O sorriso da Carol planta jardins no pára-brisa do meu carro

Por Deusa Ilário*

Enquanto espero para sair fico observando o jambeiro aqui do quintal de minha casa. Estou indo ao velório de uma pessoa amada (minha sobrinha-afilhada-filha) e que tem apenas 35 anos de idade, morta num desses tantos e violentos acidentes de transito.

Sentir a natureza ajuda a compreender a Vida. Estou olhando as folhas do jambeiro, elas caem com mansidão e se amontoam no chão, orvalhada pelas minhas lágrimas de tristeza e dor… Observei que só as folhas amarelas e maduras se desprendem dos galhos, não há no chão nenhuma folha verde. O que pensei: diante à morte, ficamos buscando mil e uma razões para justificá-la, até como forma de amenizar o sofrimento. Muita gente diz, “foi à vontade de Deus”, “Deus quis assim”… Mas, será que naturalmente, alguma folha verde Cai? Elas podem ser arrancadas, ou seja, sofrem uma ação externa a sua natureza. Eu olho para elas, estão bem pertinho de mim, ao alcance de minhas mãos! Se eu quiser arranco muitas.

Então, se somos também folhas, temos um caminho a percorrer entre o brotar e o amarelar-envelhecer da vida? Qualquer interrupção que possa acontecer nesse caminhar não é responsabilidade de Deus. Eu creio, que não. Quem culpar, então? Sempre é tempo de rever nossas ações, de cuidarmos de nossas vidas e de sermos cuidantes das vidas das outras pessoas e dos demais seres de Vida que habitam a mesma Grande Casa.

Que voltemos os nossos olhos para a beleza da vida que está ao nosso redor! Pra quê pressa? A pressa nos cega. Um carro nas mãos de pessoas apressadas pode se tornar uma arma e encher as ruas de sangue, deixar filhas-filhos sem mães-pais e mães-pais sem filhas e filhos. Sempre que entro no carro olho para o céu e o meu coração se enche de amor. E quem ama cuida. Hoje sou eu quem chora, mas quantas já choraram e quantas outras ainda podem chorar! Nossa história somos nós que escrevemos, vamos escrever uma história de amor com a nossa cidade?

A Vida pede cuidados. Cuidemos para que ela floresça! Deixemos que os outonos cheguem naturalmente, sem pressa! Em meio à poesia das primaveras!

*Deusa Ilário, professora e escritora, é tia, madrinha e mãe adotiva da jovem Carol que perdeu a vida bruscamente este semana num acidente de trânsito

  • Deusa, qual é o seu email, pois gostaria de manter contato com você, pessoas como você, que transborda energias boas, a gente não deve te perder de vista. Se você puder, me mande um email dizendo qual é o seu, o meu é [email protected]. Alcinéa, obrigada, ta.

  • Eu gostaria de deixar um grande abraço para essa mulher, exemplo de vida. Obrigada por nos ensinar a ser amorosos com as pessoas e com a vida. Vou deixar um poeminha de Páscoa, de minha autoria. Feliz Páscoa, na medida do possível, para todos.

    PÁSCOA, TEMPO DE ESPERANÇA

    Sementes boas a gerar fertilidade
    Cristãos a praticar benignidade
    A Páscoa é tempo de esperança

    Enlevar-nos em poemas santos…
    Elevar-nos em sublimes cantos…
    de Páscoa, tempo de esperança

    Tornar dóceis os gestos…
    Tornar doces as palavras…
    na Páscoa, tempo de esperança

    Eis as boas-novas em advento!
    Fraternar-nos na temperança
    -e na esperança -ainda em tempo

    A cristandade em festas e orações
    a nutrir de esperanças corações
    Páscoa, tempo de luz

    Fluidificar esperança,
    gratificar ao Salvador
    Páscoa: templo do amor

    A paixão e morte de Jesus
    a nos redimir em perdoadora cruz
    A Páscoa é tempo de esperança

    Páscoa, tempo bom de libertar
    os ressentimentos mesquinhos…

    Bom tempo para banir rancores,
    baixar espadas, aparar espinhos…

    Páscoa das alegrias em luzes inebriadas
    a vencer as agonias em trevas enlutadas…
    A Páscoa é tempo de esperança!

    • PÁSCOA COM AMOR
      A mudança interior que eu quero pra mim,
      que eu quero pra ti
      e que eu quero pro mundo.
      Mudança que embeleza a dança da vida
      e faz tudo ficar bonito mesmo no meio da dor,
      como o lírio que cresce aqui no meu quintal.
      A espiritualidade passeia comigo
      e me tira do castigo de achar que não sou feliz
      Tomo tuas mãos bebo de tuas carícias
      e do teu olhar turvo de magia que tocou
      todas as melodias e fantasias do meu ser poemador.
      As palavras me chegam vazias
      Eu as transformo em poesias
      Que me enchem o coração
      de serenidade, de ternura e de amor.
      O meu silêncio é sinfonia que eu quis viver contigo
      Mas os bichos se soltaram, as letras voaram
      e as palavras partiram-se.
      Tudo nublou
      O voo do pássaro balançou
      e o meu coração partiu por tanta dor
      Na espera do amor que sempre vem,
      não só no chocolate, não só num bilhete de trem.
      Busco na páscoa a minha ressurreição!
      Feliz páscoa!

      Beth, querida, lindo o seu poema! Agradeço pea ternura e carinho!
      Gentileza gera gentileza!

  • Dona Deusa, que Deus lhe conforte nesse momento de dor, assim como toda sua família, estamos trabalhando para dimunuir o índice de acidente de trânsito em nosso Estado, buscando conscientizar as pessoas da responsabilidade que temos na condução de veículos. Um forte abraço desse companheiro.

  • Meu Deus, quanta sabedoria num momento demasiado de dor. Com inteligencia expressa toda indignação de uma mãe que perdeu bruscamente sua filha pela negligência de um motorista despreparado que se diz profissional.

  • Agradeço de coração a todos vocês por este carinho e por estas palavras de consolo. Que Deus abençoe a cada um-uma e que nunca falte, luz, amor e poesia em seus-nossos caminhos! Um beijo carinhoso.

  • Lamento mto por sua perda e me solidarizo com vc, uma vez q qlquer um de nós poderia estar no seu lugar.
    O seu texto é lindo e mto emocionante, um apelo por um trânsito mais consciente em Macapá.

  • Sinto muito por você e sua familia; Sinto muito por mais uma vida que se termina pela violência animalesca de nosso trânsito; pela falta de respeito com a vida humana; sinto muito, sinto muito. Minhas condolências, amiga.Deus lhes dê forças para superar essa dor.

  • Professora Deusa, sinto muito por esta perda. Uma das coisas que mais me chamou atenção foi o fato de a senhora não ter culpado a Deus por isso. Parabéns! Todos deveríamos ter a mesma convicção.
    Prova de que Ele não tem culpa da morte está nos textos bíblicos 1 João 4:8 – “Deus é amor”, e 1 João 5:19 – “o mundo inteiro jaz [no poder] do iníquo”.
    Não deveríamos, jamais, tentar nos consolar, ou consolar a outros dizendo que esta foi a “vontade de Deus”. O sofrimento existe porque não é Ele quem governa este mundo. Mas, quando isso ocorrer e Ele trouxer o Paraíso, uma das primeiras iniciativas será ressuscitar os mortos. Acredite! Leia João 5:28 e 29 – “todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz e sairão”.
    Quanto à Carol, ela não sofre, mas dorme. Eclesiastes 9: 5 diz: “Pois os viventes estão cônscios de que morrerão; os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada…”.
    Que Deus ajude a senhora e à sua família a superar este sofrimento. Forte abraço.

  • Amada amigairmã, nosso colo embala você e toda a sua família,força e fé. Estamos contigo no amor, na solidariedade, no cuidado das vidas.Vamos fazer de nossos corações e de nossa cidade jardins. Fica decretado que… todos somos jardineiros.

  • Deusa, foi emocionante ler o seu texto. Uma reflexão sem ódio, sem revolta, cheia de poesia. Um convite a pensarmos na vida e no “belo” que ela nos oferece. Sua Carol foi uma folha que não chegou a amadurecer-envelhecer, porém ela agora está imersa na vida plena. Deus com sua infinita misericórdia conceda a você a força necessária para superar a dor da perda.
    Graça

    • Concordo com você, encontrei a poeta na Politec esperando para a liberação do corpo de sua afilhada e pensei que essa tragédia nas mãos de Deusa Ilário resultaria num texto maravilhoso como o que ela nos brindou, sem dúvida alguma ela inaugurou o cometário sobre a forma de poesia. Lamento profundamente a sua perda e admiro a sua imensa capacidade de transformar a dor, principalmente essa que chega de maneira ultrajante, em poesia.

  • Deusa,
    Sei o quanto é triste passar por essa etapa da vida, Carol “passou para o outro lado do caminho” , guarde os bons momentos que vocês desfrutaram juntas tenho certeza que ira ajuda-la.
    Aos poucos vou aceitando a separação de alguém que partiu para “o outro lado”, e que deixou grandes lacunas em minha vida . Meus sentimentos. Ilka

  • Deusa das letras, ainda ontem, em uma blitz, parabenizei os distintos policiais que, próximo a um ponto de costumeiro encontro de biriteiros, cumpriam seu mister na cidade, visando coibir essas atrocidades. Parabenizo, também, as irmãs Alcinéa e Alcilene, pelo incansável trabalho, no sentido de ver nossa cidade melhor. Deus te abençoe sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *