai vai ser bom para o estado, pois se ele quiser fazer maracutaia vai ter que ficar com um olho no peixe e outro nos gatos. Com a HARMONIA os coitados dos gatos eram: surdos, cegos e mudos ai os ratos fizeram a festa.

  • Tem gente envolvida que é tão cara-de-pau que se perguntarem ao mesmo se foi a mãe dele quem o pariu, tenho certeza que ele vai NEGAR. Vai dizer que não foi ela e que NÃO SABE quem foi.

  • Isso sao cenas lamentaveis do amapa na midia nacional e internacional quem nao acredita porque tudo que envolve verba federal da nisso meu amigo repercusao ate na CNN internacinal de escandlos no amapa isso e vergonhoso em que o nosso povo nao merece tanta humilhaçao mais fazer o que a policia federal simplismente so esta fazendo o trabalho dela e nada mais agora essas pessoas que a populaçao elegeu concerteza vao levar o troco na urna mesmo e o que a gente espera porque o negoco ja estava muito descarado em macapa o amapa e o estado da corrupçao os caras dao aula de pilantragem e safadeza nao tem jeito nao rapaz esse povo merece mesmo esta cadeia pagando por todo o mal que fizeram ao povo amapaense.

    • Amadorismo? Onde já se viu quadrilha não ser profissional?!Burrice? Dentro do aparelho do estado, em licitações e contratos? que isso!!!Só tem profissional, “doutores”, e gente inteligente, tanto que permaneceram durante esse tempo todo. Mas não há mal que seja eterno.

    • Como assim expor a família?? Os não participou ativamente, foram no mínimo coniventes, ou alguém da família é tão burrinho que acredita em papai noel que financia roupas carissimas, boa alimentação, viagens, imoveis carros e sabe Deus pra onde e o diabo a quatro com o salário de governador?? NOS POUPE!!!!
      TODOS TÊM MAIS É QUE PAGAR MESMO. Se fossem pessoas recuperáveis viriam de volta pra cá de cabeças baixas, envergonhados..mas queres apostar quanto que voltarão com a mesma arrogância que é peculiar aos ordinários…?

  • Sobre o relato de IVES. De arrepiar os pelos.
    Mas ao mesmo tempo saber que nosso povinho, comprado com dinheiro sujo, não liga para a Moral. É a mesma coisa do que esta acontecendo no Brasil inteiro, Mensalão e outros. Mas o povo é hipocrita e sem rumo e vergonha na cara. Vamos MUDAR ESTE PAÍS. Temos a oportunidade agora , é só não votar em todos aqueles que tem e já tiveram seus nomes envolvidos em maracutaia.
    Nossa justiça tem que ser forte e receber de Odilons da vida o dinheiro roubado.

    • A Deputada Fatima Pelaes é mulher integra , todos sabem que brigou com o Governo a alguns anos . E deixa Eu te pergunta uma coisa Mesmo que ela tivesse ajudado a indicar O que nao é correto afirmar . Se vc indica uma empregada a um amigo ou qualquer pessoa e a empregada rouba a casa da pessoa , a culpa é de quem indicou ou da empregada ? Hum….! A BOM ! : )

      • Pera lá, você como históriador deveria ser mais preciso nas datas. Na verdade a DEPUTADA FATIMA PELAES, comandou o SETUR até o inicio da campanha para prefeito de 2008, quando se lançou candidata e o governador pediu a secretaria com medo de ser atingido com a porpria munição, já que seu canditato era outro, assim como de boa parte do PMDB, PATIDO DA DEPUTADA. Mais este fato não macula em nada a DEPUTADA, que juntamente com o CAPIROTO 401 1º colocado 39%, são os únicos PARLAMENTARES AMAPAENSE que tem projeto de lei aprovado com relevancia nacional, LEI DA SEGURIDADE SOCIAL (Fátima) E DA TRANSPARÊNCIA (Capi). Se alguem conhecer outro cite aqui, lei botando nome de tio em aeroporto não vale.

        • TA tudo errado , desinformado eh vc.
          Nao foi para Governo e sim para prefeitura .
          Ela disputou o governo tanto contra waldez como prefeitura contra Mais uma vez outro Goes. Assumiu sim a secretaria de turimos e vá atras de saber o que ela fez por la . Só coisa boa .. Quanto as leis tem mais 3 alem dessas que vc falou . Aloas que da salario minimo para todos Os idosos e deficiates DO BRASIL todo ! O dereito a licenca a maternidade por mae adotiva , A do planejamento familiar .. e a mais recente eh que garante creche e atendimento de 6 consultas pre-natal para maes gestantes comprindo mena na cadeia . E tem a mais dep. tem A janete com a do Escaupelamento e se nao me em gano o Davi tem uma relacionada a gestao dos gastos dos palamentares que se difere do portal transparencia instituido pelos 40 .
          Quem conhece A Dep.Fatima Pelaes e sua Historia sabe que nasceu dentro da cadeia E Faz jus ao nome de sua mae e jamais pretende voltar pra la . Se tem uns 2 ou 3 parlamentares que preste nesse estado , ela com toda certeza eh uma delas .
          Relacoes politicas eh inivitavel no mundo que eles vivem…
          A verdadeira sujeira nao esta em tudo.. mas em alguns grupos familiares .. que nao pensao no povo .
          Nao adianta vislumbrar coisa onde nao existe.

          • SANDRO LEIA MELHOR MEU POST, NÃO LHE CHAMEI DE DESINFORMADO, SÓ PEDI QUE DESCE MAIS DETALHES DA INFORMÇÃO. QUANTO A CANDIDATURA DA DEPUTADA É OBVIO QUE FOI PARA PREFEITA, POIS PARA O EXECUTIVO FOI ÚNICA QUE TEVE NAQUELE ANO. O QUE FALEI FOI QUE O GOVERNADOR PEDIU A SECRETÁRIA DE VOLTA, REANALIZE.

    • Se vc indica uma empregada para alguem , amigo ou qualquer pessoa … e a empregada rouba a casa onde trabalha a culpa é de quem indicou ? ou da empregada que roubou ?
      A final o cara era Da propria PF .
      Nao era pra ser corrupto …
      Mas ninguem tem codgo de barra pra saber se é ou nao é : )

      • Pera lá, você!
        Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Geralmente quando alguém indica uma doméstica a um amigo ou você quer ajudar ao amigo ou a doméstica. Quando um politico indica alguém para um cargo comissionado, geralmente ele quer dividentos politicos ou financeiros, é a regra, existe excessão? sim! não digo que a deputada indicou alguem.

  • Ainda falta desvendar as nuanças da venda da MMX que nunca ficou tão clara. Houve um silencio bem articulado.

  • Eu estou extremamante triste com essa situação. eu estou com dois meses de salario atrasado.E tanto dinheiro desviado…………………sem palavras..

  • Essa nota veiculada hj de manhã em nome do pedro paulo, vai de encontro e põe em cheque o trabalho da PF tentando desqualificá-la e ao mesmo tempo faz com que a PF passe por mentirosa nas sua atuações, tentando com isso ludibriar a população. E ao mesmo tempo chamam todos de burros. Pergunto oq a PF fará diante disso.

    • A JUSTIÇA ELEITORAL DO RIO ESTÁ REALIZANDO FISCALIZAÇÃO PARA CONTER O USO DE CARROS PÚBLICOS NA CAMPANHA ELEITORAL. AQUI TÁ DIFICIL POR MAIS BOA VONTADE QUE O T R E TENHA FICA DIFICEL IDENTIFICA-LOS, POIS OS CARROS SÃO TODOS ALUGADOS E OS POUCOS QUE TINHAM ADSIVOS DE IDENTIFICAÇÃO SÓ RESTA A COLA. A NÃO SER QUE O T R E APROVEITE O GOVERNADOR INTERINO E SOLICITE A RELÇÃO DAS PLACAS DE TODOS OS VEICULOS ALUGADOS. O QUE MAIS SE VÊ É L-200 NESTAS ENTRADAS DE PONTE, DEVE SER ALGUMA MISSÃO OFICIAL. DENUNCIEM!

  • Testemunhas sofrem ameaças de morte no caso da prisão do governador do AP
    Polícia Federal recebeu denúncias de que facção na Polícia Militar estaria arregimentando homens para formar grupo de extermínio
    17 de setembro de 2010 | 0h 00
    Bruno Paes Manso – O Estado de S.Paulo
    Ameaças de morte, recados dados por terceiros e notícias de que uma facção no interior da Polícia Militar estaria arregimentando homens para a formação de um grupo de extermínio estão provocando medo em testemunhas no inquérito da Polícia Federal que serviu de base para a Operação Mãos Limpas, no Amapá.

    A operação da PF levou à prisão de 18 pessoas, na sexta-feita da semana passada, entre elas o governador Pedro Paulo Dias (PT) e o ex-governador Waldez Góes (PDT). As eventuais ameaças podem complicar a situação dos acusados, que correm o risco de ficar mais tempo na prisão.

    As testemunhas já passaram informações à delegacia da PF do Amapá sobre as ameaças. Na lista de ameaçados aparece o nome do empresário Luciano Marba da Silva, proprietário da LMS Vigilância e Segurança Privada. Ele foi autor das denúncias que deflagaram as investigações sobre a empresa Amapá Vip – uma das principais beneficiadas pelo quema de desvio de recursos públicos nas secretarias da Saúde e da Educação.

    Outros dois que disseram ter recebido ameaça são o diretor do Sindicato dos Vigilantes do Estado do Amapá, Manoel Pereira da Lima Filho, e o advogado Luiz Mario Araujo de Lima, assessor jurídico da Secretaria de Segurança. Este último foi o autor das denúncias publicadas na quarta-feira pelo Estado sobre eventuais irregularidades no aluguel de helicópteros naquela secretaria.

    Do conjunto de 18 pessoas que tiveram prisão temporária decretada na semana passada, 12 já foram colocadas em liberdade. Os outros 6 investigados – entre elas o governador, o ex-governador, o presidente do Tribunal de Contas do Estado e os secretários de Segurança e Educação – permanecem detidos.

    Se a Justiça confirmar as ameaças e verificar que estão vinculadas a tentativas de atrapalhar o andamento das investigações, poderão ser decretadas prisões preventivas.

    Abandonar as eleições. Outro envolvido na história que passou a temer pela vida é o deputado estadual Moisés Souza (PSC). No ano passado ele presidiu na Assembleia Legislativa uma comissão parlamentar de inquérito destinada a investigar denúncias sobre os contratos entre as secretarias da Saúde e da Educação e a Amapá VIP.

    Ontem o deputado disse ao Estado que vai prestar depoimento à PF a respeito das ameaças que teria sofrido nos últimos dias. Nervoso, ele se recusou, no entanto, a dar detalhes sobre a forma como teria ocorrido. Mas adiantou que está propenso a abandonar a disputa eleitoral neste ano e que já pensa também em deixar o Amapá.

    Nomes de oficiais da PM que estariam formando um grupo extermínio chegaram aos ouvidos de uma testemunha e também aos integrantes do Ministério Público do Estado envolvidos na operação. A Promotoria de Investigações Civis e Criminais pôs uma equipe na rua para apurar a veracidade das informações. Também foi agendando um encontro com a PF para transmitir informações sobre as notícias-crimes.

    “O ambiente é de hostilidade e tememos pela vida daqueles que testemunharam. Nada garante que não seja armação, mas temos obrigação de investigar”, disse ontem o promotor Eder Geraldo Abreu.

    Uma das testemunhas ameaçadas disse ontem ao Estado, sob condição de não ter o nome revelado, que recebe os recados por meio de terceiros. Já teriam dito a ele para “sumir do Amapá” e que sua cabeça estaria a prêmio.

    Para se ter uma ideia do clima de tensão na cidade, na quarta-feira, um evento ocorrido em frente à casa do ex-governador e candidato ao Senado, Waldez Góes, acabou com ameaças de violência. O episódio envolveu a mulher do candidato, Marília Góes, candidata a uma vaga na Câmara, que acabara de sair da prisão e ainda estava em Brasília.

    No comício em Macapá, instalaram um alto falante para amplicar a voz de Marilia, transmitida por celular. Ela pedia aos eleitores que acreditassem na defesa do casal, quando a esposa de um empresário local, que passava por ali, debochou da cena. Foi o bastante para ser perseguida de automóvel de automóvel por um partidário dos Góes. O caso acabou sendo registrado na delegacia de polícia.

    PARA LEMBRAR

    Iniciada em agosto, a investigação que culminou na Operação Mãos Limpas, deflagrada na sexta-feira passada, identificou desvio de recursos públicos e fraudes em licitações no
    Amapá. O ex-governador Waldez Góes (PDT) e seu sucessor, Pedro Paulo Dias (PP), são apontados pela PF como os mentores do esquema. Na operação, a Polícia Federal apreendeu R$ 1 milhão em espécie.

    Ontem, procurado pelo Estado, para dar detalhes do episódio, o marido da vítima pediu que a história fosse esquecida.

    ESCUTAS

    Numa das ligações, Lívia conversa com Pedro Paulo sobre o almoço que ele realizará em sua residência com empresários e políticos para arregimentar suporte político para as próximas eleições.

    Lívia indaga a uma mulher não identificada que acabou o dinheiro de Carlos Lobato
    (um radialista amapaense)

    “Uns 30 mil são dele. Lobato falou em seu programa de rádio que tem um pré-candidato que anda fazendo almoço em casa tentando agradar os jornalistas.”

    Mulher não identificada pergunta se Lívia convidou Lobato para o almoço e ela afirma que sim.

    “Lobato leva todo o dinheiro da Secretaria Estadual da Saúde. Nunca vi uma pessoa gastar
    30 mil em uma semana!”

    Mulher não identificada pergunta porque o Dr. Pedro Paulo ainda assim chama o
    Carlos Lobato para o almoço. Lívia critica Pedro Paulo pelo fato de Carlos Lobato bater, bater e mesmo assim o doutor continuar dando dinheiro.

    Pedro Paulo liga para Lívia perguntando se o aluguel de Ana Paula foi pago porque a “pessoa do tribunal” (referindo-se ao desembargador Gilberto Pinheiro) quer saber.

    Pedro Paulo pergunta se o aluguel da pessoa ligada ao tribunal foi resolvido. Lívia não se lembra. Pedro Paulo diz que é aquele aluguel que a pessoa pediu para pagar porque estava há seis meses em pagar.

    “Era da Ana Paula”

    Lívia responde que Josiel (funcionário da Secretaria) estava resolvendo e acha que já foi acertado. Pedro Paulo diz que a pessoa do tribunal está indo lá (falar com ele, provavelmente em seu gabinete) e que ele não sabe do assunto.

    “Mas se for isso…”
    (fala com raiva)

    Lívia reclama que Josiel sumiu o dia todo e Josiel se explica:

    “Cadê o doutor?”
    (governador Pedro Paulo)

    “Tá doido atrás de ti. Tem um depósito de 20 mil para fazer agora”

    “Ahhhh…. era, era para resolver… é, é, deixa eu falar pra ti, tá ficando
    doida?” (gritando)

    “Desculpa”
    (não conseguindo conter o riso)

    “Olha, é o pagamento do pessoal do… pagamento do pessoal do…..”

    “Ai…
    (diz Lívia, ainda sem
    conseguir conter o riso)

    “De Brasília. Assim que eu folgar, eu passo na sua casa”

  • Então pegaram o casal Bonnie and Clyde do amapá escondidos no armário q coisa….
    Hj pela manhâ ao sentar à mesa para tomar meu bom e velho café, me surpreendi com uma nota do ex-governador preso, preso, preso, preso paulo. Ainda tem a cara de pau, de dizer que é inocente, essa bomba deixou ele atordoado só pode.
    O que mais me enoja e ver candidatos envolvidos em escândalos como Sanguessuga e pororoca ainda estarem no cenário políticos, chega a ser indigesto vê-los na TV pedindo voto. Deveriam estar fora para sempre da política.

    • Uma vez em uma palestra numa faculdade de Macapá o CAPI primeiro colocado com 39%, disse a seguinte frase: “GENTE NÃO SE ILUDAM, QUANDO EXISTE MUITA HARMONIA É POR QUE TODO MUNDO ESTÁ COMENDO” concordo o exemplo tá ai. Mas eu acho que eles não falaram foi porque é falta de educação falar de boca cheia e, quase 1 bilhão de reais em comida é muito para pouca gente comer em oito anos. É tanto que ainda sobraram uns trocados nas malas, tinha até verdinha.

  • Mensalão de ex-governador era de R$ 500 mil, diz delator
    Quantia era paga por mês a Waldez Góes no Amapá, segundo colaborador

    Esquema funcionaria para manter contrato de empresa com governo; defesa de suspeito não atendeu a reportagem

    JOÃO CARLOS MAGALHÃES
    ENVIADO ESPECIAL A MACAPÁ

    O ex-governador do Amapá Waldez Góes (PDT), candidato ao Senado, recebia uma propina de R$ 500 mil mensais para manter um contrato de fornecimento de alimentos aos presos do Estado, segundo depoimentos dados à Polícia Federal.
    O assessor jurídico da Secretaria da Segurança Pública do Amapá Luiz Mário Araújo de Lima cooperou com a PF nas investigações da Operação Mãos Limpas. Os depoimentos, de novembro de 2009 e maio deste ano, foram obtidos pela Folha.
    As apurações da PF apontaram para um suposto esquema de desvios de recursos públicos no Estado. Na semana passada, 18 pessoas foram presas -entre elas, Góes e Pedro Paulo Dias (PP), atual governador, que continuam detidos em Brasília.
    Nas palavras do assessor, a fraude no Iapen (Instituto de Administração Penitenciária do Estado) era “orquestrada” por Góes, sua mulher, Marília, pelo deputado federal Evandro Milhomen (PC do B) e por Francisco Odilon Filho, empresário e dono da Mecon, que fornece as marmitas para os presos.
    Em novembro, Lima disse que “teve conhecimento de fraude” e que os recursos “desviados do contrato seriam direcionados a Góes”, que “receberia em torno de R$ 500 mil mensais”.
    Lima pediu para ser beneficiado pelo recurso delação premiada -possibilidade jurídica de um envolvido em crimes ter sua pena amenizada em troca de colaboração.
    Ele afirmou que era pressionado e coagido pelo secretário da Segurança, Aldo Ferreira, para fazer “alterações que entendia ilegais em pareceres jurídicos” para “regularizar licitações e contratos”. Se não as fizesse, disse, perderia o emprego.
    Ferreira, segundo Lima, foi uma indicação do senador José Sarney (PMDB-AP).
    De acordo com o assessor, Góes interveio em uma disputa de poder na secretaria . Ferreira tentou fazer com que o contrato saísse das mãos de Odilon e fosse para um “investidor de SP”. O negócio, disse, “foi vetado” por Góes.
    Segundo sua versão, Milhomen deu R$ 300 mil a Ferreira para o secretário desistir de mudar de fornecedor.
    A Folha ligou para o advogado de Góes, mas não houve retorno até a conclusão desta edição.
    A assessoria do governo não deu uma versão para o depoimento de Lima.
    Na Mecon, a reportagem foi orientada a procurar o escritório de Odilon, no qual ninguém atendeu o telefone.
    A assessoria de Milhomen negou envolvimento dele.

    ASSEMBLEIA
    O presidente da Assembleia Legislativa e candidato a governador, o deputado estadual Jorge Amanajás (PSDB), está na mira da PF devido a suspeitas sobre desvios de recursos no órgão público que podem beneficiar uma ONG que ele dirige.
    A ONG poderia estar recebendo recursos de forma irregular, diz relatório. Além disso, teria a proteção do Tribunal de Contas do Estado, cujo presidente, José Miranda, também foi preso.
    Amanajás não respondeu as ligações da Folha até a conclusão desta edição.

  • Nas terras daqui chamada de Amapá, você não pisa na terra, você não vê lixo nas ruas, nem merenda na escola, não vê funcionário público a disposição e nem buracos nos asfaltos… Você não vê notícia boa, não canta a boa música e nem a cultura você estuda, não tem a ssassinato, morte, corrupção e nem nada… Não existimos… Não existimos… Não existimos… (O eco canta…)… De uma coisa é certa… Somos sempre roubados…

    Pelo amor de Deus… Vamos mudar, pois se nós não mudarmos nunca poderemos mudar nosso voto, o nosso AMAPÁ…

    Vamos existir?

  • *Onde o estado do amapá vai parar..o ditado é certo quanto + tem + quer!!!!!!!

    eu não acredit que ainda vão voltar pra nssas terras esse governaor e ex governador!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *