Moradores de rua conhecem pontos turísticos de Macapá

Os usuários do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua vivenciaram uma experiência única, na quarta-feira, 19. Eles conheceram o Museu Sacaca. A ação foi ofertada pela Prefeitura de Macapá, que ofereceu aos 20 moradores em situação de rua uma manhã de lazer, diversão e resgate da dignidade.

O passeio faz parte das atividades de férias do Centro POP e tem o objetivo de inserir os usuários aos espaços públicos da cidade e proporcionar o resgate da cidadania. Continue lendo

Dia do Amigo

Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. (Fernando Pessoa)

Todo mundo tem um amigo-da-onça

Esse é um de brinquedo.

Mas todo mundo tem, já teve ou conhece um amigo-da-onça de verdade. Né não?

Quer contar um causo ou uma historinha sobre o que o amigo-da-onça aprontou contigo ou com quem você conhece?

Conta aí na caixinha de comentários.

Um poema para os amigos

Poema para o Amigo
Alcinéa Cavalcante

É possível que eu te conte
uma história de príncipes e fadas
que escutarás com o olhar perdido na infância.
Ou que te conte uma piada tão engraçada
que rolaremos de tanto rir.
Nossas gargalhadas contagiarão os passantes
e de repente todo mundo estará rindo
sem nem saber por que.

É possível
que eu faça um café com tapioca e te chame
pois café, tapioca e amigo tem tudo a ver.

É possível que eu chegue na tua casa sem avisar
só pra te ofertar uma rosa que acabara de nascer
e te oferecer um Johrei.

É possível que eu te ofereça uma música no rádio
ou te mande, pelo Correio,
uma carta numa folha de papel almaço.

É possível que eu te ligue
no meio da noite
no meio do dia
a qualquer hora
– mesmo na mais imprópria –
só pra dizer:
Amigo, eu amo você.

Hoje tem Estação Lunar

Quinta-feira é dia de Estação Lunar, uma das melhores programações da Prefeitura de Macapá neste Macapá Verão no balneário da Fazendinha.
Na Estação de hoje o forte será a música instrumental e a regional. O show começa as 20h, com Hélio Corte, e termina as 23h30 com o festejado grupo Senzalas. A talentosíssima Brenda Melo é uma das atrações de hoje.

Confira a programação:
20h – Hélio Côrte;
20h30 – Nani Rodrigues e Loren Cavalcante;
21h – Beto 7 cordas (instrumental);
21h30 – Grupo Pilão;
22h – Rambolde Campos;
22h30 – Brenda Melo;
23h30 – Senzalas.

31 anos de saudade

20 de julho é Dia do Amigo e há exatos 31 anos  minha mãe, professora Delzuite Maria Carvalho Cavalcante, pioneira do magistério amapaense, partiu ao encontro do maior e melhor amigo: Deus.
A saudade é imensa. E ainda dói.

Paraense, Delzuite Cavalcante veio para o Amapá ainda muito jovem, a convite de Janary Nunes,  tão logo foi criado o Território Federal do Amapá. Lecionou em diversas regiões do interior, às margens de rios e estradas, desenvolvendo seu trabalho no Araguari, Aporema, Cajari e Campina Grande. Sob a luz de lamparinas preparou uma geração de jovens.
Em Macapá, lecionou no Alexandre Vaz Tavares. Fez parte do primeiro quadro de professores das escolas Coaracy Nunes e José de Anchieta. Trabalhou também com educação de adultos no Centro de Ensino Emílio Médici.

Poetisa, amante da cultura e da educação, ao deixar a sala de aula continuou seu trabalho em outros setores de formação da juventude, como a Divisão de Assistência ao Estudante e o Departamento de Assuntos Culturais (hoje Secult).

Delzuite Cavalcante era filha de um português, Domingos Pereira de Carvalho, com  Jacinta Alves Carvalho.

Casou-se em 1953 com o poeta e jornalista Alcy Araújo Cavalcante com quem teve quatro filhos: Alcione, Alcinéa, Alcilene e Alcy Filho. Teve duas filhas adotivas: Genassuema e Adélia.

Mãe, na saudade dos que te amam descansa na paz de Deus.

Juiz Diego Moura lança livro na Unifap

O magistrado Diego Moura de Araújo (foto), titular da 2ª Vara da Comarca do Oiapoque, lançará, nesta sexta-feira (21), às 16h, um livro resultado de sua dissertação de mestrado defendida em 2013. A apresentação acontecerá no auditório da Biblioteca Central da Universidade Federal do Amapá (Unifap), no Campus Marco Zero do Equador, Rodovia Juscelino Kubitschek.

A obra, publicada pela Editora da UNIFAP, tem como título “Potencialidades dos mecanismos de desenvolvimento limpo e redução de emissões por desmatamento e degradação para pagamento por serviços ambientais no estado do Amapá”. Nela o juiz analisa a Continue lendo

Do meu jardim para você

Te ofereço essas flores do meu jardim para iluminar e enfeitar a tua terça-feira

Uma crônica de Flávio Cavalcante

Caixote Mágico
Flávio Cavalcante
Fundada em setembro de 1950, por Assis Chateaubriand, a TV Tupi de São Paulo foi a primeira emissora de televisão do Brasil. Porém, a revolucionária invenção do escocês John Baird demorou a se espalhar pelo restante do país, especialmente pelas pobres regiões do nordeste.
     Também naquela metade do século passado, fugindo das intempéries do sertão cearense, o ferreiro Chico Basil viajou para São Paulo. Na progressista região teve a oportunidade de conhecer o impressionante invento.
     Depois de um bom tempo trabalhando na terra da garoa, na volta para o Ceará Chico explicou para o seu velho pai, Antônio Basil de Oliveira, a novidade do sul:
     – Papai, o sinhô carece vê uma coisa que tem no São Paulo. É uma caixa de madeira que daqui de Várzea Alegre nós enxerga e ouve uma pessoa que tá conversano lá nas banda das Lavras da Mangabeira.
      O cético sertanejo Antônio Basil logo retrucou:
    – Chico, meu fi, deixa de leriado*. Eu ainda tou custano** a acreditar na caixa que só fala e ocê vem com outra que enxerga o povo que noutras paragens.

(* vocábulo cearense que significa “conversa fiada”
** flexão do verbo custar, que, no ceará, é sinônimo de demorar)

Leia mais crônicas de Flávio Cavalcante no blog Pedra de Clarianã clicando aqui