Sobre a greve dos professores

A greve dos professores é destaque nos principais jornais que circulam hoje em Macapá.

Diário do Amapá
Assembleia Legislativa abre plenário para  manifestação de grevistas

Da tribuna principal da AL, o presidente do sindicato que reúne os trabalhadores da educação, Aroldo Rabelo, explicou que os 8% lineares de aumento salarial é o básico para os professores que além disso têm direito a reajuste de mais 33% do piso nacional da categoria.
Na ocasião, o sindicalista pediu apoio dos deputados estaduais na luta por aumento de salário que travam com o governo, independentemente dos 8% da data base. Aroldo Rabelo disse que cálculo feito pelo sindicato constataram que a administração estadual tem condições de reajustar o salário dos professores com os 20% reivindicados pela categoria.
Mais tarde, em entrevista ainda no interior da AL, o professor Aroldo disse que é equivocada a informação do governador Camilo Capiberibe de que os 15,6% oferecidos são o maior aumento salarial aos professores nos últimos 16 anos. (Leia mais)

a Gazeta

Camilo exclui professores dos 15% e sindicato apela ao Legislativo

Os professores deram um importante passo para derrubarem a intransigência do governador Camilo Capiberibe (PSB), que não consegue chegar a um acordo sobre o reajuste para a categoria. Depois de avançar de 8 para 15%, o governo recuou e ameaçou os profissionais da educação – em greve há mais de 15 dias – em mandar para o Legislativo o projeto autorizando apenas 8% de reajuste. Em uma rápida manobra, os professores se anteciparam ao Executivo e tomaram as galerias da Assembleia Legislativa na manhã dessa quarta-feira (2). Eles pressionaram os deputados na luta pelos 20% pretendidos pela categoria.

“Queremos o apoio dos deputados porque não dá mais para confiar no governador, à categoria fica com receio, afinal no ano passado nós firmamos um acordo e ele simplesmente não cumpriu; como podemos confiar nele de novo?”, indagou o presidente do Sindicato dos Servidores dos Profissionais em Educação do Amapá, Aroldo Rabelo.

A convite do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Moisés Souza (PSC), o representante da categoria usou a tribuna da Casa. Por quase dez minutos, professores e deputados ouviram um discurso inflamado. Aroldo disparou a metralhadora em direção ao governador. O acusou de tentar manipular a opinião popular contra a categoria.

“Ele vai para os veículos de comunicação com uma propaganda que não é real, uma tentativa clara de jogar os pais dos alunos e a própria sociedade contra os professores, isso é típico do governo do PSB. Não é o profissional que tem que pagar o piso salarial, isso é obrigação do Estado”, questionou Aroldo, relembrando que uma das propostas do governador era incorporar a regência de classe ao salário, dando a falsa aparência que o Amapá estaria cumprindo o piso. “Regência é uma gratificação, uma conquista, e não vencimento básico”, emendou.

O presidente do Sinsepeap questionou a falta de conhecimento de Camilo Capiberibe e da equipe de governo. “O governador e sua equipe deveriam retornar para o banco de sala de aula”, desabafa. “Primeiro, seguindo orientações da Procuradoria-Geral do Estado, ele engaveta as progressões de A para C alegando inconstitucionalidade, depois a pedido da mesma Prog o governador desengaveta e dá as progressões”. (Leia mais)

  • É lamentável mesmo, pois tem gente que ainda não entendeu uma regra básica que move o movimento grevista dos professores do estado do Amapá: *Lutamos pelo piso salarial; *O piso salarial é lei; Se é lei, não é opcional pagar ou não; É obrigatório! É dever do estado SIM! E mais, primeiro a PROG indeferiu mais 400 pedidos de promoção de professores (de A pra C), alegando uma inconstitucionalidade até então nunca percebida; depois (recentemente) o governo do Amapá, através da PROG, o desarquivamento desses processos negados, para serem pagos. Então, como o governo explica isso? Fala sério! Detalhe: até hoje, nenhuma promoção foi paga! Ou seja, devemos mesmo acreditar num governo que prometeu ano passado, após os mais de 30 dias de greve dos professores, cumprir com uma série de reivindicações da categoria e até agora, não cumpriu sequer a metade?! Quem não concorda com a greve, paciência e respeito aos que pensam diferente, mas não falem o que não sabem, não sentem e nem se esforçam pra saberem e sentirem um pouco do que estamos passando.

  • De certa forma, este processo de desqualificação por que passa os professores é justificado. Quando eu era criança – e professor ganhava bem -, aprendi que pra ser “dotô”, teríamos que estudar muito. Hoje, vendo jogadores semi-analfabetos ganharem milhões e políticos do mesmo naipe prosperarem a olhos vistos, tudo o que me foi ensinado perdeu o sentido. Além disso, a quantidade de títulos de doutor que nosso ex-presidente recebeu põe em dúvida a necessidade de estudar e lecionar. Parece que conta mais ser esperto do que ser um bom aluno. O que mais me incomoda é ver o ex-presidente falar publicamente que não teve condições de estudar. Eu ouço falar em Lula desde 1982, quando o então metalúrgico, com 37 anos, já era bancado pelo PT. Na turma do último curso que fiz, havia uma senhora de 62 anos, o que demonstra que nosso ex-presidente não estudou porque não quis. E se estudar não é importante, por que valorizar a classe dos professores?

    • Infelizmente sua verdade é a de todo brasileiro que ainda vê no estudo uma saída para um futuro mais suave. Essa era a técnica do Enéas quando ele dizia que o filho respondia ao pai: Estudar pra quê, se o presidente é analfabeto! (Meu nome é Enéas, dizia ele)

  • A mais bela das profissões do mundo merece todo o nosso respeito: de governantes, dos políticos da família, enfim, do povo em geral! Nas mãos desses valorosos profissionais deixamos, basicamente, o futuro de nossos filhos e do país. A escala de salários dos proifessores está invertida, isato é, os que deveriam ganhar mais, recebem menos, porque os que lidam com as crianças desde a mais tenra idade, mereceriam ser os mais bem remunerados, afinal o que eles ensinarão a nossos filhos ficará perpetuado na mente do aluno (ler, escrever, interprertar, etc), pouco importando a profissão que ele venha abraçar no futuro. Então, como uma construção forte, que uma fundação sólida e forte capaz de resisitir infinitamente sua rigidez, embora fique sob a terra, é o ponto mais importante da edificação.Assim é o professor. Os que lhe negam o direito de remuneração dígna hoje são aqueles que passaram em suas mãos ontem. Por isso, tiremos conotações pessoais e político-partidárias do meio de um instrumento legítimo e legal para o trabalhador/servidor conquistar uma vida mais digna. Em caso, a greve, que é a última medida a ser tomada, quando as negociações não fluem. No Brasil, a administração pública é parece parafuso, só funciona apertada. No dia em que a esposa de um governador for professora primária, talvez a classe receba melhor atenção, a teor do que aconteceu com os delegados de polícia. Tinha gente que estava militando na advocacia ha tempo e conseguiu, não sei como, reintegração ao quadro de delegados, mesmo diante de exoneração a pedido. Infelizmente é o quadro que se desenha, para nós, povão, no qual me incluo! Eu respeito os professores e sei que, como em todos os setores da atividade humana, há aqueles que não lêem pela cartinha ético-profissional, mas ainda é uma minoria e não devemos nivelar nenhuma classe por baixo, porque se assim fosse …

  • em seu twiter o senador capiberibe ja esta se articulando com a bancada federal junto ao ministerio da educaçao para que se possa cumprir o piso salarial nacional como manda a lei pondo fim de vez a greve que vem afetando milhares de estudantes

  • A luta dos professores por melhores salários é política sim. Mas política salarial e por melhores condições salariais e de trabalho. Hoje além dos salários defasados enfrenta-se salas lotadas e sem condições de ministrar uma boa aula. O Plano de Carreira do Magistério prevê que o número máximo de alunos seja 30 no Ensino Fundamental e 35 no Médio. Hoje temos salas com mais 50 alunos.
    Temos uma lei 11738/08 que não é cumprida e estabelece que o vencimento mínimo de um professor deve ser R$ 1451,00 e o Estado paga hoje R$ 1085,00 (19º no Brasil entre os Estados) e diz que vai reajustar para R$ 1253,00 ficando ainda muito longe de cumprir a Lei. Será que o professor está errado por reinvidicar seus direitos?

    • Claro q não,os professores estão certíssimos o q falta é o governo criar vergonha,cumprir a lei,e valorizar os professores,asssim também como as outras categorias.I SSO SIM Q É MUDANÇA

  • O governo anuncia através da mídia que a maioria dos professores são contra a GREVE, então é muito fácil acabar com a mesma, basta que esses grevistas voltem para sala de aula, sem necessidade de assembleia.

  • Alguem ja parou para pensar quanto ao numero do total de professores sindicalizados que estão realmente participando do movimento de greve e votando nas assembleias?

  • Os 15,56% no atual momento é bom. Nao é o ideal. Minha preocupação é que a greve parece que está partidarizada devido o ano eleitoral. Vejo tb muitos colegas profs afoitos e agressivos. A luta nao deveria ser um problema pessoal. Entao eu vejo que vai piorar e quem vai pagar o pato é a sociedade principalmente os estudantes do Ensino Fundamental que é a base. Deveríamos aceitar os 15,56% (pra ter logo essa aumento na próxima folha)e garantir um reajuste no ano que vem na mesa de negociação. Quanto mais demorar pior. Eu to voltando pra sala de aula. Infelizmente nao posso comprometer todas as férias com reposição de aula. A Educação no Amapá tá muito ruim. Vou fazer minha parte. Obrigado

  • O governador agiu como um gestor que tem responsabilidade com a coisa pública. Por intransigência do sindicato os educadores só terão 8% de reposição. Infelizmente essa greve se tornou um movimento politico em que alguns lideres querem se promover, em detrimento da maioria da categoria. Felizmente alguns educadores estão percebendo isso e voltando para as salas de aula.

  • Tem gente que ainda não sabe que a Assembleia não tem competência para iniciativa de lei sobre salário de servidores do Executivo.

  • Concordo plenamente com o JFonseca, porém caro colega o Governo do Estado tem como fazer, através da gestão pública escolar basta encaminhar a Assembléia Legislativa, e aí sim cobrarmos dos nossos representantes a aprovação. Mas acho pouco provável a acitação dos Deputados.

  • A incorporação da Regência ou de qualquer outra gratificação no Vencimeto
    Básico é uma reivindicação de qualquer sindicato de professores no Brasil. O SINSEPEAP deveria usar a inteligência ao negociar os reajustes salariais para a categoria. Seria muito melhor incorporar a Regência, pois essa foi desvirtuada pela última gestão do GEA, criando uma falsa noção de aumento salarial. Não devemos esquecer que gratificações podem não ser encorporadas aos vencimentos dos aposentados, pense bem SINSEPEAP.
    Como proposta inicial acho que poderia aceitar os 8% linear, incorporar a Regência e os outros 7,56 % seriam discutidos na implementação de uma futura gratificação para os professores que estão em sala de aula, poderia inclusive negociar o aumento dessa futura gratificação para os próximos anos (2013, 2014 e 2015). No entanto é necessário que todo ano os reajustes (do vencimento básico)sejam acima da inflação para corrigir a defasagem acumulada nos últimos anos.

    • Bela sacada, se não fosse o envolvimento politico dos representantes da categoria os ganhos poderiam ficar para a historia da categoria dos professores.

    • è claro que a regencia será incorporada com a aposentadoria. afinal voce contribui para a ampreve tambem sobre o valor da regencia, indepedentemente de estar incorporada ou nao ao salario atual

  • Dos que atacam os professores, gostaria de saber quantos querem que seus filhos sejam PROFESSORES??? Se for feita uma pesquisa com os alunos do Ensino Médio, verão que os melhores alunos tem total aversão pela carreira do magistério, agora encontrem o erro!!!!! Nos países desenvolvidos, os melhores alunos é que seguem a carreira do magistério, e aqui no Brasil vemos que os que seguem é por falta de outra oportunidade, pois muitos utilizam esta carreira como escada para outras. O pior é que muitos professores internalizaram que são menos importantes que outros profissionais, e se contentam com um sálario de R$ 2.600,00, porquê um médico, advogado, delegado entre outros merecem ganhar mais que o profissional professor? (sim, professor é um profissional e nãoum sacerdócio)será pelo tempo de estudo deles? Ora, professores DOUTORES (verdadeiros, com o título de doutorado)não chegam a ganhar R$ 6.000,00, e esses profissionais estudam todos os dias para darem suas aulas !!!!!
    Outro dia, acompanhava pelo Twitter comentários sobre o bate-boca proporcionado por um programa de rádio matutino, e via que as pessoas se divertiam com os erros de concordância de alguns professores que se manifestaram. Gostaria de perguntar a essas pessoas por que as mesmas não fazem este concurso que vem aí para serem professores melhores que aqueles???? mas eu já sei a resposta !!! POR QUE PROFESSOR GANHA MAU !!!!!! SIMPLES ASSIM !!!!! … Alcinéa, obrigado pelo espaço para desabafo, só não sei se o teremos por muito tempo, pois venho acompanhando as tentativas de desqualificá-la. #DEUSéMAIS

  • Paralelo a isso tudo tem um excelente exemplo na Escola Castelo Branco, tem um grupo de professores sensibilizados com a necessidade de aprendizado de seus alunos fizeram uma turma para alunos de 3º ano e estão dando um reforço para o vestibular….PARABENS A VOCS, POIS DE REPENTE VCS JA COMPREENDERAM QUE O ATO DE ENSINAR É NOBRE…

    • Será que esses professores estão preocupados com seus alunos ou com suas férias de julho?

  • O que deixa indignação, são alguns desses grevistas dizerem “os alunos não irão ter prejuízo nenhum, pois vamos repor as aulas”… as aulas normais já são ruins imagine os engodos que serão as aulas que serão repostas…recreação…atividades extras….e com isso lá se encerra o ano…aluno fingindo que aprendeu, o professor que finge ensinar…e é assim que a banda toca.

  • Em meu tempo os alunos tinham força, não estariam omissos, calados, passivos, estariam reinvindicando seus direitos, por que ao que parece é so professro que tem direitos, aluno não…é brincadeira.

  • O professor está dando prova mais do que clara de ser massa de manobra de pessoas inescrupulosas…a greve já saiu das raias do direito já se tornou politicagem…vejam só não querem nem fazer assembléia para reavaliar o movimento… ela é soberana e é dela que pode-se manter ou mudar as reinvindicações.

  • Não sou professor, e não vejo essa greve com bons olhos, pois irá atrasar e muito o calendário escolar dos estudantes da rede estadual de ensino. Entretanto, vejo ser uma greve justa, e como muitos falam – inclusive o governador do estado – ser uma greve política, não vejo por esse lado, afinal, ano passado foi feito um acordo entre governo e professores. Esse acordo foi cumprido? Não foi! A greve dos professores como está formada hoje não luta somente pelo piso, e sim também pelo cumprimento do acordo feito ainda no ano passado. Veja bem, ano passado o governador fez um acordo para pagar as promoções dos professores em 36 meses. Não o fez. Agora diz que vai fazer, como acreditar nisso? Além do mais, é digno do professor lutar por um salário digno, afinal, são eles que educam nossos filhos. E um deputado, senador, governador, político em geral, que educação que eles dão aos nossos filhos para que mereçam tão altos salários. Eu acredito que 15,56% como queria o governo é uma ótima alternativa para os professores, mas que o governo também pague as promoções e progressões a que os mesmos tem direito e cumpra o restante do acordo do ano passado.

  • eu entendo que é justo o que revedicam,mas ano passado com essa mesma greve minha filha que concerteza é um exemplo de aluna para sua escola levou 64 faltas por motivo de greve,hoje mesmo meu filho levou sua segunda falta nessa semana.simplismente porque nao grudei meu trazeiro enfrete a tv para saber se iria ou nao ter aula.e ai como é que fica?

  • Sou Professor do Estado. merecemos ganhar um salário justo, mais que o sindicato está politizando a situação. Ele não representa mais a maioria.

  • Professor é a principal profissão do mundo, é a que forma todas as outras! Lástimavel a eleição desse Governo!

    • Ei! Professor ensina mas não forma o cidadão, isso é bem mais complexo do q possamos imaginar, depende de muitas variáveis!

  • caiu a carapuça, os harmônicos resolveram sair de trás da moita e mostrar realmente quem manipula essa greve.

  • Professores pede apoio dos parlamentares ao invés de protestar contra eles, pois a Assembléia é que reduziu o poder de investimento do estado aumentando de 90 milhões para 156 milhões o seu prçamento, agora veja se essa greve não é politica.

  • É curioso, a cidade de Macapá esta abandonada como nunca, só buraco, lixo, calçadas quebradas, ônibus precários, postos abandonados e ninguém fala um tantinho da PMM, parece que o prefeito esta blindado pelos Blogs e pela imprensa, e tenho certeza que esta blogueira bate o seu carro todo dia num buraco, que não é da Caesa.

    • Tudo é culpa do sistema, né, q faz cada um pensar apenas no próprio umbigo. Assim, uma vez resolvido o meu quinhão, o resto dane-se! é pura verdade.

  • “Os mestres” deveriam saber discenir que os poderes são independentes, poder legislativo é para fiscalizar o dinheiro público e não gerênciar, quem tem essa prerrogativa é o poder executivo ,é ele que sabe onde o cálo dói.

  • Não seria melhor usar o bom senso? O professor é a base da sabedoria que todos almejam. Logo, merece verba condigna com as tarefas que desenvolve.

    • Caro Cleo, muito bom. De um lado os pais que querem seus filhos retornando logo às aulas sem se preocuparem com a qualidade do ensino. De outro os governantes preocupados em se manterem no poder e fazer seus sucessores. Conclusão: os verdeiros prejudicados são os professores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *