Retrato em preto e branco

Ginásio de Macapá, o famoso GM, em 1965 – Olha aí essa turminha na aula de cerâmica aprendendo a fazer estatuetas, cinzeiros, potes e canecas de barro.
Sabe quem são esses meninos e a professora?
Você estudou no GM? Passou pelas oficinas de lá? Conta aí pra nós como era naquele tempo

  • Meu nome é Heraldo Amoras, filho da ex-professora Maria Helena Amoras, morei no bairro central na av Cora de Carvalho, amigo do José Paulo, Paulo Emilio, José Ataide e muitos outros. Fui aluno no Ginásio de Macapá no ano de 1965 e estou me lembrando do Alcione, do Ivan e Alberto e lembro das aulas de cerâmica; tenho 99,99% de certeza que o moço na cabeceira da mesa sou eu, pois, me lembro desta mesa e do quadro ao fundo e o cabelo cortado em “cuia” por livre e expontânea pressão do meu saudoso pai Marcos Farias. Um bom registro e foi daí deste local que a minha vida profissional foi traçada, donde no final de 1968 fui para Belém-PA estudar na E.T.F.PA; meu email fica a disposição para a possibilidade de conversar com os antigos colegas do Ginásio-ano 1965-66-67-68. [email protected]

  • ESTUDEI NO GM , ENTRE OS ANOS DE 2000 E 2004 . TALVEZ ,TENHAM SIDO OS MELHORES ANOS DA MINHA VIDA !! CONHECI COLEGAS QUE LEMBRO-ME ATÉ HOJE !!!SAÍ DO GM DEVIDO A PROBLEMAS PESSOAIS,MAS NA MINHA OPINIÕO FORAM OS MELHORES PROFESSORES QUE TIVE , SEM DÚVIDA !!! ALGUÉM LEMBRA-SE DO MUCHÊ ?!kkkkkkk LECIONAVA MATEMÁTICA .. ESSE CARA ERA FERA !!!!KKK

  • Estudei com o Josué (Joca), primo da Mônica Dias, filha do Professor Ernesto e da Professora Maria da Paz. O Senhor Manoel da lanchonete mora aqui perto de casa, a Tia Noca tive o prazer de trabalhar com a mesma quando fui substituir a Professora de Ensino religioso que tirou licença, isso em 1988, ano em que o Diretor era o Professor Vandir, quando estudei na turma do Ivan Daniel Amanajás, que anos depois fez uma cirurgia em minha filha.

    Aurea Batista de Sá Viana.

  • Estudei no GM de 1996 a 2002, foram 06 anos Maravilhosos que tive da 5ª série até o 3º ano do Ensino Médio.

    A tia Noca era maravilhosa, a Prof. Ana Gurgel e a Diretora Ana Lúcia Banha tabém, grandes ensinamentos me passaram. E eu só lembro do maquinário parado e das aulas de técnicas agrícolas.

    Tinhamos uma mesa de ferro enorme que jogavamos Ping-Pong no Intervalo e chutavamos (latinha, tampa de garrafa, bola, e tudo que se imaginava no auditório, para jogar um futebolzinho sendo 3 para cada lado, tudo isso na hora do recreio.

    É uma pena o que fizeram com essa escola, principalmente com a mudança do nome que acaba descaracterizando a história da educação amapaense. Se querem homenagear alguém construam uma escola e colque o nome do homenageado, ja pessou o que aconteceria com a Fortaleza de São José, se mudassem de nome para homenagear um politico local ou seus familiares? e fora a atual estrutura que é de intristecer.

    Quando vejo as fotos e as grandes personalidades da sociedade amapaense que estudaram nesta Escola me orgulho dessa rica história que possui. Que nos meu ponto de vista está sumido aos poucos.

    O GM ficará para sempre em minha memória e no coração.

    Alcinéia, meus parabéns pela foto, ela me trouxe ótimas lembranças.

  • Olá profa. Alcineia, também sou ex-aluno do GM.Estudei por lá de 74 a 78 e depois fui para Escola Tecnica Federal em Belém. Lembro dos desfiles de 7 e 13 de setembro, das aulas de e artes industriais e como carinho dos meus professores e professoras. Atualmente sou Prof. da UNIFAP e me encontro em Sao Paulo realizando estudos de Doutorado.Quando converso com meus amigos e professores de sao paulo tenho o orgulho de dizer que sou do amapa, conto-lhes minha historia de caboclo amazonida. Nao vejo a hora de voltar pra Macapá.Abs e saudades

  • Prafª Alcinéa, tive o prazer de ser seu aluno no GM, creio que no ano de 82 ou 83, não tem como esqueçer também do Parceiro (Profº Leonardo), com o seu pelotão de Arautos do Setentrião, bons tempos….

  • O aluno ao lado da professora é o Alcione, o da esquerda também acho que é o Célio Ayres. O nome da professora é Iza, cujo filho Nilson era professor de Desenho. Eles moravam na Av Fab, em frente ao Ponto Certo. Que saudade!…

  • minha mâe era secretária no GM( Maria Dinair) e o meu pai era prof.de artes/ marcenaria(Antônio Rodrigues),quem se lembra da dona nóca e o inspetor vulgo “RAPA”,na hora do recreio metia um fiado na lanchonete com seu manoel!!!!

  • Estudava no Barão mais fazia aulas de Educação para o lar ,cerãmica, tecnicas de altomoveis e outras no GM, foi inesquecivel

  • Eu estudei no GM. Comigo os irmãos Américo Diniz, Francisco Diniz, e tantos outros que fazem parte do nosso dia-a-dia.

    A parte mais bacana era trabalhar nas oficinas de artes, além dos jogos, é claro.

    Qualquer dia desses vou visitar o prédio do antigo GM e, recordar momentos elegres que passei por lá.

    Valeu Alcinéa pela lembrança!

      • Vcs vão se decepcionar e ficar chocados com o descaso com nossa escola.De bom ficaram as lembranças dos momentos, amizades.Quem lembra do seu Coracy? Ele ainda trabalha na escola.Minha querida professora Onédia,Tinílo,Narciso Faripas(hj lecionando no AVT)entre tantos queridos professores.

  • Estudei no GM DE 71 A 74. Meus professores foram Hermínio Gurgel, Shybaima, Sara Uchôa, Valmor Chagas, Jerônimo, Tostes, Hélio (cabecinha de ouro), e em artes era a professora Niná Nakashi,entre outros que não me recordo os nomes,mas, lembro muito bem de suas fisionomias. Lembro dos inspetores Firmo, Zé, Raimundinha… Ah! ainda tinha um que era coinhecido pelo apelido não lembro se era Papagaio ou Curió. Tinha o professor André como diretor. Os professores de aducação física 91 e Zagalo. Alguns colegas Patinhas, Antonio Carlos (filho do Urca Bar), Adê, Filho, Padeiro… Acho que quando eu entrei para estudar no GM essa turma aí estava saindo… Na época os mehores alunos e quem quisesse estudar em Sáo Paulo de pois de terminar o ginasial, poderia ir para Miguelópolis, e outras cidades do interior paulista para cursar Técnicas Agrícolas.
    Por onde anda o professor 91? Depois ficou só 90. Notícias. Não podia esquecer o genial professor Espírito Santo (que Deus o tenha).

  • ESTUDEI NO GM DE 78 Á 82 POIS REPETI A OITAVA COM A PROF.NAZARÉ PACHECO,POIS GAZETAVA AULA PARA JOGAR BOLA NA QUADRA E CHUPAR CHOOP DO PROF.90,TEMPOS BONS QUE NÃO VOLTAM!!!

  • eu fui aluno de ninguem menos q “R. peixe” no GM e da professora ana costa barriga, fiz marcenaria, grafica, educação para o lar, tec agricolas e artes plasticas… epoca muito boa… saudades daquelas oficinas… lembro de ter quebrado uma serra tico tico na aula de marcenaria

  • quem nao lembra do famoso gato malhado , quem nao se lembra de quando a escola entrava na av.Fab com sua banda Marcial do Mestre Oscar, o povo levantava para ver o GM passar era uma emoção , lembro muito bem do tempo que professor era como nossos pais , Professoras Ana Picanço, Nazare Pacheco, Prof. Medina Leuremi , e logico o Grande 90 com sua cuba de chop isso e a Velha Macapá cidade Joia da Amazonia tempo que não volta mas , tempo que aluna ia para escola para aprender hj vão para passar de ano e só
    Manelão,

    • Quem não lembra da cadência dos bonecos de anil quando eles passavam na Av. FAb nos desfiles de 7 e 13 de setembro! Quem não lembra da rivalidade entre os garapas azedas e os bonecos de anil! Caramba, Paulo: Você disse tudo agora, amigo. Isso acabou porque as gerações que vieram depois de nós não receberam o mesmo estímulo que nós recebíamos. É uma pena!

    • Cuba de chopps feitos por Dona Maroca, que foi minha vizinha na Coaracy Nunes. Faz tempo que não a vejo. Ultimamente ela morava na Gen. Rondon, em fente ao conjunto residencial que foi construído onde era a antiga Olaria, e onde mora a professora Conceição, também do GM.

    • Nossa Paulo, vc disse tudo!!! lembro desses professores tbm, o grande e inesquecivel 90, a Nazaré Pacheco que inclusive fiquei reprovada com ela, rsrsrs ( foi a unica vez reprovei na vida),a professora de geografia e o mestre de matemática, realmente colegio tradição, um verdadeiro espetaculo nos desfiles 13 de setembro. Boas recordações!

  • Olá Alcinéa, olá Ivan Daniel,

    Estudei de 88 a 91 na EIM, mas chamavamos mesmo de GM. Também passei pelas oficinas, época muito boa, estudei com o Ivan Daniel; e ele fez eu carregar uma “bandeira de açai”….hehehe.

    Além das oficinas, tinha o desfile pela Fab, havia o Pelotão do 90, que era nosso Prof.de Ed.Física.

    Um abraço!

  • Entrei na escola em 1966. Fazimos rodizio nas oficinas. Passei pela mecânica (tinha que colocar o motor no tempo) Tipografia, fundição com Prof. Helio e tinha um outro professor que morava na Leopoldo Machado que já era bem velinho. A nossa turma era divida entre a do Laguinho(Pedro Ramos, Julio Pereira, Dida Edevaldo Prado, eu Claudionor, o Mutum, Fernado Canto) e a do Trem (O Mata, Jesuino Rocha, tinha um irmão do Bonfim, Manuel Costa.) A rivalidade era grande. A competição era salutar. Quem tirava nota maior. Perdiamos nas exatas mas ganhavamos nas humanas. Foi um tempo muito bom

    • Evandro, eu o Ivan Martel e o Rudy, também fazíamos parte da gloriosa e insuperável turma do bairro do Trem.Foram 4 anos memoráveis que sempre nos dão muita saudade.Além de ter passado nas oficinas de mecânica de automóvel, mecânica geral, eletricidade,técnicas agrícolas,e etc..participei da banda de música do saudoso Mestre Oscar.

    • Acredito que meu primo Everaldo Vasconcelos Jr., o Vevé (já falecido)foi dessa época. Se não foi contemporâneo , mas pelo menos deve ser lembrado, pois era uma peste de atentado, aprontava todas, e chegava em casa contanto suas façanhas!

    • Evandro,
      o professor de fundição, velhinho, que morava na Leopoldo Machado era o prof. Ailzo, pai do nosso colega Osvaldo.
      Desde Escola Profissional Getúlio Vargas (1º/12/49) até escola Antônio Pontes, mesmo contra a vontade dos políticos, o que está gravado no coração do povo é Ginásio de Macapá (GM para os íntimos.

      • Oi, Evaldy. Que bom ver um estudioso das oisas daqui, ajudar a contar essa linda história. Parabéns pelas filigranas do GM.

  • Talvez um poeta tenha dito: “recordar é viver”. Cheguei no GM em 71. Carreguei o escudo que abria o desfile; fui feitor deuma fazenda em um caminhão, fiz evolução no pelotão do noventa e quase morro com os aquecimentos do Professor Ernesto, vinte morras na praça do barão. Mas dentre tantos mestres, destaco a precisão de um: Valmor Chagas, suas muletas, seu lenço, seu recostar na mesa e a inesquecível aula sobre “Laudo de Berna”.

  • Eu tbm estudei no GM, já era Escola Integrada e foi na década de 1990. Mesmo assim, ele ainda conservava umas oficinas interessantes. Eu optei pela Gráfica. Adoro cheiro de papel e tenho uma compulsão por comprar artigos em papelaria. Nostalgia maior da vida é assistir às crianças entusiasmadas na papelaria no volta às aulas. Lembro que quem recebia todos os alunos e era a pessoa mais querida em toda a minha vida escolar chamava-se Tia Noca. Ela era incrível mesmo!

    • Olá Cléo,
      Bem lembrado o “boneco de anil”, no dia 7 de setembro dava prazer desfilar com a melhor e verdadeira banda marcial comandada pelo saudoso mestre Oscar. Uma emoção que todo estudante gostaria de experimentar e que tivemos por quatro anos.
      Sds,

  • Estudei no GM em 1988 e 1989, Já era Escola Integrada de Macapá, mas ainda mantinha essas atividades por área. Eu passei pela Gráfica, Cerâmica, Gesso, Agricultura, Marcenaria, Funilaria. Não lembro se tinha outras nessa época, só sei que a única oficina que eu não passei foi Educação para o lar, que era uma área mais procurada por meninas. Até hoje minha mãe guarda um porta chaves que fiz na marcenaria do GM. Guardo boas lembranças desse período.

  • A professora é a Isis, que hámuito não vejo. A direita Eu, ao fundo o Reinaldo, atualmente em Fortaleza, a esquerda o Alberto e o Ivan, que acho que há muito sairam do Estado. Bjs Mano

  • Olá Alcinéa,
    Ingressei no GM exatamente em 1965 e passei pelas oficinas de Mecânica de autos, Fundição e Sapataria, lembro-me dos mestres Oscar (música), Hélio e de outros que embora recorde a fisionomia não consigo ligar ao nome.
    Lembro de outros professores como Maria Helena Del Castillo, Hamilton, do grande diretor Antonio Pontes e da Professora Lucilia Maria Tanoeiro Leôncio cuja matéria com geometria plana,seus rebatimentos em épura e geometria espacial influenciaram bastante na minha formação profissional.
    Da minha turma recordo: Alcione, Tondo Soeiro,Guaraci Lacerda, Reinaldo Soeiro, Célio Aires, Raimundo Brabo.
    Quanto a foto, acho que o primeiro da direita é o “Gajo” Alcione e à sua frente o Célio Aires, os demais não reconheço.
    Sds,

    • Grande Ruy Maia. Quanto tempo e que alegria recordar esta grande turma (se me recordo 111). Estou na Embrapa de Belém. Por onde anda o velho companheiro.

      Grande Abraço

      Brabo
      @RaimundoBrabo

  • Esqueci do nome da professora de cerâmica da minha época. Lembro-me bem da professora Odete, irmã da Niná Nakanishi. Esta última era meio complicado de lidar pelo seu gênio difícil de entender.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *