Macapá era assim

A foto é dos anos 70.  Ainda não havia o Teatro das Bacabeiras. O relógio instalado na calçada não marcava apenas as horas, mas sim o tempo de  encontro entre amigos, colegas e namorados na Praça Veiga Cabral.
Lembras?

Publicado em: Sem categoria Ir para o Post
  • Mama mia, uma relíquia dos tempos quando eu tinha 18 anos; cena memorizada e que ainda está bem clara em minha memória, obrigado Alcinéa por mostrar em foto parte de nossas vidas, grande abraço. Heraldo Amoras_Monte Dourado_Pará-PA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bom dia!

“Somos todos aprendizes de uma arte
na qual ninguém é mestre.”

(Ernest Hemingway)

MP-AP ajuíza ação contra ex-secretários municipais

O Ministério Público do Amapá (MP-AP) por meio da Promotoria de Justiça do Oiapoque, ajuizou, nesta segunda-feira, 24, ação de improbidade administrativa em desfavor de Edson Lopes Maia, ex-secretário municipal de Infraestrutura; Christiandson Kauê Correia da Silva, ex-secretário Municipal de Administração; Joarez da Silva, ex-diretor do Terminal Rodoviário do Oiapoque; e Elinei Rocha de Azevedo, proprietário da empresa investigada, Azevedo Construções LTDA.

A denúncia foi apresentada por Joarez Chaves, também acusado na ação, após o mesmo sentir-se injustiçado por ter sido exonerado pelo prefeito do Município. Continue lendo

Lembras?

Era assim a escola Guanabara, na rua Eliezer Levy esquina da Mendonça Furtado.  O nome era Grupo Modelo Guanabara. Você estudou lá?

Publicado em: Memória Ir para o Post
  • Me lembro bem. Era menino e sempre ia à biblioteca pública que ficava pela Presidente Vargas, fazer alguma pesquisa pedida pelos nossos mestres. Àquela época sua arquitetura parecia arrojada, e eu me perguntava por que Modelo Guanabara. Moleque besta, pensava que lá pelo Estado da Guanabara as escolas eram daquele jeito.

  • Naoestudei lá mas acompanhei a construção do início até a inauguração. Estudei no IETA, que se pode ver ao fundo da foto uma parte do prédio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

33ª Corrida Macapá Verão

O fim de semana foi de adrenalina sobre duas rodas. Sessenta ciclistas locais e vindos de vários estados brasileiros participaram da 33ª edição da Corrida Macapá Verão de Ciclismo 2017, neste domingo, 23. O evento é considerado um dos maiores da categoria do Brasil e é uma realização da Federação Amapaense de Ciclismo (FAC), com apoio da prefeitura.

Às 8h, os competidores saíram do município de Ferreira Gomes, e começaram a chegar ao distrito de Fazendinha ao meio-dia. Os atletas percorreram um trajeto de 160 km e levaram cerca de quatro horas para completá-lo. Continue lendo

Cana e coco do Adelino: sucesso no Macapá Verão

Quando o assunto é a venda de água de coco e cana de açúcar, seu Adelino Silva reina absolutamente no balneário de Fazendinha. Há 29 anos, ele mantém ponto fixo de venda na praia, e, por ser referência, em 2015 ganhou da Prefeitura de Macapá uma estrutura coberta para abrigar seus produtos. Passaram-se dois anos e a base permanece firme. E seu Adelino também, em mais um ano refrescando a vida dos veranistas nas areias quentes de Fazendinha.

“Este ano, o movimento está 100% melhor que ano passado, porque a praia está liberada para banho. Ano passado foi interditada. Aí o povo está frequentando mais e as vendas aumentaram”, avalia o vendedor, que numa domingueira chega a vender mais de 600 canas e mais de 300 cocos, Continue lendo

Chá das cinco

ANÚNCIO
Álvaro da Cunha

Eu estou sonhando com um regaço de virgem,
onde eu ponha a cabeça
e adormeça
quando este mundo se despedaçar.
Será que este quebranto no meu corpo
não é cansaço,
mas um pretexto para repousar?

– A vida é triste, o mundo é triste,
o amor é triste.
Quem me censura o ato de sonhar?

(Ainda posso encontrar o meu desejo
sem arredar um pé deste lugar)

E vou escrever anúncios no jornal:

“Poeta, em Macapá,
está precisando de um regaço de virgem
onde ponha a cabeça
e adormeça
quando este mundo se despedaçar”.
(Extraído da Antologia Modernos Poetas do Amapá – Macapá-AP, 1960)