Poesia na Unifap

Movimento Poesia na Boca da Noite e projeto  “Quartas Pedagógicas” se juntam hoje, a partir das 18h no “lugar bonito” da Unifap (em frente ao laboratório de Pedagogia) para declamar e dizer muita poesia. É lá que estenderemos o Pano da Vida, o Pano da Poesia e o Varal e junto com alunos e professores da Unifap vamos declamar e dizer muitos poemas, espalhando ternura e lirismo naquela Universidade.
A iniciativa é do professor Adalberto Ribeiro, que coordena o  “Quartas Pedagógicas”, um projeto  que tem a pretensão de quebrar a rotina formal das aulas. “Descontração, aprendizagem, cultura, amizade, congraçamento fazem parte do Quarta Pedagógica”, diz o professor.
Todos os poetas e amantes da poesia estão convidados.

  • A parceria foi um sucesso. A noite muito agradável com tantos poetas reunidos. Aguardem os certificados e as fotos também. Agradeço a todos do POESIA NA BOCA DA NOITE. Valeu!

  • Amiga, não pude voltar para declamar o poema do Manuel Bandeira. Por isso, posto aqui:
    O pardalzinho
    O pardalzinho nasceu
    Livre. Quebraram-lhe a asa.
    Sacha lhe deu uma casa,
    Água, comida e carinhos.
    Foram cuidados em vão:
    A casa era uma prisão,
    O pardalzinho morreu,
    O corpo Sacha enterrou
    No jardim; a alma, essa voou
    Para o céu dos passarinhos!

    Tanta ternura e tanta simplicidade do nosso poeta! Esse poema marcou minha infância. Obrigada por ter ido à Unifap. Bjs.

  • sou livre sou bela, sou sol, sou estrelasou lua aventureira,sou cachoeira,sou mar,sou criança que embora triste sou a mais belas das dasestradas que a vida me deu.

  • parabens alcinéa pelo movimento poesia na boca da noite e a turma do projeto ” Quartas Pedagógigas”, sempre acompanho o movimento poesia na boca noite atraves do seu site fico orgulhoso em ver pessoas como voces lutando pela nossa cultura, voce alcinéa, osvaldo, rostan, ricardo, professora zaide que foi minha diretora na época em que trabalhei no teatro das bacabeiras e tantos outros que lutam pela poesia amapaense, é nessa hora da orgulho de ser amapaense (cabloco tucuju), em quando isso nosso carnaval??????????????.

  • A noite, conclamo para o horizonte,
    Em busca de uma razão,
    Defronte para o poente,
    Abrindo o meu coração.

    Vejo no céu,
    Estrelas de minha infância,
    Tiro o véu,
    E volto a ser criança.

    Com os meus amigos,
    Entonamos a voz,
    Formamos um coral de sustenidos,
    Para afastarmos o algoz.

    Gostou? Fiz agora!

    Abraços e parabéns pela iniciativa!

  • Alcinéa, parabéns pela iniciativa de declamar frases ao ar que iluminam o nosso dia a dia. Eu apoio muito estas iniciativas, até porque muitas vezes só nos acostumamos a expressar os nossos sentimentos, incertezas, sucessos e fracassos quando estamos sozinhos conversando com o nosso coração. Mas sem dúvida, a arte não pode morrer, nunca.
    Alcinéa, você é:

Deixe uma resposta para tiseruus Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *