Pra debater sobre a CEA

Leitor pede que seja aberto um espaço no blog para  debate sobre a situação da Companhia de Eletricidade do Amapá.
Eis o que ele escreveu na caixinha de comentários:
“Poxa, Alcinea!! Freqüento bastante o seu blog, respeito e adimiro vários pontos de vistas inseridos ao longo do mesmo… Porém, acho que vc deveria abrir um espaço no seu blog para se comentar a REAL situação da CEA! Estamos na iminência da privatização… Os técnicos da Eletrobrás e do Ministério de Minas e Energia foram bastante claros sobre esta questão! Não é hora para ignorar tal situação… Devemos sim, nos unirmos e ganhar mais força para tentar ainda salvar essa empresa que é nossa, e sem ela (ou seja, ela privatizada) o nosso futuro será mt incerto!!! Pense nisso…”

Taí. O espaço tá aberto. Podem debater à vontade aí na caixa de comentários.

  • Caros colegas!!!

    Existe uma quadrilha instalada dentro da CEA. Eles controlam tudo, desde a empresa que ganha as licitações… até os famosos 10 % que a diretoria da empresa divide com os seus padrinhos políticos…. CADÊ O MINISTÉRIO PÚBLICO ??? CADÊ O TRIBUNAL DE CONTAS??? Não quero imaginer se estiverem tomando um cafezinho na sede do PT ou na sede do PP!!!!!!!!!

  • É visível que todos – empregados, funcionários, fornecedores, devedores – desejam apenas salvar suas peles e continuar como está passando apenas de estatal para federal. A privatização, sem descartar a ação do Ministério Público, é o caminho adequado.

    • E VC PENSA EM QUEM?EM SALVAR O MUNDO?VC SERIA CAPAZ DE SE SACRIFICAR PARA SALVAR OS OUTROS?TODOS NÓS SÓ PENSAMOS NO NOSSO BEM ESTAR E DOS NOSSOS FAMILIARES,QUANDOP TEM UM REVOLVE REM SUA CABEÇA, VC VAI PENSAR QUE O BANDIDO ESTA LHE ASSALTANDO POR PROBLEMAS SOCIAIS?

  • EITA QUE OS CHACAIS SE DIVERTEM SE ACUSANDO E TANTO DESVIO DE VERBA NESSE GOVERNO! É POR ISSO E OUTRAS COISITAS QUE ELE ESTAR FALIDO.

  • O que os ciddãos amapaenses tem que saber é que temos programas sociais como o luz para viver melhor, temos a menor tarifa do brasil e isto custa caro aos cofres da CEA, temos que lutar para que ela seja saneada em suas dívidas, temos que adotar a partir daí um planejamento de auto sustentabilidade e temos que principalmente que este patrimônio é nosso, do povo do Amapá.

    • É triste saber que algumas pessoas desinformadas defendem a bandeira da privatização,então vamos lá:

      1 No Pará o Slogan da privatização da CELPA era que os serviços iriam melhorar….(MENTIRA), pois os prazos para atendimento aos clentes são demorados, o Sistema Elétrico (No Pará) está comprometido (Subestação da Pedreira pegou fogo ano passado, posteamento e alimentadores sobrecarregados, Subestação de Mosqueiro com sobrecarga, pois mosqueiro é uma àrea que so dá lucro em Julho,Subestação de Marudá com sobrecarga, pois Marudá é uma àrea que so dá lucro em Julho, Transformadores que queimam ou dão problema em áreas humildes(periféricas) são consertados tardiamente.

      2 Bônus que a população de Belém ganhou com a privatização R$ 0,42 KWH O PREÇO DA TARIFA

      3 A telefonia fixa foi privatizada no Brasil, hoje em dia você primeiro fala com um computador e GRITA para ele entender o problema que você quer resolver (detalhe: a central fica em Fortaleza).

      4 Tem gente defendendo a privatização, pois deu certo na Inglaterra (País de Primeiro Mundo), acorda amigo estamos no Brasil !!!!!

      5 Telefonia Móvel é privatizada bem verdade, contudo o serviço e oferecido por diversas operadoras e existe uma coisa chamada concorrência.

      6 E não pensem que se a CEA for PRIVATIZA o Amapá estará livre do débito imenso de R$ 1.250.000.000 (Hum Bilhão e Duzento e Cinqüenta Milhões).

      7 Saída é FEDERALIZAÇÃO e a dívida ser quitada com a RGR que é um fundo da Eletrobrás, mas para isso a saída deve ser política, basta Governador e demais políticos entregarem a CEA e em contrapartida a dívida não ficaria para o Amapá

      Está ai o link:

      http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=23695&codp=21&codni=3

      Se funcionou lá por que não vai dar certo aqui !!!

  • è certo que não dá mais pra esperar a BOLA DE NEVE andar do jeito que tá, mas se om gorverno federal já deu perdão a bancos, porque não da a uma empresa que tem seu papel como sendo Social, pois energia eletrica é Necessidade Básica, e os Bancos que tiveram suas dividas perdoadas foram tomados para si pelo governo federal?

  • Vejo que alguns aqui estão se contradizendo. É consenso que o que afundou a CEA foi a política instalada no seio da companhia. E aqui é o ponto crucial da questão: federalizando, a empresa passaria para as mãos do Governo Federal e, fatalmente, manteria-se a política. É facil visualizar o cenário. Cada órgão público é diretamente ligado a um partido da base governista. Não seria diferente com a CEA. Não sejamos ingênuos, o governo federal não vai bancar milhões de reais de dívidas de uma empresa que não vai dar nenhum retorno. Afinal, como defendem os “federalistas”, o Amapá não dá lucro!

  • Muito me preocupa uma “Audiência Pública” em que o Sr. Peri é aplaudido. Só que não te conhece que te compre, ou melhor, que te aplauda.

    • Com certeza tú deves ser um funcionário comissionado que não tem compromisso com a empresa… apenas está lá por indicação política!!!!!!!!

    • Caros colegas!!!

      Existe uma quadrilha instalada dentro da CEA. Eles controlam tudo, desde a empresa que ganha as licitações… até os famosos 10 % que a diretoria da empresa divide com os seus padrinhos políticos…. CADÊ O MINISTÉRIO PÚBLICO ??? CADÊ O TRIBUNAL DE CONTAS??? Não quero imaginer se estiverem tomando um cafezinho na sede do PT ou na sede do PP!!!!!!!!!

  • Recife-PE, 20 Jun 10.

    Prezado Sr Mundico.
    Inicialmente, que agradecer-lhe pelo elevado espírito critico com o qual o Senhor repercutiu acerca das minhas posições, muito grato pela decência cidadã.

    Entretanto prezado senhor Mundico, devo confessar que me causou estranheza a postura segundo a qual o senhor se refere ao bem público, coloca-o a nível ditatorial, quero entender melhor as ideias que permeiam a sua postura.

    Ora, a ideia de que sobre o, “bem público não serve para o Brasil.” De imediato me surgem dois questionamentos:
    1. Qual o modelo serviria ao país?
    2. Ou deveríamos considerar o País, um grande Shopping Center; o qual deverá ser regido pela lógica de mercado?
    Pois a percepção que fica em relevo no seu discurso é que o Estado é incompetente para administrar e somente o setor privado tem faculdades para essa atividade. Logo o bem público ficará melhor nas mãos da iniciativa privada. Em assim sendo teremos um estado privado Sr. Mundico!

    Prezado Sr Mundico, penso que ver as coisas dessa forma seria equiparável a continuarmos dando soro caseiro pra tratarmos doenças parasitarias. Pois estaríamos atacando as conseqüências e não as causas dessas labéus sociais.

    Quando o Sr afirma que “no Brasil não funciona desse jeito”. Dá-me a sensação de que aqui (Brasil), no que se referem ao bem público as coisas são às avessas. Ora Sr Mundico, se assim o são, então em verdade o que estamos fazendo aqui? Se sabemos que nada funciona, nada dá certo e que tudo está errado! Das duas uma, ou nós também somos beneficiários dessa bagunça generalizada ou nós também somos suficientemente irresponsáveis para permitirmos que coisas muito erradas estejam acontecendo em nossa volta sem que nada façamos!

    Não me vejo em nenhuma dessas duas posições. Penso que o bem público pertence ao país e a seus cidadãos e que os políticos que nós colocamos nas casas legislativas ou nos palácios (direta ou indiretamente nós os elegemos) são tão somente administradores desses bens, e como administradores eles são responsabilizáveis pelo sucesso ou insucesso na administração.

    Compete a nós enquanto sociedade escolhermos melhor os nossos representantes, pois é isto que pressupõem as democracias representativas e esta responsabilidade está cravada no pacto federativo. Não temos ente federados escravos.

    Se tivermos provas de que alguém está furtando algo na vizinhança devemos denunciar à Polícia, o mesmo raciocínio se aplica ao bem público. Do contrario somos co-responsáveis pelo que está acontecendo.

    Tenho profundo respeito e admiração pela postura do Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União. Ambos têm canal direto com o cidadão, faça as suas denuncias que eles as investigaram.

    Não poderei concordar com o Sr quanto ao discurso de que “A empresa pública nesse país não consegue dar lucro nem atingir o objetivo pelo qual foi criada.”
    Tomemos por base apenas a PETROBRAS e o BANCO DO BRASIL.

    Não há registro de que a petrolífera tenha entrado em bancarrota, ao contrario ela é atualmente a quarta maior do planeta em sua área de competência entre outros aspectos que possivelmente o Sr já se inteirou.

    Com relação ao BB, que pese o foto da família real portuguesa ao regressar a Europa, tê-lo quebrado. Hoje ele está entre os três maiores do país.

    Permita-me citar a EMBRAPA, líder em pesquisas e desenvolvimento de tecnologias.
    Sem mais comentários para o momento!

    Com relação ao seu comentário de que “O Brasil é um país que é saqueado desde que foi descoberto”.

    Cabe um singelo esclarecimento histórico. Nós nunca fomos descobertos por Cabral, havia muito tempo que os Europeus já andavam por essas terras, esse é um tema amplamente conhecido. Veja o próprio caso do nosso Amapá, no qual consta que Pizón aportou nas terras Tucuju em data anterior a esquadra Cabralina.

    Prezado Sr. Mundico, penso que fundamentalmente estamos diante da premente necessidade de mudança de mentalidade. Nós somos sim responsáveis pelas más ações dos nossos políticos, nós os colocamos no poder ou na melhor das hipóteses nós ajudamos a colocarem-nos no poder. Caso o Sr se pergunte como se deu essa barbárie. Eu lhe respondo. Em todas as oportunidades em que nós deixamos de LUTAR: Lutar por escolas de boa qualidade para nossos filhos e para a sociedade; Lutar pra mudar essa mentalidade tacanha de que aos “políticos” tudo e à sociedade somente as sobras; Lutar por ética na vida pública; Lutar por instituições fortes; Lutar por uma democracia ampla e que reconheça em cada um de nós um cidadão; Lutar por saúde pública na qual o cidadão seja tratado como consumidor e não como pedinte; Lutar por respeito e responsabilidade no trânsito; Lutar por transparência na administração do bem público; Lutar pela aplicabilidade das leis; Lutar por um meio ambiente desenvolvido com responsabilidade e respeito às populações tradicionais; Lutar por respeito aos idosos e as crianças. Em suma Sr Mundico, as Más administrações da CEA, são apenas um ínfimo aspecto de má gestão pública e de ausência completa de cidadania do nosso “povo” que tudo vê e nada faz pra impedir que tal estado de coisas continuem a acontecer.

    Penso que com relação ao passado não há nada que possa ser feito para mudá-lo.

    Entretanto podemos fazer muito para responsabilizarmos os maus gestores, podemos sim, acredite!
    Penso também que temos a oportunidade de fazermos muito com relação ao futuro do nosso estado, do nosso país e da humanidade.

    Não acredito na tese segundo a qual. Não é comigo deixa como está.

    É sim com todos nós, somos os responsáveis pelos nossos destinos e das gerações que estão por vir. Teremos perdido essa guerra o dia em que desistirmos de lutar. Não me peça isso, prezado Sr Mundico!

    Atenciosamente,

    Gleudson Almeida é formado em Publicidade e Propaganda e é Especialista em Comunicação Política.

    Gleudson Almeida – Cidadão

  • Um recado para “Federalização Já”: se você discorda das opiniões das pessoas, rebata com ideias, não com agressões.
    Só pra constar, “Disfunção” foi estagiário da CEA e só saiu de lá porque foi aprovado em concurso e hoje é funcionário público federal.

  • A democracia nos proporciona isso: um monte de idiotas comentando coisas sem o devido conhecimento, e nem precisa ser de causa. Amigos, como pode sobreviver uma empresa, onde um diretor comissionado ganha aproximadamente R$ 10.000,00 reais? Uns tucanos caras-de-pau, justamente o discurso de sempre, de que só vendendo patrimônio público, ele pode se soerguer; papo de canalhas, olha a Petrobrás, os Correios, que só não foram vendidos por que FHC não elegeu o seu sucessor em 2.002. Estão ai pujantes, servindo de parâmetro para qualquer outra empresa pública, e basta querer para se conseguir uma boa gestão. Todos sabem que a CEA já elegeu Joel, Hélio, Luizinho, e elege mesmo: uma gama incrível de cargos comissionados, serviços superfaturados e se dividindo depois o “lucro”, e as mazelas continuam, e me vem esse presidente da Assembléia apresentar incrivelmente em poucos dias a solução para tudo, de um cretino que passou no mínimo dois mandatos atrás de seu jabá (DESAFIO), e o restante que se exploda. É muito ser cara de pau, não só ele como vários que ali bradavam blasfêmias e bravatas sem fim….

  • Capiberibe seria a força política do Amapá no senado capaz de denunciar e lutar contra a aprivatização de CEA. Porém, forças (Sarney)ocultas retiraram o Capi de cena. Na implantação da ditadura militar no Brasil também assassinaram alguns líderes que não permitiriam a o sucesso do golpe militar.

  • Pilantras que hoje pousam de políticos, tanto na assembléia e congresso foram responsáveis pela falência da CEA. É só verificar quem é quem de todos que passaram por ela. TEM QUE FAZER UMA DEVASSA E SABER HISTÓRICAMENTE O QUE ACONTECEU E PUNIR OS RESPONSÁVEIS. NÃO DAR PRA ACEITAR E FECHAR OS OLHOS APENAS PRIVATIZANDO A CEA.

  • O interessante é que essa dívida se deu em forma de bola de neve, onde entrou governo e saiu governo e nada foi feito para sanar tal situação, agora é mais quem quer lutar pela CEA quando todos foram coniventes por muito tempo, principalmente nossos ilustres deputados. É no mínimo irônico, os mesmos que se dizem hoje defensores da CEA, são os mesmos que aceitaram por tanto tempo que a mesma se tornasse o maior “cabide de empregos” do Amapá, graças a “bendita” harmonia. Sou a favor da privatização sim, e concordo que os servidores concursados sejam absorvidos por outros orgãos do governo, o que não pode mais acontecer é o povo ter que pagar a conta por causa do descaso de nossos “caras de pau” governantes, que deixaram a CEA nessa situação. Federalizar só vai resolver a situação dos irresponsáveis que a faliram e vai dar no mesmo, sempre serão indicações políticas e não ha garantia de melhoria nos serviços, sendo que nem a própria eletronorte presta um serviço de qualidade.
    Chega de ipocrísia! Nessa época é mais quem quer pagar de herói do Amapá, mas esses mesmos “heróis” são os responsáveis diretos e indiretos pelo afundamento da CEA. ABRAM OS OLHOS PARA A AMPREV!!!

  • Gleudson. Bonito discurso o seu, mas não serve para o Brasil. A idéia de bem público – propriedade comum do povo, é interessante e funciona bem em governos ditatoriais em que a população, ao falso argumento de que está cuidando do que é seu, mantém ditadores que lhes fornecem o mínimo para sobreviver. No Brasil a coisa não funciona desse jeito. Aqui o bem público não pertence a todos. É uma falsa idéia que se abateu sobre a cabeça de alguns. A empresa pública nesse país não consegue dar lucro nem atingir o objetivo pelo qual foi criada. Talvez seja um problema de todos nós de não sabermos escolher nossos governantes. É um caso a ser pensado. Exemplo disso é a CEA, que pelo menos aqui no Amapá sempre esteve nas mãos do PT, talvez o maior opositor das privatizações ocorridas no governo FHC. Com o PT a CEA foi enterrada e não nos pertence mais já que não se pode dizer que somos donos de algo quando se deve mais que seu próprio valor. Perceba que me refiro ao patrimônio, do qual está excluída a concessão, já atingida pela caducidade – e talvez o maior componente dos ativos da CEA – o direito de explorar o serviço. Os demais bens se depreciam com o tempo e pouco valem quando não se pode mais utilizá-los. Assim, o discurso típico de militantes não se aplica à prática. O Brasil é um país que é saqueado desde que foi descoberto e isso está cravado na sua cultura política. Não se pensa no bem público como algo que possa servir a todos, mas em algo que possa ser servido a todos do poder, até que se esgote. Infelizmente me obrigo a reconhecer que a privatização é o caminho mais curto para diminuir o que devemos já que somos “proprietários da CEA”, empresa que deve mais de um bilhão de reais e que me arrisco a dizer, no caminho que está indo não sobrará nada. A CEA é como um carro velho. Só dá despesa ! Prefiro as privatizações, como o Yahsá, já que hoje podemos ter pelo menos um serviço de qualidade e acessível a todos. Pergunte-me se pagarei mais por isso que te responderei que não. No encontro entre débitos e créditos, certamente o meu saldo seja positivo. Manter a CEA para que ? Para eleger um Deputado Estadual e um Federal a cada quatro anos ? Isso é conversa mole para boi dormir.

    • Desculpe:

      favor considerar “já que poderemos ter pelo menos um serviço de qualidade e acessível a todos”

      “saldo será positivo”.

    • Recife-PE, 20 Jun 10.

      Prezado Sr Mundico.
      Inicialmente, que agradecer-lhe pelo elevado espírito critico com o qual o Senhor repercutiu acerca das minhas posições, muito grato pela decência cidadã.

      Entretanto prezado senhor Mundico, devo confessar que me causou estranheza a postura segundo a qual o senhor se refere ao bem público, coloca-o a nível ditatorial, quero entender melhor as ideias que permeiam a sua postura.

      Ora, a ideia de que sobre o, “bem público não serve para o Brasil.” De imediato me surgem dois questionamentos:
      1. Qual o modelo serviria ao país?
      2. Ou deveríamos considerar o País, um grande Shopping Center; o qual deverá ser regido pela lógica de mercado?

      Pois a percepção que fica em relevo no seu discurso é que o Estado é incompetente para administrar e somente o setor privado tem faculdades para essa atividade. Logo o bem público ficará melhor nas mãos da iniciativa privada. Em assim sendo teremos um estado privado Sr. Mundico!

      Prezado Sr Mundico, penso que ver as coisas dessa forma seria equiparável a continuarmos dando soro caseiro pra tratarmos doenças parasitarias. Pois estaríamos atacando as conseqüências e não as causas dessas labéus sociais.

      Quando o Sr afirma que “no Brasil não funciona desse jeito”. Dá-me a sensação de que aqui (Brasil), no que se referem ao bem público as coisas são às avessas. Ora Sr Mundico, se assim o são, então em verdade o que estamos fazendo aqui? Se sabemos que nada funciona, nada dá certo e que tudo está errado! Das duas uma, ou nós também somos beneficiários dessa bagunça generalizada ou nós também somos suficientemente irresponsáveis para permitirmos que coisas muito erradas estejam acontecendo em nossa volta sem que nada façamos!

      Não me vejo em nenhuma dessas duas posições. Penso que o bem público pertence ao país e a seus cidadãos e que os políticos que nós colocamos nas casas legislativas ou nos palácios (direta ou indiretamente nós os elegemos) são tão somente administradores desses bens, e como administradores eles são responsabilizáveis pelo sucesso ou insucesso na administração.

      Compete a nós enquanto sociedade escolhermos melhor os nossos representantes, pois é isto que pressupõem as democracias representativas e esta responsabilidade está cravada no pacto federativo. Não temos ente federados escravos.

      Se tivermos provas de que alguém está furtando algo na vizinhança devemos denunciar à Polícia, o mesmo raciocínio se aplica ao bem público. Do contrario somos co-responsáveis pelo que está acontecendo.

      Tenho profundo respeito e admiração pela postura do Ministério Público Federal e Controladoria Geral da União. Ambos têm canal direto com o cidadão, faça as suas denuncias que eles as investigaram.

      Não poderei concordar com o Sr quanto ao discurso de que “A empresa pública nesse país não consegue dar lucro nem atingir o objetivo pelo qual foi criada.”
      Tomemos por base apenas a PETROBRAS e o BANCO DO BRASIL.
      Não há registro de que a petrolífera tenha entrado em bancarrota, ao contrario ela é atualmente a quarta maior do planeta em sua área de competência entre outros aspectos que possivelmente o Sr já se inteirou.

      Com relação ao BB, que pese o foto da família real portuguesa ao regressar a Europa, tê-lo quebrado. Hoje ele está entre os três maiores do país.

      Permita-me citar a EMBRAPA, líder em pesquisas e desenvolvimento de tecnologias.

      Sem mais comentários para o momento!

      Com relação ao seu comentário de que “O Brasil é um país que é saqueado desde que foi descoberto”.

      Cabe um singelo esclarecimento histórico. Nós nunca fomos descobertos por Cabral, havia muito tempo que os Europeus já andavam por essas terras, esse é um tema amplamente conhecido. Veja o próprio caso do nosso Amapá, no qual consta que Pizón aportou nas terras Tucuju em data anterior a esquadra Cabralina.

      Prezado Sr. Mundico, penso que fundamentalmente estamos diante da premente necessidade de mudança de mentalidade. Nós somos sim responsáveis pelas más ações dos nossos políticos, nós os colocamos no poder ou na melhor das hipóteses nós ajudamos a colocarem-nos no poder. Caso o Sr se pergunte como se deu essa barbárie. Eu lhe respondo. Em todas as oportunidades em que nós deixamos de LUTAR: Lutar por escolas de boa qualidade para nossos filhos e para a sociedade; Lutar pra mudar essa mentalidade tacanha de que aos “políticos” tudo e à sociedade somente as sobras; Lutar por ética na vida pública; Lutar por instituições fortes; Lutar por uma democracia ampla e que reconheça em cada um de nós um cidadão; Lutar por saúde pública na qual o cidadão seja tratado como consumidor e não como pedinte; Lutar por respeito e responsabilidade no trânsito; Lutar por transparência na administração do bem público; Lutar pela aplicabilidade das leis; Lutar por um meio ambiente desenvolvido com responsabilidade e respeito às populações tradicionais; Lutar por respeito aos idosos e as crianças. Em suma Sr Mundico, as Más administrações da CEA, são apenas um ínfimo aspecto de má gestão pública e de ausência completa de cidadania do nosso “povo” que tudo vê e nada faz pra impedir que tal estado de coisas continuem a acontecer.

      Penso que com relação ao passado não há nada que possa ser feito para mudá-lo. Entretanto podemos fazer muito para responsabilizarmos os maus gestores, podemos sim, acredite!

      Penso também que temos a oportunidade de fazermos muito com relação ao futuro do nosso estado, do nosso país e da humanidade.

      Não acredito na tese segundo a qual. Não é comigo deixa como está.
      É sim com todos nós, somos os responsáveis pelos nossos destinos e das gerações que estão por vir. Teremos perdido essa guerra o dia em que desistirmos de lutar. Não me peça isso, prezado Sr Mundico!

      Atenciosamente,

      Gleudson Almeida é formado em Publicidade e Propaganda e é Especialista em Comunicação Política.

      Gleudson Almeida – Cidadão

      • Prezado Gleudson
        Muito embora ache que o blog não seja o espaço adequado para que discutamos de forma tão aprofundada a gestão da coisa pública no Brasil, vejo que seu comentário merece uma pequena resposta. De início, reconheço que a Petrobrás e o Banco do Brasil são dois poucos e bons exemplos de empresas públicas que se firmam como instituições sólidas no contexto nacional e internacional. Contudo, suas estruturas e importâncias para a economia, sobretudo na área petrolífera, talvez não permitam tanta manipulação política como ocorre com outras empresas (ainda que isso exista), a exemplo das teles e empresas de energia elétrica como a CEA. Confesso que relativamente à Petrobrás também tenho minhas restrições, pois penso que sua administração poderia ser muito melhor de forma a proporcionar aos seus “proprietários” (o povo como você insiste em afirmar), produtos mais acessíveis. Somos grandes produtores de petróleo mas pagamos muito caro por ele. E nem precisamos discutir muito. Isso é fato ! Talvez tenhamos uma das gasolinas mais caras de todo o mundo e isso me leva a pensar que não é grande coisa ser dono de algo e pagar muito caro para tê-lo.
        Na verdade, mantenho a minha convicção que as empresas públicas no Brasil alimentam os sonhos escusos de poucas pessoas. Respeito a sua visão protecionista, mas não consigo acreditar que é possível mudar. O Brasil é um país castigado pela corrupção e pela incompetência na administração de seus bens. Não adianta tentar ocultar o que é tão evidente. Políticos há que defendem idéias muito boas, mas já cansamos de elegê-los sem qualquer resultado prático. E respondendo ao seu questionamento sobre o que estamos fazendo aqui, diria que somos apenas expectadores da violação dos nossos direitos. O que podemos fazer ? Sinceramente, desde a época em que eu ainda era jovem já lutava nos diretórios estudantis por algo diferente. O resultado disso foi que formamos partidos que se partiram e que começaram a brigar uns com os outros em busca de poder – PT, PCB, PC do B, PSOL, PSTU, etc. Com isso, deixei de sonhar. Prefiro viver o dia de hoje e pensar que talvez um dia tudo isso mude. Mantenho as minhas convicções e procuro fazer a minha parte tentando escolher melhor. Mas falo por mim e não me permito mais defender o bem público como se meu fosse, pois não é. Se não trabalho não como, não visto, não falo ao telefone, não pago a minha conta de luz e não posso mais pagar a escola particular para os meus filhos. A escola pública que estudei não tem vaga nem para os miseráveis, imagine para os pobres como eu. É legal a defesa que você faz, mas isso é sonho e sinceramente não tenho mais tempo para isso.
        Mundico Simplício Pitauá. Brasileiro, graduado na escola da vida, pós graduado em tentativas de acerto, Mestre em não acreditar nos que se dizem santos, Doutor em se livrar da esperteza alheia e livre docente da escola dos ateus políticos.

        • Prezado Sr Mundico.

          Aceite os meus mais sinceros respeitos por suas posturas.

          Mesmo que, me permito desconcordar do Sr no tocante ao espaço adequado e a singelos aspectos elencados pelo Sr. Pero, lhe devo deferência enquanto cidadão e às suas opiniões. Saiba que reconheço os valores empíricos sobre os quais o Sr enverga os seus posicionamentos.
          Inegavelmente temos posturas e visões diferentes, em verdade acerca de certos pontos estamos em campos diametralmente opostos e não tentarei dissuadi-lo de suas posturas. Ainda que reconheço dados objetivos comuns. Penso que é tempo de prosseguirmos em nossas buscas.

          Satisfação pela sã discussão.

          Gleudson Almeida é formado em Publicidade e Propaganda e é Especialista em Comunicação Política.

          Gleudson Almeida – Cidadão

  • Recife,PE, 19 Jun 10.

    Possível solução

    O que há de positivo em um eventual processo de privatização.

    Bem em se considerando a perspectiva da iniciativa privada, e tomando como exemplo o Vale que alguém já citou anteriormente, é lugar comum constatarmos que não há registro na história da humanidade de tamanha “bondade” para com um grupo privado feita pelo poder público. Seria algo comparável as Sesmarias. Contudo as Sesmarias precisavam ser trabalhadas desde os primeiros passos: a terra precisava ser conquistada dos gentílicos Tupi, ser “arada”, ser “semeada”, ser cuidada, para somente depois desse processo, começar a dar frutos. Com uma Mineradora do porte da Vale, todo trabalho a ser realizado foi manter os trens nos trilhos.

    Entretanto tomando como referencia a perspectiva do cidadão comum, vejamos, por exemplo, a dona Maria e o seu João, Maria aqui usado como nome comum de mulher e João como nome comum de homem. Pois bem, dono Maria ao comprar 1 Kg de farinha de mandioca pra fazer chibé e o seu João ao comprar um litro de açaí, estão pagando algo em torno de 40% em impostos aos cofres públicos, e que em tese devem retornar em forma de benefícios à eles e à sociedade a que eles pertencem, até aqui tudo bem.

    Nós por experiência própria sabemos que os impostos que a Dona Maria e o Seu João pagaram ao adquirirem os mais elementares artigos para sua alimentação, não retornaram a eles em forma de serviços e assistência do Estado. Faltam remédios, faltam leitos, faltam escolas, falta segurança. Sobra violência e ausência do Estado.

    Ainda usando os nossos dois personagens, vejamos anteriormente a eles, as pessoas que estavam aqui antes deles, antes de mim e antes de você, foram essas pessoas que com os seus trabalhos e esforços contribuíram pra erguerem as “CEA’s” da vida. Agora coloquemos nessa relação às gerações futuras que têm o direito de receberem a herança pelo trabalho de seus antepassados. Pois bem:

    Mais um aspecto, segundo todos nós que acompanhamos os processos de privatizações realizados no país contemporaneamente, tivermos a oportunidade de verificar que antes das empresas públicas serem vendidas à iniciativa privadas, todas elas, todas sem exceção receberam generosas quantias de recursos públicos via BNDES. Outra vez os impostos que você, os nossos personagens e eu pagamos, estão presentes.

    Contudo, continuam não sendo usados em nosso favor. Pois bem, com a entrada em cena o BNDES para subsidiar a aquisição das empresas públicas o processo segue o seu rumo “normal”. Esses subsídios são feitos com dinheiro público. Que por ser público não pertencem a governo nem a partidos políticos pertencem a sociedade, pertencem aos seus Joãos e as donas Marias.

    Posto. A iniciativa privada, financiada com os teus e os meus impostos tornou-se dona do patrimônio público, que fora construído com o esforço de gerações inteiras e essas gerações não foram consultadas sobre o que fazer com as empresas públicas. Lembremo-nos que as estatais não pertencem ao Governo, seja ele quem for as estatais pertencem a sociedade e a sociedade é constituída pelas pessoas, constituída por gente, constituída por seres humanos e não por seres inanimados.

    E mais. Quando um governo vende um bem público, está se desfazendo de um patrimônio que foi construído por todas aquelas gerações que vieram antes e o mais grave está privando as gerações que estão chegando de terem em seus legados esses mesmo bens públicos que não são públicos por acaso, são públicos por que pertencem a todas as donas Marias e a todos os seus Joãos.

    Ainda mais grave, no processo de privatização que teve lugar em terras tupiniquins, exceção feita a privatização da CELPE em Pernambuco da qual o dinheiro foi usado para duplicação da BR 232. Em que lugar foi posto o dinheiro que o BNDES emprestou à iniciativa privada para comprar as estatais; os governos que venderam as estatais, onde colocaram o dinheiro apurado com a venda?
    Voltando ao caso da Vale, que vale lembrar, é um crime, se não abrangido pelos diplomas legais, ainda assim é um crime contra as gerações futuras, vender o País IN NATURA, pois junto com o maquinário e os prédios foram vendidos os direitos de exploração das jazidas e as próprias jazidas localizadas nas regiões nas quais a Vale atua.

    Percebamos o seguinte. As gerações futuras, brasileiros como você e como eu, não poderão questionar a retirada das jazidas minerais de nosso país, porque, um dado governo vendeu o patrimônio público e nós não fomos consultados, e essa mesma geração poderá e com razão nos questionar. Vovô, vovó, tio, tia, como o senhor pôde ter silenciado ante a venda IN NATURA do nosso país á um grupo estrangeiro?

    A boa noticia é que provavelmente você só terá que responder a essa e a outros questionamentos daqui a muito tempo e até lá você já terá tido tempo suficiente e bastante para se questionar sobre as suas atitudes que comprometeram o futuro das gerações que estão chegando.

    Por gentileza, somente pra lembrar aos entusiastas das privatizações do sistema Telebras. As empresas de telefonia são as campeãs de registro nos PROCONS, Brasil a fora. Espaço no qual está grafado registro leia-se, RECLAMAÇÕES.

    A nossa geração não tem o direito de ser ingênua: nós já perdemos a Serra do Navio e ficamos com o arsênio. Perdemos Jarí e ficamos com o déficit social, perdemos Calçoene e ficamos com o Mercúrio. Todos esses empreendimentos foram levados a cabo antes de nós podermos decidir o que fazermos com as nossas riquezas, a nós coube o ônus. Não temos motivos pra errarmos outra vez.

    Só um detalhe, penso que o aparelhamento político da CEA ou de outro órgão público é tão ou mais danoso à sociedade que as privatizações, na forma como foram conduzidas.

    Gleudson Almeida é formado em Publicidade e Propaganda e Especialista em Comunicação Política.
    Gleudson Almeida – Cidadão

  • Vi o Jorge Amanajás falando ontem junto com o Gilvan que ele vai assumir o compromisso de resolver o problema da CEA (era mais ou menos isso). o cara está ai há centos anos e nunca fez por.. nenhuma e agora acha que somos um bando de bestas para acreditar numa vuvuzela dessa.

  • A tarifa da CEA é uma abstração para a Aneel. Não tem como realinhar sua tarifa na condição que está. Por isso em outros lugares a tarifa é maior. Na verdade é o preço real, e temos que encarar isso. A solução é a federalização. A CEA não tem salvação. E tem que ser já. Cada ano que passa é mais um ano de arrecadação na mão dos gestores do PT, que não pagam nenhum encargo da empresa, a não ser empreteiros e fornecedores amigos. E um osso de R$ 15.000.000,00 por mês, nas mãos de um grupinho. Quem quer largar?

  • É MELHOR PRIVATIZAR OU ATÉ MESMO FEDERALIZAR. OS POLITICOS DO PT SÃO OS RESPONSÁVEIS PELA SITUAÇÃO DA EMPRESA (DALVA, JOEL, LUIZINHO, E OUTROS). TÁ QUEBRADA, MAIS OS POLITICOS NÃO QUEREM LARGAR. QUEREM ESFOLAR AINDA MAIS. SÓ O GOVERNADOR NÃO VER ISSO. TEMOS TÉCNICOS COMPETENTES NA CEA PARA DIRIGIR A EMPRESA. SERÁ QUE A DEPUTADO DALVA, O JOEL E O NOGUEIRA QUEREM INDICAR A DIRETORIA DA CEA PARA SALVAR A EMPRESA? CLARO QUE NÃO, QUEREM APENAS USAR INDA MAIS PARA GARANTIR A REELEIÇÃO, COM O DINHEIRO QUE DEVERIA SER PARA PAGAR A ELETRONORTE. MAIS NA VERDADE OS MAIS RESPONSÁVEIS PELA SITUAÇÃO ATUAL DA COMPANHIA SÃO CAPI, TALWEZ GÓES E AGORA O SEM VOTO PEDRO PAULO DIAS. ESSE ULTIMA SENDO ATÉ MESMO ENGANADO PELA DALVA FIGUEIREDO QUE DIZ PARA SEUS CHEGADOS QUE NÃO TÁ NEM AI PARA O PPAULO.

  • Nossa, as tarifas dos estados do PA e MA são astronômicas! Vc sabe informar se lá os serviços das companhias de eletricidade melhoraram? Ou são instáveis como os daqui? Houve universalização do serviço de fornecimento? E o atendimento ao consumidor, recamações, ligações novas? Funcionam? Sabe informar se localidades do interior firacam preteridas após a privatização? Soube que chegou luz na Ilha de Algodoal. Isso procede?

  • O preço do celular caiu porque neste segmento de mercado existe concorrência, o que não é o caso de energia elétrica. Nunca os funcionários “sonharam” entrar no quadro da união com a federalização. Isto não é posssível pois somos celetistas e na união o regime é estatutário. Existe uma questão social sim. Municípios como Calçoene, Amapá, pedra Branca, Ferreira Gomes, Serra do Navio, Tarrtarugalzinho, Mazagão não dão lucro. Estariam fadados a ficar no escuro. E o Pior, Oiapoque, Lourenço, Bailique, Laranjal e Vitória que funcionam com motor de Luz queimando Diesel?? A empresa privada bancaria este prejuízo??? difícil né. Mas o que precisa de imediato é acabar com a política dentro da CEA. Um setor tão importante e essencial não pode ficar nas mão de sangue-sugas. Precisamos colocar os funcionários CONCURSADOS para fazer a gestão da empresa, pelo menos para estancar o prejuízo, uma vez que é necessário investimentos. Quanto a pessoa intitulada disfunção, ele deve ser mais um cargo comissionado do PT que passou pela empresa, pois se não trabalha mais aqui, deve somente ter ficado de passagem neste grande cabide de emprego do PT. Fora a Política de dentro da Empresa. A Federalização é o Caminho.

    • Sugiro a vocês se informar sobre as privatizações de sucesso na Inglaterra de Margaret Thatcher. Qualquer coisa que digam a respeito de como será nossa vida após a privatização da CEA é mera especulação. O serviço de telfonia está aí para calar a boca de todos. Quer outro exemplo? A Vale hoje é uma das maiores empresas do mundo, mesmo tendo sido privatizada. Sobre eu ter sido comissionado ou terceirizado, isso fica apenas como mais uma suposição dentre as tantas escritas aqui.

      • Caríssimo, amigo Disfunção!!! Só gostaria que vc me explicasse se vc não pensa na situação de todos os trabalhadores que serão demitidos com a privatização (aproximadamente 1000 funcionários)?! Espero que vc já tenha um ótimo emprego e nunca precise trabalhar numa concessionária fornecedora de energia elétrica na Estado do Amapá, pq com a CEA privatizada ninguém vai se salvar!!! Vão querer pagar uma quantia MISERÁVEL para os trabalhadores que vão ter que aceitar trabalhar pq precisam sustentar suas famílias… Os novos donos da CEA irão pressionar e sugar estes trabalhadores até seus limites!!! E o terror de demissões sempre rondaram estes trabalhadores… Sei disso pq vivi este processo no Pará (Rede CELPA)!!! Até hj mts trabalhadores lamentam esta decisão do governo Almir Gabriel/FHC… Pensem nisso!!!

        • Mas, se o grande números de funcionários realmente não for necessário e for dispendioso para a empresa, não seria justa a demissão? E o “Luz para todos” não é um programa federal, do qual participam todas as companhias de eletrecidade do país, públicas ou não? Quanto ao valor da tarifa, realmente é um fator negativo, pena que não souberam administrar a CEA e agora teremos realmente que arcar com o prejuízo.

          • Ola, Silvana!! Reparo q vc possui mtas duvidas, vamos lá:
            1) A quantidade atual de funcionários da CEA é superior ao necessário, mas analisando as 2 opções: federalizando saíram apenas alguns (mas serão feito outros concursos públicos necessário para compor o corpo técnico da companhia q hj é mt deficitário); privatizando sai TODO mundo…
            2) O “Luz para todos” é um programa do governo federal e vale tanto para empresa pública ou privada, mas ele visa o fornecimento de energia a consumidores não atendidos ainda pela concessionária, mas q precisarão pagar energia elétrica normalmente. No “Luz para viver melhor”, que é programa do governo estadual, não é repassado a quantia para a CEA… Visto que o GEA não costuma cumprir com suas obrigações mesmo!! Numa possível privatização, este programa se encerraria, e os consumidores atendidos teriam q passar a pagar suas faturas, na iminência de corte no caso do não pagamento;
            3) A tarifa vai aumentar de qualquer jeito… Porém, privatizando o aumento será + rapidamente, quanto que na federalização será dado de forma + escalonado!
            4) Algodal já tem energia há mt tempo… Geração Termoelétrica!! Há um processo de interligação de um linhão que vem do município de maracanã… Processo semelhante como o construído para atender o arquipélago do Bailique – AP;

            No mais, privatizar vai trazer tempos ruins para todos os segmentos da sociedade amapaense… Vamos lutar para que isso não se concretize enquanto é tempo! Federalização já…
            Silvana disse:
            18 de junho de 2010 às 17:43Mas, se o grande números de funcionários realmente não for necessário e for dispendioso para a empresa, não seria justa a demissão? E o “Luz para todos” não é um programa federal, do qual participam todas as companhias de eletrecidade do país, públicas ou não? Quanto ao valor da tarifa, realmente é um fator negativo, pena que não souberam administrar a CEA e agora teremos realmente que arcar com o prejuízo

          • 1) em que vc se baseia pra dizer que federalizando sairão apenas alguns, e privatizando sairão todos? Que lógica é essa? pura especulação!
            2) vc está dizendo que prefere que a CEA fique no governo, pois assim as pessoas atendidas pelo LVM continuariam a sê-lo. Está certo isso? Mesmo que isso represente um rombo enorme nas contas da companhia? Vc está se contradizendo mais uma vez!
            3) Dê exemplos práticos desse chumalhaço de informações sem sentido! Mas sem especulações, por favor. Aponte empresa e números.
            4) a energia de algodoal é de 2005… advinha quem patrocinou?

    • A privatização é prejudicial. Entregariamos a empresa para a iniciativa privada, a questão social seria totalmente esquecida (interior do estado sem luz, pq não dá lucro), o preço da energia dobraria e o débito ficaria todo com o estado, ou seja, todos nós.

      • Aí que entra o trabalho dos governos: regular e fiscalizar a atuação da iniciativa privada nas áreas de interesse público. Não entendo esse medo que o Brasil tem de privatização… O mesmo terror que se faz em torno da CEA agora foi feito no passado, quando se falou na telefonia. E hoje qualquer um consegue ter acesso a um celular.

        No mais, é questão de observação empírica: dá certo no mundo todo. Por que haveria de ser diferente aqui. Aliás, é justamente por tentar inventar “jabuticabas” que o Brasil costuma se ver envolvido em problemas.

        • Dá certo nas capitais. Tente fazer uma ligação de um telefone público de lourenço pra Macapá. (Você já foi lá pelo menos?) O serviço privatizado de telefonia nos municípios é uma porcaria. Porque? porque os municípios do interior não dão lucro como nas capitais. e o que interessa para uma empresa privada??? O Lucro. Mas vou Falar do Celular que vc citou. Aqui na Capital, quando chove não conseguimos ligação em nenhuma operadora. Os modens de internet são um Caos, e isso pq estamos na Capital onde o serviço é lucartivo, imagina no interior. De que planeta você é que diz que a privatização melhora os serviços?? Já tentou ligar para o 0800 da telemar (Atual oi)0?? cai em fortaleza e eles nunca resolvem problema algum, e vc reclama pra quem?? Voltando ao setor elétrico eu pergunto?? Porque a Rede Celpa está em vias de entregar a concessão no Pará??? Respondo: O Atendimento ao interior dos estados do norte só se justifica pela questão social, pois não dá lucro. O Modelo de sucesso no norte do brasil são as empresas federalizadas, como acre, rondonia, amazonas,etc. Ah, tem o Maranhão que é privado, mas a tarifa que hoje pagamos aqui o equivalente a R$200,00, ele pagam lá R$ 432,00 pela mesma quantidade de Kw/h. olooww. Acorda!

          • Trabalhei na CEA e posso afirmar: os funcionários (pelo menos os mais conscientes) sabem que o melhor é a privatização, mas querem a federalização porque sonham em ser integrados ao quadro de pessoal da União. Preocupação social é uma ova. Quanto a vc dizer que a privatização não melhora os serviços, procure se informar melhor antes de escrever esse tipo de absurdo por aí.

          • Ué, mas é justamente pra evitar o mau funcionamento que o Estado precisa regular e fiscalizar. Justamente porque as empresas não oferecem o serviço porque são boas, mas porque querem lucro. O resto não passa de suposição… O preço médio aumentaria? Claro! No curto prazo sim – sempre foi assim. Mas, em seguida, com a devida concorrência, seria regulado. Esse discurso do preço elevado, aliás, era feito para a própria telefonia: “celular vai custar mais que carro”, diziam. É… Parece que não.

            P.S.: Sem querer ofender esta terra tão amada, idolatrada, salve-salve, é preciso colocar as coisas em seus devidos lugares: Macapá é capital, mas não pode ser comparada a outras cidades maiores só em razão desse status político. Macapá deve ser comparada com cidades que possuem a mesma infraestrutura, o mesmo grau de isolamento geográfico e o mesmo grau de atratividade para os investimentos privados de produção. Sugiro, por exemplo, vilas do interior africanos… Ou A Coreia do Norte…

          • Caríssimos, “Yashá Gallazzi” e “Disfunção”!!! Simplismente, essas coisas de privatização foram as mais absurdas que eu ouvi em toda a minha vida!!! Sinceramente vcs não sabem absolutamente nada sobre a causa em questão: CEA! O primeiro, aparentemente nem morar aqui no Amapá ele não mora, e já o segundo q informa q já trabalhou na CEA, só poderia ser comissionado ou terceirizado, e se não está + trabalhando na CEA é pq não foi capaz de passar no Concurso Público de 2006. Ah, sai pra lá… Dizer que a privatização é melhor!!! Que pais vcs vivem… O caso da telefonia móvel é totalmente diferente da Distribuição de Energia Elétrica!!! Só pra constar, apenas um é prestação de serviço essencial na vida humana! A regulação dos sistemas é feita de forma totalmente diferente: ANEEL e ANATEL! A isolação do nosso Estado se dá de forma diferente… Entre mtas outras questões!!! Vá se interar da questão CEA primeiro…

      • Questiona-se muito que a situaçao da telefonia não serve de exemplo positivo para privatização. Mas imaginem se tudo isso se ainda fosse estatal. A Telebras por obrigação federal tinha que usar 70% do lucro para pagamento da dívida externa. Se hj vc reclama do orelhão de calçoene vc estaria em situação pior.
        Quanto ao interior, o que a CEA faz para desenvolver a distribuição para o Interior? Teoricamente sem a despesa da CEA, o Estado teria mais recursos para terminar as estradas, e o desenvolvimento da região. Ou vc não acredita que o Estado possa usar esse recurso?

        • A Cea sobrevive com sua própria arrecadação. Não recebe recursos do Estado. Portanto não teria como usar o dinheiro do estado em estradas. Pelo contrário, o maior devedor da CEA é o GEA. Se você não conhece o caso CEA, não fale besteira. A Federalização é a Solução

          • Leia Direito o que escrevi, para não comentar besteira.
            E estude sobre a privatização da Telebras antes de criticar. Aí sim, você vai logo em breve bravejar pelos quatro cantos: Privatização Já!!

  • Esta Audiência Pública chegou tarde e atrazada. Pelos números apresentados, somente em 2009 o prejuízo aculado foi de 449 milhões.
    Não sei se vocês perceberam mas isto significa que cresceu a seguinte razão:
    1- 37,4 milhões/mês ou
    2- 1,25 milhões/dia ou
    3- 52 mil/hora.
    Se 2010 repetir 2009 (que é pouco provável), somente durante a Audiência Pública o prejuízo cresceu 260 mil.
    Estão esperando mais o que para intervir?

  • A Eletronorte é parte do Sarney no Governo federal, logo, tendo Waldez com a CEA e Sarney com a Eletronorte, essa dívida se tornou impagável.
    Aí chega o PP dizendo que com o empréstimo de 1 Bi ele deixo o Amapá de cara nova, só se for a dele, um novo cara-de-pau.

  • Por várias vezes comentei que a CEA devia R$ 1.000.000.000,00. Confesso que errei. Na realidade ela deve R$ 1.500.000.000,00, o que eleva o rombo do Waldez para quase R$ 4.000.000.000,00. Égua meu !!!!!!!!!!!!

  • Faz quanto tempo que vc não vai em belém. Só Compare a tarifa de lá com a daqui. Quem paga R$200,00 de energia aqui, pagaria exatamente R$ 350,00 em belém . O que em um ano dá uma diferença de R$ 1.800,00. mas aqui a tarifa está congelada há mais de 5 anos. Desta forma o aumento da tarifa não será menor que o dobro do que é pago hoje. Sem falar nos municípios do estado, onde a CEA só leva energia por uma questão social, pois não dá lucro. Uma empresa privada levaria? para melhorar o serviço tem que investir, e tudo que é investido em uma empresa privada é repassado pro cliente na tarifa. Parece que vc não conhece nada mesmo. A Federalização é o Caminho, pois toda a quastão social do estado seria atendida e ainda teríamos investimentos na rede de distribuição.

    • No maranhão, que foi privatizado, essa mesma conta que aqui custa R$200,00, lá pagaríamos R$ 432,36. Toda esta diferença com o mesmo consumo. É isso que virá com a privatização. Federalização é o Caminho.

      • Nossa, as tarifas dos estados do PA e MA são astronômicas! Estamos fritos se aqui igulmente isso acontecer. Vc sabe informar se lá os serviços das companhias de eletricidade melhoraram? Ou são instáveis como os daqui? Houve universalização do serviço de fornecimento? E o atendimento ao consumidor, recamações, ligações novas? Funcionam? Sabe informar se localidades do interior firacam preteridas após a privatização? Soube que chegou luz na Ilha de Algodoal. Isso procede?

    • Hoje pela manha em uma radio, escutei que audiencia publica da CEA seria fins eleitoreiros, dessa forma seria muito bom se tivessemos eleições todos os anos, assim todos trabalhariam.Mas a questão é, o PP VIAJA, VAI FAZER ISSO OU AQUILO E NÃO É QUESTÃO ELEITOREIRA, só ele pode? E povo não participa do programa, a opinião dele é que vale.

  • Ei apóio a privatização da CEA. Em todos os estados onde foi privatizada o serviço melhorou. Quanto ao medo de encarecer a conta, não acredito nisso, uma vez que uma empresa privada vai começar a cobrar de fato a energia roubada nos diversos bairro, que a CEA Faz vista grossa. Além de que os custos da CIA serão reduzidos. A CEA tem mais 1000 funcionários, que duvido que batem ponto diariamente.

    • SENHOR EDGAR,esclarecer algumas coisas a você,1º a taxa da CEA ESTA DEFASADA EM 50 POR CENTO, então assim que repassa-la para outra administraçãoa tarifa VAI SIM AUMENTAR, claro que não d euma vez, mas gradativamente tipo em 2 anos VOCE PAGARÁ o dobro do que PAGA hj. NÃO TEM SAIDA,. 2°ME DIGA UM ESTADO EM QUE A DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA E OS SERVIÇOS DAS ELETRICAS ESTÃO MELHORES QUE ANTES?SEM FALAR EM QUE MUITAS DAS EMPRESAS PRIVATIZADAS, HOJE QUEM DETEM O MAIOR NUMERO DE AÇÕES É O GOVERNO DOS ESTADO(PARECE INCRIVEL NÉ?)VIDE CELPA(PA)CEMAR(MA), O QUE ISSO QUER DIZER?VOLTARAM A SER “ESTATAIS” 3º COBRAR ENERGIA ROUBADA?O ESTADO É O MAIOR DEVEDOR DA CEA SERIA UM BOM COMEÇO O ESTADO PAGAR A CEA, E OUTRA COISA O DESVIO DE ENERGIA DAS PONTES E CASAS HUMILDES, NÃO É O GRAND EPROBLEMA DA CEA, MAIS OS CASARÕES DA “ELITE” CHEIA DE CENTRAIS DE AR, LUZES POR TODA PARTE ACESAS DURANTE TODO DIA E NOITE 4ºEM RELAÇÃO AOS FUNCIONARIOS….SIM A GRANDE MAIORIA BATE PONTO TODOS OS DIAS , POIS SÃO FUNCIONARIOS CONCURSADOS E DE EMPRESAS TERCERIZADAS E SE NÃO “BATER PONTO” LEVA FALTA MESMO, POR QUESTÕES D EPERSSEGUIÇÕES, PORÉM OS APADRINHADOS POLITICOS, APARECEM UMA VEZ OU OUTRA(BEM PERTO DO FIM DA FOLHA)PARA ASSINAR PONTO.SE NÃO FOSSE ASSIM A CEA NÃO FUNCIONARIA(MESMO QUE PRECARIAMENTE). QUERIDO AMIGO, PENSEI QUE DEPOIS DE TODOS ESSES ANOS, COM TODO O RESULTADO DAS PRIVATIZAÇÕE SD EEMPRESAS PUBLICAS, PENSEI QUE NÃO EXISTIRIA MAIS OPNIÕES ASSIM.
      TODO PODER AO POVO!!
      TUDO PRO POVO!!!
      NADA DO POVO!!!

      • Essa ideologia de “todo poder ao povo” faleceu a partir do momento que o Maior líder socialista desse pais se rendeu ao $$ e ao apoio da elite pra garantir a eleição e o poder. Mas enfim. Se está defasada claro que vai aumentar, isso vai acontecer independente de ser privada, estatal ou federal! Mas como privada, o nível de serviço melhora, os funcionários serão mais cobrados e a fiscalização de energia roubada será mais rígida.
        Você quer um exemplo que deu certo, procure a CPFL no interior de São Paulo. Você se cerca de exemplos mal sucedidos e por isso que não acredita.

  • Que tal uma investigação junto a Eletronorte (Eletrobrás) para vermos a evolução da dívida da CEA a partir de: 1991-1994(Barcellos); 1995-2002(Capi); abril a dezembro de 2002(Dalva); 2003-2010(Waldez). Gostaria apenas de saber quem mais prejudicou o povo amapaense! Uma coisa é certa nenhuma empresa do setor de energia compraria uma empresa nessas condições, qual seja: um contingente tão inespressivo de consumidores para os padrões de mercado(aproximadamente 90% dos concumidores da CEA são domésticos). Uma coisa é certa a roubalheira do patrimônio público por lá é tão grande que a federalização está por aí. Qualquer dicusso de “salvar” a empresa nesse momento é mera retória e sofisma eleitoreiro.

    • O + importante não é descobrir agora quem roubou mais do q o outro!!! A verdade é q todos q passaram pelo governo foram coniventes com tamanha ingerência q se alastra durante décadas na CEA… Todos de certa forma tem sua parcela de culpa!!! Mas o momento agora é de AÇÃO… Punição deixa para as instituição competentes (MP e TCE) investigarem!!! Não podemos nos entregar sem lutar… Ainda há esperança!!! Federalização Já…

  • O primeiro passo que deveria ser feito urgente urgentíssimo é estancar a sangria da dívida da CEA que cresce mensalmente à passos largos… Só o não pagamento da energia concedida pela Eletronorte (em torno de 9 milhões/mês) engorda a dívida mensalmente, chegando ao patamar de quase 800 milhões. Somando-se a outras dívidas tributátias, chegamos em torno de 1 bilhão de dívida!!! Saliento que estes dados são referentes à dezembro/2009 (segundo dados oficiais da Eletrobrás). Dessa forma, esta dívida já cresceu durante este 6 primeiros meses de 2010, e só tendem a crescer se nada for feito para solucionar tal situação! É simples: juros sobre juros!!! O Governador tem q tomar uma atitude urgente…

  • ontem dep. estad. explicaram que desde muitos anos essa situação foi denunciada e nada fizeram, chegava a Macapá sacos de dinheiro (literalmente) de aviao mandados por Ministro Andreazza a seu compadre Annibal Barcelos (lembram?) e para onde ia esse dinheiro? essas dividas remontam tbm daí, sr. Adailton (Docas) falou muito bem, essa divida e d. sr. Barcellos, sr. Nova da costa, sr. Gilton garcia, sr. Capi, dona Dalva, sr. Waldez e sr. Pedro Paulo, e o que foi feito? R: PN, desculpem, mas sabe onde vai dar esse grito td, em Outubro nas eleições, faço uma aposta: se em dezembro ainda estiverem discutindo e tentando resolver a situação da CEA, eu pago uma grade de Cerveja? quero só ver

  • concordo com vc funcionário nao e hora de ignorarmos essa situação,todos nos temos uma parcela de culpa por esse momento que passa a CEA!fomos nos que direta ou indiretamente colocamos esses suspostos administradores na CEA,o resultado e esse que todos sabem!o povo do amapa tem que fazer parte dessa luta!federalização já.

  • Não podemos fugir desssa discussão. Corremos o risco de apagão pois a Cea não tem capacidade de investimento e caso a empresa seja privatizada, a tarifa de energia vai dobrar, inclusive a sua alcinea, e a conta (débito da Cea) ficará com o governo do Estado, ou seja, todos nós pagaremos esta conta, inclusive você indiretamente. Então nenhum amapaense deve se esquivar dessa discussão. Sem falar que mais de 43 mil consumidores do luz para todos voltarão para a lamparina. A Federalização é o melhor caminho, inclusive para o povo do Amapá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *