Operação Voucher – II

Tá no Estadão:

Investigações da PF e do MPF no Turismo começaram há dois meses

Alcinéa Cavalcante, correspondente de O Estado de S.Paulo

MACAPÁ (AP) – As investigações que resultaram na prisão de 35 pessoas, inclusive o secretário executivo do Ministério do Turismo, Frederico Silva da Costa, envolvidas em desvio de recursos federais, nesta terça-feira, 9, começaram há dois meses. As investigações estão sendo feitas pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal com base em auditoria do Tribunal de Contas da União em convênio, no valor de R$ 4,4 milhões, firmado pelo Ministério com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi).

De acordo com o procurador da República no Amapá, Celso Leal, o convênio foi assinado em 2009 com recursos da União repassados ao Ministério do Turismo por uma emenda da deputada federal Fátima Pelaes(PMDB-AP). O convênio, que era para fomentar a atividade turística no Amapá, não foi executado nos moldes previstos e a auditoria do TCU constatou uma série de irregularidades, como serviços que foram pagos e não executados. Um deles por exemplo é um curso presencial que capacitaria 500 pessoas como multiplicadores que depois ministrariam pequenos cursos em várias cidades do Amapá. O convênio previa também o estudo das necessidades e potencialidades do estado na área de turismo e a partir daí a realização de cursos e serviços para fomentar o setor. A auditoria do TCU e as investigações do MPF e Polícia Federal apontam que o Ibrasi, além de não executar uma série de cursos e serviços, não tem capacidade técnica para um convênio desta envergadura.

Celso Leal disse que as prisões são necessárias para evitar que os envolvidos tentem obstruir o trabalho de investigação e também para manutenção da ordem pública. Alegando que o inquérito policial corre em segredo de justiça, o procurador negou-se a dar detalhes sobre as irregularidades detectadas na execução do convênio, até porque, segundo ele, as investigações ainda não terminaram. “Estamos na fase final das investigações. No máximo na próxima semana concluiremos as oitivas”, disse. Também alegando segredo de justiça, Celso Leal não forneceu a lista dos 35 presos, mas disse que é provável que até amanhã essa lista possa ser divulgada. Mas adiantou que não há indícios de participação de parlamentares no esquema, nem mesmo da deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP), autora da emenda de R$ 4 milhões que foi parar nos cofres do Ibrasi.

Procurada pelo Estado, Fátima Pelaes disse que indicou o Ibrasi para o convênio porque o tinha como um Instituto renomado e que só fez isso porque o Amapá estava inadimplente com a União e por isso não poderia receber o recurso. “Quando vi que o Amapá ia perder esses quatro milhões, indiquei o Ibrasi, mas não tenho nenhum vínculo com esse Instituto”. Ela ressaltou que o credenciamento, fiscalização, acompanhamento e desembolso financeiro pelos serviços contratados, eram de responsabilidade do Ministério do Turismo. O procurador Celso Leal disse a mesma coisa e isentou o governo do Amapá de participar do esquema, lembrando que o dinheiro não passou pelo executivo estadual. Tudo foi feito a nível de governo federal.

 

Prisões –  Dos 38 mandados de prisão foram cumpridos 35. Em Macapá cinco pessoas foram presas, as demais em Brasília eem São Paulo. Os presos preventivos, entre os quais o secretário executivo do Ministério do Turismo, serão ouvidos pela Polícia Federal em Macapá – que é onde tramita o inquérito policial e devem chegar em Macapá ainda nesta terça-feira, mas o horário está sendo mantidoem sigilo. Os que foram presos temporariamente em Brasília e São Paulo não serão recambiados para Macapá.

  • Como sempre, parece que so tem leigos aqui em Macapá e parece historia da pra criança dormir, todos sabem que este valor tem que haver licitação e não indicação politica para uma empresa.
    Infelizmente é uma pena novamente ter nome de politicos do Amapá envolvidos em escandalos.

  • Como ficará o relacionamento da Deputada com o Governo Estadual, diante desse escandalo a nivel nacional. Não acredito na inocencia da Deputada.

  • No dia em que a Allini Calandrini jogadora do Santos vai no programa do Jô ele comenta sobre a operação Voucher, inclusive ele sita o Amapá, que vergonha, esses bandidos tem é que morrer e nao ser preso, só vergonha, e o pior de tudo, que eles estão tranquilos, pq sabem que tudo isso vai da em pizza.. Brasil… Brasil…

  • POR INCRIVEL QUE PAREÇA ATE O JO SOARES FEZ PIADA DO AMAPA E SEU PROGRAMA ELE DISSE ESTAO ROUBANDO DO OIAPOQUE AO CHUI E PARABENIZOU A ATUAÇAO DE POLICIA FEDERAL PELAS PRISOES REALIZADAS NO AMAPA MAIS UMA VEZ O ESTADO FOI UMA PIADA ATE EM NIVEL NACIONAL E PLATEIA APLAUDIU DE PE ISSO SIM E QUE E UMA VERDADEIRA DEMOCRACIA ISSO SE DEU NO PROGRAMA DO JO SOARES NA REDE GLOBO.

  • Alcinea

    A PF já fez centenas de operações. Mudam os atores, mas a novela é a mesma. Partindo desse pressuposto, penso o seguinte:

    Assim como é esperado que o tigre ataque a gazela, também é esperado que o rato esteja sempre na imundicie. Da mesma maneira, é esperado que o político roube, que seja corrupto. Quero dizer com isso que não devemos nos supreender com algo que é parte da natureza do ser, do que é esperado. Então, se tigres estão comendo muitas gazelas e não queremos isso, porém não podemos matar o tigre, então temos que nos voltar

  • Neste instante, assisto uma reportagem na Globo News em que o Presidente do Senado inquirido pelo repórter sobre nunca um governo em tão pouco tempo houvesse tanto escândalo o mesmo respondeu:”Não vou puxar por minha memória para responder”, os políticos do PT se arvoraram em dizer que houve exagero da PF e abuso de poder, enquanto Marta Suplicy se escondeu no banheiro para não responder sobre seu protegido que está no Ministério há tempos e está preso. Haja cinismo.

  • Será?! Ibrasi. Tá muito nebuloso… Começou a tormenta, não vejo nada em minha frente. Amapá, Macapá… De novo!!! “Indagorinha” vim da igreja, rezei, orei… Valei-me Deus!

  • Dificil acreditar na isenção da Fatima Pelaes. Como que uma Deputada destina uma verba de 4 Milhoes e sequer checa a existência da empresa? E pior não fiscaliza a utilização do recuros? Pra esclarecer, Fátima destinou a verba para a empresa pois o Estado estava inadimplente, mas sequer checou se de fato os treinamentos ocorreram, se o uso dele foi correto!! E assim as máscaras vão caindo….

    • Realmente, Turista por aqui só os(Índios da Reserva – Parque do Tumucumaque – Pará) … e essa dinheirama toda onde foi aplicada??? Cadeia nesses Ladrões!!!!!!!!!

    • E, não custa lembrar, queria ser cotada ao TCU. E os bairristas idiotas, ou os mal intencionados, adorando, comemorando, parabenizando. E por essas e muitas outras…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *