O policial pedófilo

Chama-se Antônio Ronaldo Moraes Barreto o policial preso em flagrante ontem no motel Calígula com uma garotinha.

Os pais da menina contaram que ele seduziu a garota prometendo dar a ela um celular e um computador e levá-la para passear de moto.
O caso foi denunciado à polícia e ao Conselho Tutelar pela família da garota, que teve acesso às conversas que os dois mantinham pela internet usando o MSN.

  • oi, gostaria de saber o nome de todos os pedofilos, pois tenho um conhecido que foi acusado, mais ele morre na cruz dizendo que não. só que ontem (16/03/2010) assistindo o jornal da record que passou sobre o assunto e vi uma pessoa muito parecida com ele, no caso estava falando sobre os dois que não compareceram no julgamento. queria realmente saber se ele e ou nao inocente.
    aguardo resposta.
    obrigada

  • Se é reincidente, não tem cura. Ah, como eu queria ser ditador! Cortava o pinto dos pedófilos em praça pública pra servir de exemplo.

  • Os pais devem ser mais atentos, MSN não é coisa para uma “garotinha”, deve haver mais fiscalização dos pais. Hoje os pais jogam os filhos para a boca do jacaré, dão celulares, internet, roupinhas miudas, não educam, não fiscalizam seus filhos. Compram celulares para as crianças para as mesmas poderem ser encontradas, mas pergunto: “Criança precisa ser encontrada” ora, criança tem que ficar onde o pai deixa, e pronto.

  • 22/01/2010 – 04h29
    Relatório da PF indica propina para grupo de Sarney no Pará

    PUBLICIDADE

    da Folha Online
    Relatório da Operação Castelo de Areia obtido pela Folha afirma que a empreiteira Camargo Corrêa acertou propina de pelo menos R$ 2,9 milhões para PT e PMDB em obra no Pará, informa reportagem de Fernando Barros de Mello e Lilian Christofoletti, publicada nesta sexta-feira (22) pela Folha (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL).

    Segundo o relatório, a proprina é referente à obra da eclusa de Tucuruí, no Pará, citando como supostos beneficiários integrantes do grupo político do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que controla o Ministério de Minas e Energia.

    Os supostos pagamentos constam em arquivos digitalizados apreendidos com Pietro Bianchi, diretor da construtora. Os registros foram feitos à mão em 15 de maio de 2008 e depois escaneados. A Folha obteve documentos inéditos que constam da investigação.

    No manuscrito apreendido, há registro de que foram repassados aos partidos 3% de uma parcela recebida pela empreiteira para a construção da eclusa, de R$ 97 milhões. Ao lado, há a indicação de que os recursos destinados ao PMDB foram repassados a “Astro/Sarney”. O pagamento ao PT está ligado ao nome Paulo.

    A PF cita aliados do presidente do Senado. Ele afirma que a acusação é um “insulto”. O PT nega, e PMDB e Camargo Corrêa não se pronunciaram.

    Leia a reportagem completa na Folha desta sexta-feira, que já está nas bancas.

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u683066.shtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *