Você e o Papai Noel

Claro que você já foi criança, já fez cartinha  pro Papai Noel jurando que se comportou direitinho o ano inteiro e por isso merecia ganhar presentes.
Eu sei que você pendurava a cartinha na árvore e no outro dia cedo, mal acordava, ia correndo ver se o Papai Noel já tinha levado sua cartinha.

Eu sei também que às vezes o Papai Noel trazia exatamente aquilo que você tinha pedido; outras vezes trazia um presente diferente. Também às vezes você pedia cada coisa, né? Coisas que as finanças do Papai Noel não permitiam ou que não eram encontradas nas lojas por onde ele andava. Acho que você pediu também coisas que nem exisitiam.
O tempo passou e  você passou a ajudar o irmãozinho ou a irmãzinha  a fazer a cartinha, mais tarde o filho…
Conta um pouquinho aí na caixa de comentários sobre as cartinhas que você fazia, os presentes que você ganhou do Papai Noel, aquele presente com o qual você sonhou o ano inteiro e como se comportou bem o Papai Noel trouxe e aquele que você pediu tanto e nunca ganhou.
Ah, eu sei também que nas noites de Natal você fazia um esforço danado pra ficar acordado pra flagrar o Papai Noel entrando no teu quarto. Vai dizer que não?

  • Oi, Alcinéa.
    A magia do Natal é algo que transcende a tudo. Não importa que alguns digam que é cultura importada. Importante é a mensagem de paz, amor, tolerância, indulgência e fraternidade que transmite, independente de filosofias, credos e religiões.
    Quanto às lembranças, há uma que é bem marcante: um brinquedo que ganhei (sem ter pedido) e não gostei: um bondinho de madeira. Não gostei porque estava acostumado com os carrinhos que tinham um equilíbrio maior (suas rodas eram maiores)e o bondinho sempre tombava ao ser puxado.
    Mas, por incrível que pareça, o único brinquedo de que me lembro até hoje é justamente o bondinho.
    É claro que também não esqueço das roscas de Natal (o panetone já fui conhecer muito tempo depois), do vinho Raposa (garrafão de 5 litros) que meu pai sempre comprava e eu misturava com água e açúcar (kkkkkkkkk) e doce de mamão verde com côco ralado que minha mãe sempre fazia.
    Hoje, decorrido tanto tempo, são outros natais, cada um com suas histórias.
    Feliz Natal pra você, minha amiga.

  • Pingback: Create Your very own Regina Casé.

  • Alcinea, minha família era muito pobre, nunca ganhei prsente de natal ,quando criança, hoje posso comprar presentes caros para minha filha, também ganho presentes e costumo presentear algumas crianças carentes, mas aprendi que as melhores coisas da vida o dinheiro n compra era o q eu tinha qd criança. Procuro ensinar p minha filha o q realmente tem valor. Feliz Natal p vc q ,acredito eu,possui muitas coisas boas q n podem ser compradas.

  • Vc faz a gente lembrar coisas do túnel do tempo, rsrs, hj eu já ajudo os meus filhinhos na época de Natal, ensino a eles que nem todas as crianças ganham presentes no Natal,digo q eles podem ajudar dando uns brinquedos a crianças carentes, enfim são as ações que ficam marcadas no coração das pessoas.

  • Minha experiência foi diferente. Eu não pedi nada, mas ofertei. Era tradição, na casa da minha avó, armar um pequeno presépio na sala. Certa vez, no Natal de mil, novecentos e guaraná com rolha, eu deixei uma balinha ao lado do Menino Jesus. De hora em hora eu ia lá ver se ele já havia aceitado o presente. E nada! Pense numa criança desiludida por causa disso… ao final da tarde, fui lá, peguei a balinha e chupei. Ah, pensei, se você não quer, eu quero. E creio que a partir daí nunca mais pedi nada a ele.

  • Ah, vc é uma figura mesmo. Ganhei o kit de louçinhas que esta na foto, amava brincar com isso. Hj em dia infelizmente as crianças so querem ganhar celular, ipod, chapinha. Tempos bons que não volta mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *