Uma casa coberta de flores

Gosto de andar pela cidade prestando atenção na paisagem. Nessas caminhadas encontro de tudo: coisas feias, bonitas, diferentes, únicas, uma flor despetalada na calçada, um jardim, lixo amontoado na frente de alguns prédios, calçadas sujas e outras limpas,  casas de ar alegre, outras de ar triste e ainda outras que dão a impressão de que ali mora o mau humor e aquelas onde a gente tem certeza que mora a felicidade.
Na tarde de sábado, andando pelo bairro do Trem, deparei-me com esta casa coberta de flores. Fiquei encantada com tanta beleza. Poderia simplesmente ter parado do outro lado da rua, fotografado pra compartilhar com você e ir embora.
Mas não. Eu não ia perder a oportunidade de conhecer alguém que mora numa casa coberta de flores. “As pessoas que moram aí devem ser lindas, amorosas e de sentimentos belos”, pensei. E como é bom conhecer, ouvir, conversar com gente assim.
Bati palmas. Uma senhora com um largo sorriso me atendeu. Disse-lhe que achei  tão linda a casa  coberta de flores que queria a permissão para fotografar. Permissão concedida, fotografei.
Dona Floriza – é este o nome dela (e que nome combinaria mais com ela?) – convidou-me para o pátio cercado de plantas e passarinhos.  E ali, em confortáveis cadeiras brancas de vime, conversamos sobre flores, frutas, pássaros, amor, natureza e Deus. “Sou feliz e minha casa é protegida, não preciso colocar grades nas janelas e portas porque Deus está aqui para nos proteger. Deus está onde tem flores, onde tem natureza”, disse-me. “Você já prestou atenção que pessoas que cultivam plantas são mais felizes, mais gentis e nunca estão de mau humor?”, perguntou-me.
Sim, dona Floriza. É isso mesmo. Afinal, quem ama o belo tem sentimentos belos. Né não? Trocamos informações sobre espécies de roseiras, falamos de hortas caseiras. Ela me contou dos pássaros que visitam seu jardim, eu contei dos passarinhos que moram no meu quintal.
Não demorou muito já nos sentíamos como velhas amigas que se visitam nas tardes de sábado. Floriza me levou para ver as rosas que cultiva no quintal.
Depois, como velhas amigas, sentamos na cozinha (sempre ouvi dizer que só se leva para a cozinha da casa as pessoas mais íntimas) e comemos bolo e tomamos suco. O bolo, delicioso por sinal, ali em cima da mesa me deu a impressão de que tinha sido feito para aguardar uma visita, o suco de soja geladinho servido num copo de vidro tão límpido, delicado e com a borda dourada, foi um dos mais gostosos  que já tomei nos últimos tempos.
E ali, na cozinha, comendo bolo e tomando suco, como velhas amigas de infância, conversamos sobre a vida, filhos, trabalho e tantas outras coisas que só grandes amigas conversam.
Saí de lá bem mais feliz de que quando cheguei e com a certeza de que voltarei outras vezes. Até já combinamos um churrasco num sítio que Floriza tem na zona norte com um imenso pomar. “Nós somos desocupadas (aposentadas),  podemos qualquer hora estar juntas pra conversar”, diz ela. E depois corrige: “Quer dizer, desocupadas não. Não trabalhamos mais, mas nos ocupamos em fazer o bem, cuidar de plantas,  levar alegria para as pessoas e é isso que Deus quer”.
É verdade. Há ocupação mais prazeirosa do que essa?
Ao nos desperdirmos, ela renova o convite: “Volta sempre pra gente conversar, falar de coisas boas, tomar um café fresquinho…“.
Com toda a convicção eu respondo: “Claro que voltarei, pois amei te conhecer”.
Já na rua, olhei mais uma vez encantada para aquela casa coberta de flores, pedi a Deus que abençoe e proteja sempre Floriza e sua família e agradeci a Ele o privilégio de ganhar naquela tarde de sábado uma “nova velha amiga de infância”.

  • Essa singela casinha também sempre me chamou atenção por ser coberta de flores! Ela é simples e irradia beleza a todos que passam por aquela rua! Que os moradores recebam de volta toda boa energia que a bela casinha transmite aos que passam e se permitem contemplar.

  • Adorei! Sou muito grata pela postagem.Encantadora a Dona Floriza,parabés por esta amizade conquistada……penso em como é necessário a existência de pessoas como está senhora, que importam-se com a beleza e a necessidade de alegrar a vida das demais pessoas.Parabéns!

  • OI, ALCINÉIA, EU TAMBÉM SOU FLORIZA (A SOBRINHA ) E TAMBÉM JÁ TIVE O PRIVILÉGIO DE MORAR NESSA CASA TÃO BELA DE FLORES. QUERO DIZER QUE MINHA TIA REALMENTE É UMA PESSOA MUITO ESPECIAL, FORTE, QUE GOSTA DE AJUDAR O PRÓXIMO, EXPRESSANDO O AMOR QUE VEM DE DEUS. ORO PARA QUE ELA SEJA CADA DIA MAIS FELIZ EM CONTATO COM A CRIAÇÃO DE NOSSO SENHOR. QUERO TAMBÉM LHE PARABENIZAR PELA SUA MANEIRA SENSIVEL DE VER E ADMIRAR NATUREZA APESAR DE TUDO. É COMO DEUSA HILARIO DIZ “SEM MUROS” PARA APROXIMAR MAIS AS PESSOAS. ESSA CASA É TÃO GOSTOSA E SENTAR NAQUELE PÁTIO É UMA VERDADEIRA TERAPIA. QUE O SENHOR JESUS CONTINUE ABENÇOANDO VOCÊS DUAS. BEIJO TIAZONA!

  • Adorei essa leitura. Dar atenção ao belo, usar o tempo com sabedoria, para contemplar, conversar, conhecer… Parar a roda do tempo, num tempo em que a roda gira depressa demais. Maravilha.

  • Parabens nobre jornalista,amei a materia, iso é ter olho um olhar clinico e aproveitar todos os momentos. parabens dona Floria pela casa.

  • Moro em Pernambuco fiquei mui feliz
    em ver esta linda foto em forma de mensagem.Parabens a dona da casa e parabens
    a Alcinéia pois sempre leio seu blog.

  • Parabéns senhora poeta pelo texto feito na casa da vovó Floriza. Ela é tudo isso que vc sentiu. Cheia de muito amor e carinho para dar a todos. Gostei muito.

  • Muito lindo seu comentário sobre a casa de Dona Floriza,temos que contemplar essa linda paisagem,parabéns pelo belo trabalho.A vc Dona Floriza continui sendo essa mulher guerreira e sempre creditando que existe um grande Pai que protege sua casa.

  • Parabéns Dona Floriza pela maravilhosa reportagem sobre sua casa ser coberta de flores,essa cronista caiu do céu você merece grandes aplausos,que Deus sempre esteja com você e com Dona Floriza por onde tiverem que caminhar.

  • Poha, pra que fui ler? Só pra chorar que nem uma ovelha. Obrigado por me fazer lembrar que ainda sou humano.
    A proteção do Lorde do Empírio Excelcior é infinitamente maior e mais forte que qualquer muro alto. Que assim continue, amém.

  • Lindo texto que voce escreveu sobre a casa da D. Floriza, a sensibilidade de quem é poeta ou gosta de poesia nos remete a essa plenitude. Moro na outra rua ao lado do SESI e sempre que posso caminho pela calçada e contemplo as flores da d. Flor, que alivio para o coração esse visual. Maravilhaaaaaa.

  • Gosto muito da nossa casa, acho que nas encarnações passadas fiz muitas coisas boas, porque pra ter uma mãe (D. Florisa) dessas, só muito merecimento; uma das coisas interessantes que acontece em casa são as refeições que ocorrem no quintal, a mesa é posta em meio as plantas e as rosas, uma deliciosa comida e a minha família maravilhosa, unida e alegre, nossa tem coisa melhor? Alcinéa, muito obrigada pelo seu texto e principalmente pela sua sensibilidade, um grande abraço!

  • Hoje ao deixar minha filha na Escola (SESI) me deparei com essa casa, com o corre-corre do dia-a-dia ainda não a tinha percebido logo ali em frente, depois que a vi aqui no blog, fiquei impresionada e maravilhada com tal beleza, principalmente vendo-a in-loco. Com certeza viver em harmonia com plantas, flores, ….., a vida fica bem mais feliz. Parabéns pela matéria.

  • Impossível “dar só uma passadinha lá”. Tia Floriza nos envolve, encanta e nos “prende” com histórias e quitutes maravilhosos. Nasci e cresci frequentando sua casa e digo: SEMPRE FOI ASSIM. Tb saio de lá com o coração leve. Ah, seus filhos seguem o mesmo caminho, todos bons anfitriões.

    • Paula, os quitutes continuão, não apareça no período de dieta….rs, venha liberada para os “come e bebes”.

    • Costumo dizer que nossa casa é o recanto do guerreiro, onde encomtramos acolhida, logo na entrada, é realmente um LAR DOCE LAR, nasci e cresci nela, foi uma infância encamtadora, com boas histórias e muita diversão, mami(D. Flor) é uma figura fantástica, abraçou a missão de ser mãe com muito amor e acolhe a todos como se fossem seus filhos, obrigada Deus por esse privilégio e obrigada Alcinea por sua visita e suas palavras amáveis no seu texto, o nosso lar estará sempre de portas abertas esperando por você

  • Sorrindo muito ao ler esse texto maravilhoso… Parabéns Alcinéa e D. Floriza pela sensibilidade e ternura de seus corações…

  • Foi um previlégio ter crescido nessa casa…o que mais sinto saudade aqui em São Paulo é do pátio de casa. Depois do almoço a gente sempre ia para o pátio conversar, fazer a digestão…depois ia pra soneca da tarde…e é uma benção ser filha de D. Florisa, que sempre que vem me visitar traz uma rosa do seu jardim….filha coruuuujaa…

  • Sou neta da vovó (Dona Floriza) e sei muito bem o que tudo isso significa pra nossa família. Existem momentos inesquecíveis passados em cada comodo da casa, em especialmente no pátio. A vovó com certeza é uma pessoal essencial em nossas vidas, agradeço por você ter conhecido um pouco do que ela é, do perfil dela, e ainda afirmo o convite, você precisa conhecer um pouco mais, ainda tem muita coisa pra você conhecer e se encantar. Belíssimo texto, você realmente conseguiu sentir o ”clima” e o que a Casa da Vovó representa.

  • D.Floriza essa mulher é incrível, exemplo de mãe, avó, amiga, esposa…tenho o grande privilegio de conhece-la e fazer parte de sua vida. Concordo com td que ela disse e ainda ratifico que a felicidade que impera em sua casa vem do grande carinho e respeito que essa mulher tem pelas pessoas e pelas flores em especial.

  • sÓ VOCÊ MESMO PARA DESCOBRIR COISAS BELAS E DAR UM AR DE GRAÇA MELHOR PARA O AMAPÁ. CHEGA DE TANTA CALUNIA, INJURIA E DIFAMAÇÃO.

  • Essa casa encanta qualquer um pela sua beleza natural, e parabéns pelo texto que ficou um espetáculo.

  • Lindo texto bem-amada,fico feliz em ver que compartilhartes uma tarde de sábado deliciosa com dona Floriza, que é um encanto, com sua sabedoria e conversa boa. Fico maravilhada cada vez que vejo a beleza de seu lar sem muros e coberta de flores. Um beijo em seu doce coração dona Floriza, saúde e paz pra toda família. Obrigada Alcinéa. Te amo…

    • Já contei pra vocês q conhecê-las foi um dos mais belos presentes que ganhei ano passado? Já. né.
      Eu também amo vcs, a Julinha, o Aiury e o Charles (claro).
      Beijos

  • Um dos “post” mais lindos que li nos últimos tempos. O texto está delicado e nos brinda com a gentileza de bons sentimentos, respeito ao próximo e contemplação da natureza. Já conhecia essa bela casa. Às vezes, quando o estreesse está quase tomando conta, o meu remédio é passear na orla e dar algumas voltas em frente à “casa coberta de flores e protegida por Deus”. Essa é a casa mais bonita de Macapá. Acho que seria uma bênção poder seguir o exemplo dessa linda senhora e fazer algo parecido em nossas casas, em nossas vidas. Obrigada, Dona Floriza.

  • Dona Floriza é sem dúvida um encanto, sou um amigo da família, especialmente de sua filha Sônia, e adoro sentar no pátio de sua casa e respirar o delicioso aroma de seu jardim.
    Alcinéia, este cantinho agradável tem outra peculiaridade, é um excelente espaço de acolhida das crianças esquecidas na Escola do Sesi, rs. Meu filho que o diga. Vez por outra atravessava a rua para filar o almoço de dona Flor.

  • Belissímo texto! Coisas assim me fazem ter esperança por dias melhores! Pessoas como Dona “Floriza” merecem viver por muito tempo, pois sabem o melhor da vida! Muito feliz mesmo!

    AS FLORES DA PRIVAREVA (Desconhecido)
    Neste entardecer tão belo…
    Entre todas as flores…
    Existe uma rosa amarela…
    Que vem ressurgindo…
    Com a primavera…
    Trazendo consigo…
    Seu delicado perfume…
    Assim como esperanças…
    E oportunidades…
    Para novas amizades…
    A primavera é tão bela…
    Porque traz com ela…
    Todas as flores e aromas…
    Revitalizando a inquietude…
    De todos os corações…
    As rosas colorem o amor …
    As vermelhas exalam paixão…
    As amarelas trazem magia e a sedução…
    As brancas com sua brandura…
    Trazem paz para os corações…

  • D. Floriza demonstra a grande Fé que existe eum seu coração- DEUS é seu grande protetor- talvez essa fé seja o seu grande segredo de estar rodeada de flores, que maravilha. A jardinagem é minha grande terapia, adoro passar horas em meu jardim . Quando a promavera chegar mandarei rosas virtuais do meu jardim.

  • Belissímo texto! Acredito que este poema de autoria desconhecida fora criado em tais circunstâncias! Me trouxe muita esperança! Peço a Deus para abençoar sempre pessoas assim!
    AS FLORES DA PRIMAVERA (Desconhecido)
    Neste entardecer tão belo…/ Entre todas as flores… / Existe uma rosa amarela… / Que vem ressurgindo…/ Com a primavera…/ Trazendo consigo…/ Seu delicado perfume…
    Assim como esperanças…/ E oportunidades…/ Para novas amizades…/ A primavera é tão bela…/ Porque traz com ela…/ Todas as flores e aromas…/ Revitalizando a inquietude…/ De todos os corações…
    As rosas colorem o amor …/ As vermelhas exalam paixão…/ As amarelas trazem magia e a sedução…/As brancas com sua brandura…/ Trazem paz para os corações…

    Abraços do amigo Roberto de Souza

  • adorei a reportagem e a foto dessa casa florida que simboliza o nome da própria dona;gostaria de saber oendereço,pois quando chegar em Macapá vou conhecer,já que moro no Trem;no momento estou em AJURUTEUA em Bragança en frenta uma práia fora de série;beijos

  • O conjunto da obra me fez lembrar da linda infância que tive, com casas do tipo dessa que está emoldurada pelo simples, mas excelente texto. Com certeza Deus protege quem ali mora e quem vai em visita. As flores são autógrafos que Deus distribui pelo mundo, a fim de que suavizem a vida dos seus filhos. Sigamos, então, esse maravilhoso exemplo.

  • Alcinéa,
    Que belo e maravilhoso texto. Quero sua permissão para publicar no Saitica.
    Fiquei, acho que outras pessoas leitoras do seu blog também, em ver uma foto de dona Floriza. Claro, ela são as flores do seu jardim …
    Parabéns Alcinéa
    daniel

  • Moro no Trem e sempre q passo na frente da casa da D. Floriza me encanto com a paisagem. Parabéns pelo texto.

  • Não há como lembrar da Alcinéa sem pensar em flores, poesia e paz.

    O encontro entre a Dona Floriza e ela não foi mera coincidência. Acredite. Chamo isso de órbita, hertz, frequência.

  • Moro no Trem há mais de 40 anos,realmente nunca vi grades na casa da Dona Flor e sempre vi dona Flor cuidando de suas plantas e filhas, realmente Alcinéa vc descreveu Dona Flor na sua essência “Uma Velha Conhecida”, sempre com sorriso aberto…

  • Lindo o teu texto, querida, linda a D. Floriza, linda a sua casa coberta de flores!
    Outro dia a Fernanda e a Mara foram me mostrar esse recanto encantando, fiquei maravilhada!
    Imaginemos a cidade com casas cheias de flores, seríamos mais felizes e menos violentos,creio nisso. Mas infelizmente, hoje, se cultiva o cimento e para que essas calçadas não fiquem cheias de folhas e flores, derrubamos as árvores. Eu amo folhas secas, flores… Amo a beleza. Aqui em casa tem até mucajás. E já começo a organizar o meu jardim, logo, também haverá muitas flores para embelezar o olhar das Alcinéas que passeiam pela cidade, nas tardes de sábado.
    O meu carinho para todas as Florizas que trazem na alma a doçura das flores e o cheiro de terra!

  • Adorei seu texto e muito especialmente adorei rever D. Flor, pessoa amável, receptiva e de ssbedoria inestimável, aliás, essa família é linda e amorosa. Sinto muita saudade dessa turma, que Deus os abençoe!!

    • Querida Edina! apareça e mataremos as saudades, sua familia também é muito especial, realmente somos pessoas de muita sorte, por Deus com sua bondade, nos permitir fazer parte desse grupo familar nota 10….

  • Adorei todo o comentario narrado por vc neste texto, senhora simples e com toda simpatia que muitos não tem, ainda bem que podemos encontar aqui em Macapá residência assim como da D Floriza com toda essa beleza cultivada, ainda por cima no meu querido bairro do Trem, um grande abraço.

  • Confesso que a ingenuidade da Dona Floriza me deixou preocupado, por não ver necessidade de proteger mais a casa. Neste mundo em que vivemos, nem as igrejas, assembleias, mesquitas, sinagogas e terreiros estão livres da ação dos ladrões, ainda mais residências de pessoas do bem como a retratada.
    A propósito, Alcinéa, mandei pela D. Marieta sementes de uma planta parecida com essa das flores roxas. Cobre dela. A Roseane levará amanhã sementes de ipê amarelo. Queria mandar as mudas já crescidas, mas vai dar muito trabalho. Em 4 dias as sementes germinam.

      • Assim que os ipês florirem, acompanharei as árvores mais saudáveis e mandarei as sementes para você. Se bem que uma vez fui enganado. Demorei a retornar, e as sementes caíram e se dispersaram. Mas fique tranquilo que, se depender de mim, você terá uma alameda de ipês. Contantemente consigo caronas para Macapá.

  • Me senti fazendo companhia para vc e a abençoada Dona Floriza enquanto lia sua narração. Fiquei nostálgica!

  • Amiga, quanta sabedoria expressa Dona Floriza! Ela tem toda razão sobre as pessoas que cultivam flores. Lindo! Bjs.

  • Juro que me veio a lembrança uma nostalgia eterna, as pessoas da minha vida que tenho como referência sempre gostaram de flores, de vida. Minha vó raimunda, sempre cuidou e cultivou suas plantinhas, me lembro que elas eram sedosas e delicadas igual a minha avó. Mas o que me lembra mesmo flores, perfumes, pétalas, beija-flores, sabiás, é o meu avô chefe clodoaldo e minha avó dayse, nossa! havia tanta vida em seus quintais, sabiás que voltavam sem convite, bem-te-vi que sopravam canções que esqueciamos a imensidão do universo, e nos concentravamos apenas naquele cantado, com toda a força concentrada nos seus pequenos pulmoes. Ahh!! A vida nos cultiva de formas diferentes, ou somos nós que cultivamos a vida? Existem aqueles que passam em pleno jardim de orquideas, jasmins, e passaros, e só conseguem enxergar pedras, entretanto há as donas florizas, dayses, marias, raimundas, que transformam o solo pedregoso e vazio em um pomar de felicidade e amor. Beijos a todos.

    • Meu primo foste bem no fundo da noooossa alma de crianças criadas pelos nossos avós DAISY e CLODOALDO tão amamos e diferentes, tão queridos e capazes de nos fazer tão felizes. A ponto de sermos pêgos pelo NOSSO SURPREENDENTE INCONSCIENTE que nos faz relembrar de momentos tão regosijantes e jamais programados. Então é isso temos um arcabouço, um verdadeiro baú de tesouros que poucos têm nessa vida. Podemos nos privilegiar de tais momento FELIZES DE NOSSA INFÂNCIA INIGUALÁVEL. Parabéns a nossa família!!!!!
      Te adoro
      Ass: Ju

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *