Tá no Estadão

AMAPÁ: SEQUELAS DE UM SISTEMA DOENTE
Sábado, 08 de Outubro de 2011, 14h33
Bruno Paes Manso, enviado especial

Todo político corrupto deveria ser condenado a percorrer os corredores do Pronto Socorro de Macapá ou passar alguns dias internado no local para compreender os efeitos da corrupção no dia a dia. O local é um festival de assombros, lotado por causa dos cerca de 15 acidentes de trânsitos diários no Estado.

Pacientes repousam deitados no chão. No mesmo quarto, crianças se misturam a adultos. Páginas de jornal e de revista forram as janelas para tentar bloquear a entrada de sol. O ar condicionado não funciona e as salas, lotadas, transformam-se em saunas no clima úmido de 35 graus. Faltam equipamentos, remédios e funcionários.

Os enfermeiros aplicam injeções e fazem tratamentos delicados em corredores movimentados, prejudicados pelos esbarrões das pessoas que passam a todo momento. Olgailton Brito diz que precisou comprar um colchonete por R$ 45 para que seu irmão não dormisse em cima do ferro da maca. Cadeiras para visitantes e ventiladores são itens que precisam ser trazidos de casa pelos pacientes.

Garrafa – O agricultor Mauro da Silva Barata foi um dos que se acidentou em uma moto e precisou sofrer uma cirurgia na perna. Abandonado há 49 dias em uma maca no corredor do PS municipal, ainda não conseguiu vaga no hospital para ser operado. Como ele só consegue se levantar da maca com a ajuda de outros doentes, Barata precisa urinar em uma garrafa pet improvisada por causa da falta de papagaios. Ao ver a reportagem, ele pede ajuda e conta que a mulher e os filhos hoje passam fome porque dependem de seu salário.

No inquérito da Operação Mãos Limpas, são descritas fraudes em licitações e contratos envolvendo compra de remédios e alimentação para o PS e hospitais, consertos e compra de equipamentos de saúde, entre outros.

Sem ambulância. Complicações também atingem a Maternidade Mãe Luzia. Na semana em que o Estado foi ao local, faltavam antibióticos para os recém-nascidos da UTI neonatal, assim como alguns tipos de seringas, sondas e agulhas para anestesia. Os bebês doentes eram transportados em carros comuns por falta de ambulância.

Nas ambulâncias do Serviço de Atendimento Médico de Emergência (Samu), faltam placas para os desfibriladores desde dezembro do ano passado. Não há oxigênio nos carros, o oxímetro não funciona por falta de pilhas, uma porta teve a lateral amassada e permanece sem concerto, correndo o risco de abrir ao transportar um paciente.

Coleiras cervicais descartáveis são lavadas e reusadas. “Também precisamos pagar por nossos uniformes, cerca de R$ 200, apesar de recebermos salário mínimo”, diz Darlene Lobo, técnica em enfermagem do Samu. (Leia mais)

PARENTES DO GOVERNADOR SÃO CITADOS NO ESQUEMA
Sábado, 08 de Outubro de 2011, 14h31
Bruno Paes Manso, enviado especial

MACAPÁ – A mulher do atual governador do Amapá, Cláudia Camargo Capiberibe, foi assessora especial do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), José Júlio de Miranda Coelho, acusado no inquérito da Polícia Federal de ser um dos articuladores dos desvios de recursos públicos no Estado.
De acordo com os documentos, os policiais federais concluíram que o emprego de parentes e aliados em diferentes instituições do Estado era uma das maneiras de manter a harmonia entre os Poderes e barrar as fiscalizações necessárias.
Em uma lista apreendida pelos policiais na casa de Miranda, com o nome de pessoas empregadas no gabinete da presidência do TCE, está citado um primo do governador, Jorney Souza Capiberibe, com a indicação do cargo – assessor especial – e o salário de R$ 6,1 mil. O nome do governador Camilo Capiberibe aparece ao lado, entre parênteses. (Leia mais)

FRAUDES NO AMAPÁ JÁ DESVIARAM PELO MENOS
R$ 1 BILHÃO DOS COFRES PÚBLICOS

Sábado, 08 de Outubro de 2011, 14h16
Bruno Paes Manso, enviado especial

MACAPÁ – O esquema de ataque aos cofres públicos instalados nas instituições públicas do Amapá desviou pelo menos R$ 1 bilhão nos últimos dez anos e continua funcionando nos dias de hoje. Os números e as conclusões são do inquérito final da Operação Mãos Limpas da Polícia Federal, desencadeada em setembro de 2010. As investigações, os documentos, vídeos, fotos e escutas foram analisados por policiais e peritos ao longo deste ano e mandados ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

As mais de 2 toneladas de material apreendidas mostram irregularidades grosseiras, com indícios de crimes que revelam um ambiente de impunidade, no qual políticos, autoridades e empresários não pareciam se importar em deixar rastros. São desde saques milionários e mensais de verba pública tirados na boca do caixa a superfaturamentos em todos os contratos analisados do governo estadual e da Prefeitura de Macapá.
Suspeitas do assassinato de um policial federal e de pedofilia também apareceram na investigação. O Estado teve acesso ao inquérito e percorreu o Amapá na semana passada para compreender a dimensão e os efeitos dos desmandos.
De acordo com o inquérito da PF, a inteligência do esquema consistiu principalmente em envolver integrantes de todas as instituições amapaenses, distribuindo cargos e dinheiro do Orçamento estadual. A base dos recursos do Amapá – R$ 7em cada R$ 10 – vem de repasses federais.
Foram encontrados documentos que apontam envolvimento de integrantes do Tribunal de Justiça do Amapá, da Procuradoria-Geral do Estado, do Ministério Público, passando pelos deputados da Assembleia Legislativa, funcionários de todos os escalões dos Executivos estadual e municipal, incluindo governador e prefeito, sem falar em uma ampla rede de jornalistas.

“Sempre houve no Amapá a chamada harmonia entre os Poderes. Instituições encarregadas de se fiscalizar atuam em parceria e ninguém fiscaliza ninguém”, diz o funcionário público Ednaldo Batista, organizador do Movimento Mãos Limpas. (Leia mais)

  • Cara jornalista, gostaríamos de saber de quando é essa matéria, pois desde que a atual gestão assumiu o Hospital Maternidade Mãe Luzia (HMML), nunca houve falta de antibióticos para os recém nascidos conforme notícia veiculada neste blog. Também é uma inverdade a notícia de que bebês eram transportados em carros comuns por falta de ambulância sem as condições necessárias. Tais informações da matéria assinada pelo jornalista Bruno Paes Manso, do Jornal O Estado de São Paulo, não especifica em que época esses fatos ocorreram, o que nos causou surpresa ao sabermos de tal notícia. A unidade neo-natal foi inaugurada no final de maio, logo não tem como manter uma UTI sem esse material, do qual a matéria afirma estar em falta na Maternidade. Sabedora de sua responsabilidade com o pressuposto do jornalismo, solicito que informe aos leitores de seu blog, a data em que esse jornalista de São Paulo produziu tal matéria. Pois se o mesmo estivesse visitado a Maternidade na atualidade, com certeza não teria a irresponsabilidade de publicar tais fatos inverídicos (para esta data). Se no passado isso ocorreu, o jornalista deveria ter “datado” sua matéria. Fica o convite para qualquer jornalista do Estado ou de fora para que nos faça uma visita e relate de verdade o atual quadro em que se encontra o Hospital Maternidade Mãe Luzia.

    Iranir Andrade
    Diretora do HMML

    • Querida, acho que quem pode responder sua pergunta é o próprio jornalista Bruno Paes Manso.
      Penso que você pode entrar em contato com ele no site do jornal O Estado de S.Paulo.
      Abraços

  • Querem tirar o mandato do Camilo a todo custo. Agora o Camilo faz parte da harmonia também. é triste consntatar que o Waldez e a marília e companhia podem voltar ao poder. MAS SE ISSO ACONTECER VAI SER BEM FEITO PARA A HERANÇA MALDITA DA HARMONIA.

    • Basta apenas um pouquinho de memória pra lembrar que essa turma toda, em tempos atrás já foram todos aliados, o que podemos dizer com toda a certeza: farinha do mesmo saco!

  • GENTE, VAMOS SER MAIS REALISTA, A OPOSIÇÃO JA ULTRAPASSOU O NÍVEL DO DESESPERO, QUEREM CAUSAR MAIS IMPACTO EM NOMES QUE FOI APENAS CITADO DO QUE NOMES DE PESSOAS QUE FORAM PRESO E QUE JOGARAM O NOME DO AMAPÁ NA LAMA.

  • Chegamos a conclusão que nao existe politico honesto no amapa, existe duas raças de politicos os que roubam muito e os que roubam pouco, mas não existe politico honesto.

  • da maneira que vs falam, parece que os capiberibes tem que morrer a mingua na sargeta, se vs forem se informar mais, os capiberibes apoliticos, sempre se sustentaram muito bem com seus negocios, os que sao politicos, capi e rauquel, sempre pautaram a política. raquel tem 44 emendas na constituiçao federal, tinha perfil pra assumir o tribunal. vs falam no nome de uma ou duas pessoas, no governo do waldez tinha mais de 60 e no governo, vs tao falando de tribunal de contas, e de um suposto nome rabiscado em uma agenda. sejam mais justos, e cobrem a alcinea a divulgar o desvio de 1 bilhao deixado pela turma da harmonia.
    … siga o exemplo da lene, que faz seu blog com inteligencia e imparcialidade. abraço.

    • Tá com amnésia, querido Rafa?
      Várias materias sobre o desvio de um bilhão já foram postadas aqui no blog.
      Ih, Rafinha, o que está acontecendo com você, hein? Tá com algum problema? Aqui mesmo, neste post, está a matéria sobre o desvio de 1 bi.

  • O problema é que o povo nao se une pra reclamar disso, eles fizeram o esquema tão bem feito que todo mundo tem telhado de vidro, as pessoas que poderiam influenciar o povo a reclamar, nao fazem pq estão no meio dessa sujeira toda… infelizmente isso é o amapá

  • Obrigada por postar essa matéria, agora vemos quem é quem, obrigada mesmo. Fiquei mais consciente dos meus erros nas urnas, depois dessa reportagem.

    • Alcinea, obrigada por sua dedicacao ao seu blog, agora vejo que fomos todos enganados , as máscaras estão caindo uma a uma..quanta ingenuidade minha em acreditar que tudo ia ser diferente., se realmente a esposa do governador foi assessora do TCE ..nossa mãe.. A gente era feliz e nao sabia

  • Policiais franceses da PAF, policia de fronteira, sao vistos a noite nos moteis que foram contruidos na Area da Marinha (beiradao) em Vila Vitoria, Oiapoque, em frente a Saint Georges, Guiana Francesa, pagam 150 euros por um quarto com uma menina lá dentro. Outros 100 euros para as menores. Quem controla as policias na fronteira? Estamos sem justiça, sem promotoria, sem investigação da civil e federal. Quem tem arma esta mandando e calando os justos!

    • No meu tempo, o termo “menina” denotava infância, inocência, pureza, ingenuidade. Foi isso mesmo que você quis dizer? Pelo que noto nas minhas andanças pelo norte e nordeste do país, essas “meninas” podem ter tudo, menos essas qualidades próprias da idade. Oferecem-se e, se os caras recusam, ainda xingam: “Você não quer porque é viado”.
      As crianças mudaram muito do meu tempo pra cá.

      • Essas meninas muitas vezes começaram sua vida sexual na mão de alguma figura famosa com sobrenome famoso desses estado, ou de seus bairros, depois o esquema as empurrou para a fronteira. Se voce as conhece, não culpe elas por nossa omissão. são menores sem apoio do estado e das familias do Amapá, a serviço do lucro e pessoas que as culpam, as exploram e fingem estar acima da lei. Pedófilos exploram a inocência que ainda elas tem em si. pedofilia é prazer em explorar a vulnerabilidade. Se ligarem a lista da corrupção com a da pedofilia, vão encontrar muitos sobrenomes comuns.

        • Prostituição é um misto de miséria com uma boa dose de senvergonhice. Em Belém, conheço “famílias” que empurram os filhos para se prostituírem. Passou até uma matéria sobre isso.

        • Bela resposta Nora,o Roque às vezes tem erros de interpretação,tadinho.Lembrei de Cristo (com todo respeito)”perdoai,ele não sabe oque fala”..hehehe

          • Pode ser, mas muitos transtornos sociais, como drogas e prostituição, seriam evitados se prevalecesse a força de uma instituição que anda meio decadente: A FAMÍLIA, no stritu sensu da palavra!

  • Infelizmente, a visita do repórter não passou pelos Postos de Saúde da capital, que inclusive o do bairro Santa Inês vai parar de funcionar amanhã 10 por falta de condições de trabalho. Interessante isso…..
    O cara tem um suposto acesso ao inquérito final da Operação Mãos Limpas, um FURO DE REPORTAGEM, e só se interessa pela parte que cita pessoas supostamente envolvidas que fazem parte do atual governo, nem se preocupou com a parte que fala dos que foram para a PAPUDA. Deu mancada.

  • Alcinea, esse problema do nepotismo cruzado, onde parentes dos donos do judiciário ( desembargadores e juízes) não contratados em outros órgãos como no próprio tribunal de contas do estado que é o maior cabide de emprego que utiliza essa prática. Não é difícil descobrir o nepotismo cruzado. Todo mundo sabe quem é parente de quem, bastaria identificar o sujeito como patente de “a” ou “b” e recorrer ao cadastro por CPF por pagamento pela origem da fonte pagadora. 95% terá origem em algum dos órgãos do Estado do Amapá. Poucos terão origem em assessorias federais. Nestes casos dever-se-ia consultar os cadastros federais. No entato, essa prática é disseminada em todo o Brasil. Dessa forma como haverá isenção de cada poder? O que podemos esperar é sempre essa cumplicidade e subserviência medíocre e hipócrita de pessoas tentando a todo custo garantir de forma escusa o sustento dos seus familiares.

  • Gente, até homicídio de PF? são denúncias graves, espero que eles se dêem mal e parte do dinheiro volte para o povo do Amapá, que é quem realmente sofre com tudo isso.

  • Como é que esses bandidos conseguem dormir a noite?

    Será que eles conseguem sorrir ao saber que pessoas morrem em função da roubalheira deles?

    • Uma dos sintomas presentes nos psicopatas é ausência de consciência, este mesmo fator que diferencia os seres racionais dos irracionais.

  • Enquanto perdurar o modelo oligárquico em nosso estado, não estaremos livres dessas práticas tão danosas a sociedade. Já escrevi por várias vezes, A Raquel Capiberibe passou décadas no tribunal de contas e sequer levantou qualquer ação contra os larápios do dinheiro público. Como é que pode Júlio Miranda enriquecer tanto e não ser percebido que algo estava errado? Agora está explicado, a relação deles (dos capiberibes) também se estreita com a história de capítulos de um estado cujo o presente e o futuro são insólitos. O servidor público é perseguido porque é fácil atingir os mais vulneráveis. Se Camilo Capiberibe fosse sério teria se empenhado em investigar o destino do dinheiro roubado e seria implacável COM ESSES MALFEITORES. Ao contrário, procura usar os mesmos artificio e malandragem dos políticos cínicos. Cristina Almeida não comenta nada a respeito da assembléia quando deveria estar usando o meio de comunicação para denunciar o descalabro da verba indenizatória, no entanto, fica caladinha, assim como Baileiro e o próprio governador que já foi deputado. Nem a máxima “Aos inimigos, a lei” serve para aplicar às relações promíscuas existentes no Amapá, porque todos são amigos. Talvez o remédio mais amargo fosse a intervenção federal…

  • Infelizmente a estas notícias vão ser dadas conotações políticas. Cada um vai tirar o máximo de proveito das partes que atingem seus desafetos e procurar negar até a morte as partes que lhes tocam. O problema do Amapá é social mas é tratado como questão política. As mazelas são mostradas esporadicamente para se alcançar um benefício político/pessoal, mas escondidas para manter o povo manipulado e dependente.

  • O povo amapaense precisa conhecer esse inquérito. Pedimos ao Estadão que divulgue os detalhes desse inquérito.

  • Sábado fui a um casamento na Igreja Jesus de Nazaré e sabe quem estava lá, recebendo sorrisos e tapinhas nas costas? Júlio Miranda. E a empresa Marco Zero? Robertinho, explique a passagem a R$ 2,30 e a conclusão da Polícia Federal sobre a refertida empresa.

  • Convenhamos… de que adianta prender e depois soltar? De que adianta enumerar o roubo e não fazer devolver? Com toda essa impunidade, extremamente nojenta, sabe quando isso vai acabar? Nunca!

  • Socorro, Deus, moro no Estado mais corrupto do país, o povo vive à míngua: educação de má qualidade, a saúde está um caos, a justiça finge que nada vê e tudo continua igual. Coitados de nós, POVO.

  • Gente, nós estamos sendo governados há vinte anos pela mesma família. “Góes” e sua dissidência: “Góes Capiberibe”. Vamos sumir com esta nojeira…

  • Beeem! Fale alguma coisa seu Governador, ou vai esperar o “desfecho das investigações” e a “conclusão dos autos” para se manifestar? Votei em você, não tô pedindo favor não seu moço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *